‘EU TI­VE DE

Correio da Bahia - - Vida -

Acho que não. Pos­so di­zer com 100% de cer­te­za que a ques­tão fí­si­ca foi o prin­ci­pal pro­ble­ma pa­ra que eu não ren­des­se o que eu po­dia. Ti­ve uma le­são de grau 2, no pos­te­ri­or da co­xa, num tor­neio na Fló­ri­da, pe­lo Atlé­ti­co, no jo­go con­tra o Co­rinthi­ans. Foi uma le­são até es­tra­nha, que não sen­ti na­da, de­pois vi que ti­nha a le­são. Aca­bou pe­san­do pa­ra que não con­se­guis­se de­sem­pe­nhar o fu­te­bol que to­dos es­pe­ra­vam. Se eu ti­ves­se que dar uma no­ta pa­ra a mi­nha tem­po­ra­da no Atlé­ti­co, da­ria uma no­ta seis. Seis é uma no­ta re­gu­lar. Eu po­de­ria ter fei­to mais no Atlé­ti­co, po­rém... Nes­ses qua­se dois úl­ti­mos anos, eu es­ta­va bem abai­xo da mi­nha ques­tão fí­si­ca. Po­de-se di­zer que no Atlé­ti­co eu fiz um cam­pe­o­na­to bom. Fiz no­ve gols no Bra­si­lei­ro, fui o vi­ce-ar­ti­lhei­ro do ti­me, sem con­tar que eu não era o ba­te­dor de pê­nal­ti. O Lu­cas Prat­to era o ba­te­dor de pê­nal­ti Não. Co­me­cei a pas­sar por is­so em outubro de 2014. É que an­tes eu pro­cu­ra­va não fa­lar so­bre is­so, pois ho­je su­pe­rei, es­tou bem, mo­ti­va­do, com von­ta­de. An­tes evi­ta­va fa­lar, não to­ca­va nes­se as­sun­to, por­que é uma coi­sa com­pli­ca­da, né? Mui­to de­li­ca­da. Lá no San­tos mes­mo, só al­gu­mas pes­so­as sa­bi­am dis­so. A psi­có­lo­ga, al­gu­mas pes­so­as lá, jo­ga­do­res... Só quem pas­sa por is­so sa­be o quan­to é com­pli­ca­do. Um jo­ga­dor sem mo­ti­va­ção, sem von­ta­de, que do dia pra noi­te per­de a ale­gria de fa­zer o que mais gos­ta. Is­so in­flu­en­cia em tu­do, né? Ho­je es­tou re­cu­pe­ra­do. Trei­no à par­te, co­mo to­dos sa­bem, po­rém me sin­to nor­mal fi­si­ca­men­te, co­mo sem­pre fui. Me sin­to com re­sis­tên­cia, me sin­to ale­gre pra jo­gar. Foi de­pois do jo­go do Vi­la No­va. Pa­re­ce que pri­mei­ro o pes­so­al do Bahia, o Nei Pan­dol­fo (di­re­tor de fu­te­bol), co­mu­ni­cou ao meu em­pre­sá­rio pra fa­lar. De­pois ele me man­dou men­sa­gem, no dia se­guin­te. Até fui lá, a gen­te con­ver­sou. Aí fa­la­ram que não ti­nha dado cer­to, né? Que eles de­ci­di­ram to­mar es­sa de­ci­são de afas­tar a mim e ou­tros jo­ga­do­res. Fa­lei que en­ten­dia, res­pei­ta­va, que iria cum­prir a mi­nha obri­ga­ção com o clu­be. No iní­cio fa­la­ram pa­ra vir em ho­rá­ri­os al­ter­na­dos da pro­gra­ma­ção do elen­co. Ho­je trei­no no mes­mo ho­rá­rio, mas não com o elen­co. Trei­no com jo­ga­do­res que es­tão em tran­si­ção, às ve­zes tra­zem uns jo­ga­do­res do sub-20 pa­ra fa­zer um trei­no de pos­se de bo­la, um jo­gui­nho, cam­po re­du­zi­do. Não ti­ve pro­ble­ma ne­nhum. O fa­to de eu não ter con­se­gui­do ren­der o que pos­so não te­ve re­la­ção com jo­ga­dor, nin­guém da co­mis­são, na­da, na­da, na­da. O gran­de em­pe­ci­lho foi jus­ta­men­te a ques­tão fí­si­ca. Por cau­sa da ques­tão da de­pres­são. Po­de-se di­zer que tem coi­sa de uns três me­ses, des­de que fui afas­ta­do, que me sin­to nor­mal, fi­si­ca­men­te fa­lan­do. Com ale­gria pa­ra trei­nar, com von­ta­de de jo­gar, feliz. An­tes per­dia a ale­gria, a fe­li­ci­da­de de jo­gar, tu­do de­vi­do à de­pres­são. Is­so é uma coi­sa que a gen­te hou­ve fa­lar mui­to de ca­sos, né? Re­al­men­te fi­quei mui­to aba­ti­do, mui­to tris­te, não ti­nha von­ta­de de na­da. Po­de-se di­zer que 100% do fa­to de não ter con­se­gui­do ren­der foi de­vi­do a es­ses pro­ble­mas na mi­nha par­te fí­si­ca e mo­ti­va­ci­o­nal.

No iní­cio, ain­da no San­tos, to­mei al­gu­mas me­di­ca­ções pa­ra acal­mar, né? Pra dor­mir, pra pes­soa fi­car tran­qui­la, pois es­ta­va com di­fi­cul­da­de de dor­mir, de ali­men­ta­ção... No San­tos, che­guei a per­der se­te qui­los. Es­ta­va com 76kg e che­guei a bai­xar pa­ra 69kg. Da­va três vol­tas no cam­po tro­tan­do e era co­mo se ti­ves­se jo­ga­do 90 mi­nu­tos, de co­mo eu fi­ca­va can­sa­do. En­tão aba­lou mui­to mes­mo. Só mi­nha fa­mí­lia, que acom­pa­nhou e viu de per­to, pa­ra sa­ber co­mo foi di­fí­cil. Não é fá­cil um jo­ga­dor pas­sar por is­so. En­trar em cam­po pa­ra jo­gar sen­do que não es­tá mo­ti­va­do. Mas ti­ve ali um tra­ta­men­to de uns 6 a 9 me­ses, que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.