24h Prin­cí­pio de in­cên­dio dá sus­to em ma­ter­ni­da­de; não hou­ve fe­ri­dos

Correio da Bahia - - Bahia - VERENA PARANHOS

POR­TU­GUÊS Um prin­cí­pio de in­cên­dio atin­giu a Ma­ter­ni­da­de San­ta­ma­ria, do Hos­pi­tal Por­tu­guês, no bair­ro da Bar­ra, na ma­nhã de on­tem. Em no­ta, a uni­da­de in­for­mou que o fo­go ocor­reu na ca­sa de má­qui­nas, na área ex­ter­na do es­ta­ci­o­na­men­to do pré­dio, on­de fun­ci­o­nam a ma­ter­ni­da­de, a UTI Ne­o­na­tal e o Hos­pi­tal Dia. Nin­guém fi­cou fe­ri­do, mas uma in­ten­sa fu­ma­ça se es­pa­lhou no lo­cal. Ape­sar dis­so, não hou­ve ne­ces­si­da­de de eva­cu­a­ção. Agen­tes da Po­lí­cia Mi­li­tar, do Gru­pa­men­to Sal­var e du­as equi­pes do Cor­po de Bom­bei­ros fo­ram ao lo­cal, na Ave­ni­da Prin­ce­sa Isa­bel, pa­ra pres­tar as­sis­tên­cia. As cha­mas fo­ram de­be­la­das pe­la bri­ga­da de in­cên­dio da pró­pria uni­da­de de saú­de, com aju­da dos bom­bei­ros, que tam­bém fi­ze­ram o tra­ba­lho de res­fri­a­men­to. A cau­sa do prin­cí­pio de in­cên­dio ain­da será apurada. Não fo­ram di­vul­ga­das in­for­ma­ções so­bre even­tu­ais pre­juí­zos. No lo­cal, a prin­ci­pal pre­o­cu­pa­ção foi com re­la­ção à UTI Ne­o­na­tal, que fi­ca no 5º an­dar do edi­fí­cio. Uma mãe, que pre­fe­riu não se iden­ti­fi­car, dis­se que pa­ci­en­tes e fa­mi­li­a­res fo­ram in­for­ma­dos de que o fo­go es­ta­va sen­do con­ti­do e não hou­ve pâ­ni­co. “Foi tu­do mui­to tran­qui­lo, ape­sar da in­for­ma­ção ter de­mo­ra­do um pou­co a cir­cu­lar. Os fun­ci­o­ná­ri­os ti­nham pla­nos em re­la­ção ao trans­por­te dos be­bês, se fos­se ne­ces­sá­rio. A fu­ma­ça pô­de ser sen­ti­da em to­dos os an­da­res”, dis­se a mu­lher, que es­ta­va ama­men­tan­do o fi­lho na UTI na hora do prin­cí­pio de in­cên­dio. Ou­tra mãe, Ma­ria do Car­mo Agui­ar, foi sur­pre­en­di­da quan­do che­gou ao hos­pi­tal, por vol­ta das 12h30, pa­ra ama­men­tar seus fi­lhos gê­me­os, nas­ci­dos há seis di­as. “To­mei um sus­to quan­do che­guei e vi os ca­mi­nhões de bom­bei­ros e car­ros de po­lí­cia na por­ta”. Emo­ci­o­na­da, ela foi tran­qui­li­za­da por ou­tras mães na por­ta da uni­da­de. “Me de­ses­pe­rei. Es­que­ci dos pon­tos, de tu­do”. O pro­fes­sor de mú­si­ca Luiz Maurício Kot­tler da­va aula em um pré­dio pró­xi­mo ao Por­tu­guês quan­do uma alu­na cha­mou a aten­ção pa­ra a fu­ma­ça no en­tor­no. “Foi mui­to in­ten­so, uns 15 mi­nu­tos de fu­ma­ça. No iní­cio, es­ta­va cla­ro e foi fi­can­do cor de chum­bo”, con­tou. A pro­fes­so­ra Vâ­nia Cai­ro, que mo­ra no pré­dio ao la­do da ma­ter­ni­da­de, só se deu con­ta de­pois que a fu­ma­ça já es­ta­va es­cu­ra. “Che­guei na va­ran­da do 11º an­dar e ter­mi­nei ina­lan­do a fu­ma­ça. O apar­ta­men­to es­tá com chei­ro for­te, mas na­da pre­o­cu­pan­te”, dis­se ela.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.