Cur­so de re­qua­li­fi­ca­ção

Correio da Bahia - - Esporte -

Nes­sas ban­das, mes­mo quem não quer, pas­sa a vi­da ven­do e ou­vin­do no­tí­ci­as so­bre fu­te­bol - e quan­do as no­tí­ci­as sa­em de cam­po, ge­ral­men­te são de­sa­ni­ma­do­ras. Es­ta se­ma­na mes­mo, te­ve es­sa his­tó­ria tres­lou­ca­da de au­men­tar as va­gas do Bra­sil na Co­pa Li­ber­ta­do­res e a ideia mais de­sa­pru­ma­da ain­da, pa­ri­da pe­lo pró­prio pre­si­den­te da Fi­fa, de re­a­li­zar a Co­pa do Mun­do de 2026 com 48 se­le­ções, com uma fa­se eli­mi­na­tó­ria após as eli­mi­na­tó­ri­as - deu pra en­ten­der?

Há mo­men­tos, en­tre­tan­to, em que sur­gem no­tí­ci­as que cha­mam aten­ção pe­lo inu­si­ta­do e - por que não? - pe­la cri­a­ti­vi­da­de. Es­ses di­as, o me­lhor fa­to ex­tra­cam­po veio da Re­pú­bli­ca Che­ca.

O go­lei­ro To­mas Kou­bek e o meia Lu­kas Va­cha, am­bos da se­le­ção che­ca, fo­ram obri­ga­dos pe­la pró­pria equi­pe em que jo­gam, o Spar­ta Pra­ga, a trei­nar por al­guns di­as com o ti­me fe­mi­ni­no do clu­be, por­que ofen­de­ram de for­ma ma­chis­ta a ban­dei­ri­nha Lu­cie Ra­ta­jo­va, após uma par­ti­da do cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal que ter­mi­nou em­pa­ta­da por 3x3.

O em­pa­te da equi­pe ad­ver­sá­ria saiu já nos acrés­ci­mos do se­gun­do tem­po e o gol foi mar­ca­do com o jo­ga­dor em po­si­ção de im­pe­di­men­to. Ter­mi­na­do o em­ba­te, Kou­bek te­ve a bri­lhan­te e con­tem­po­râ­nea ideia de di­zer que “mu­lhe­res de­ve­ri­am fi­car na co­zi­nha, e não api­tan­do um jo­go de ho­mens”. Já seu co­le­ga Va­cha usou uma re­de so­ci­al pa­ra exi­bir a idi­o­ti­ce. No Twit­ter, pu­bli­cou uma fo­to da ban­dei­ri­nha com a le­gen­da “pa­ra o fo­gão”. De­pois de es­can­ca­rar es­te ti­po de pen­sa­men­to im­be­cil que, in­fe­liz­men­te, ain­da do­mi­na mui­tas men­tes por aí, na Re­pú­bli­ca Che­ca ou em qual­quer fi­la de ban­co e me­sa de bar em Sal­va­dor, o ar­quei­ro veio com a ve­lha des­cul­pa de que fa­lou de ca­be­ça quen­te, co­mo se is­so va­les­se pa­ra jus­ti­fi­car sua es­tu­pi­dez.

“Um er­ro cau­sou uma gran­de quan­ti­da­de de emo­ções. Gos­ta­ria de pe­dir des­cul­pas a to­das as mu­lhe­res. Não sou ma­chis­ta, mi­nha de­cla­ra­ção foi di­ri­gi­da a uma pes­soa es­pe­cí­fi­ca em uma si­tu­a­ção es­pe­cí­fi­ca. A pro­pó­si­to, eu amo mi­nhas me­ni­nas, e que­ro que al­can­ce­mos al­go que nos or­gu­lhe”, es­cre­veu Kou­bek nu­ma re­de so­ci­al, ex­pon­do a pró­pria fa­mí­lia ao ri­dí­cu­lo ao pos­tar uma fo­to com a es­po­sa e a fi­lha.

Mes­mo to­ma­do por uma “gran­de quan­ti­da­de de emo­ções”, al­guém só abre a bo­ca pra di­zer al­go as­sim, a es­sa al­tu­ra do cam­pe­o­na­to, se ti­ver es­ta con­cep­ção con­so­li­da­da na ca­be­ça. É es­ta con­so­li­da­ção que de­ve ser mi­na­da e com­ba­ti­da sem­pre que pos­sí­vel, in­clu­si­ve no fu­te­bol, vis­to por mui­ta gen­te co­mo um uni­ver­so pa­ra­le­lo em que po­de tu­do.

Pa­ra se ter uma ideia, o meia Lu­kas Va­cha, há pou­cos me­ses, já ha­via pu­bli­ca­do uma fo­to da ban­dei­ri­nha bra­si­lei­ra Fer­nan­da Co­lom­bo Uli­a­na jun­to com uma ima­gem de ou­tra mu­lher, pa­re­ci­da com Fer­nan­da, de biquí­ni. Na le­gen­da, es­cre­veu: “E en­tão os ár­bi­tros são ruins”.

Em al­guns si­tes, vi a pa­la­vra “pu­ni­ção” pa­ra tra­tar do pe­río­do que os dois jo­ga­do­res vão trei­nar com o ti­me fe­mi­ni­no. Ve­jo mais co­mo uns di­as de re­qua­li­fi­ca­ção. Tal­vez, en­tre as mu­lhe­res, Kou­bek e Va­cha ab­sor­vam al­gu­ma coi­sa que dei­xa­ram es­ca­par ao lon­go da vi­da. Tal­vez des­cu­bram al­go so­bre opor­tu­ni­da­des de­si­guais, abu­sos, as­sé­dio e ou­tras bar­rei­ras que ain­da cer­cam as mu­lhe­res.

Mas, in­fe­liz­men­te, é pro­vá­vel que is­so não pas­se do tal­vez.

Vi a pa­la­vra ‘pu­ni­ção’ pa­ra

tra­tar do pe­río­do que os dois jo­ga­do­res vão trei­nar com o ti­me fe­mi­ni­no. Ve­jo co­mo di­as de re­qua­li­fi­ca­ção

ATRASO

“Sou con­tra o re­bai­xa­men­to dos gran­des. O In­ter é cam­peão mun­di­al. De­ve­ria ha­ver uma pro­te­ção es­pe­ci­al, um ran­king que pro­te­ges­se os maiores clu­bes”. Tal afir­ma­ção foi fei­ta pe­lo pre­si­den­te do Vi­tó­ria, Rai­mun­do Vi­a­na, em en­tre­vis­ta pa­ra o jor­nal gaú­cho Ze­ro Ho­ra, an­tes da par­ti­da con­tra o Grê­mio. O eli­tis­mo con­ti­do nes­sas pa­la­vras de­mons­tra bem a for­ma de pen­sar do man­da­tá­rio ru­bro-ne­gro, um dos res­pon­sá­veis pe­la não im­plan­ta­ção das elei­ções di­re­tas no Vi­tó­ria. Ecos do pas­sa­do.

vu­fir­mo@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.