Cri­o­te­ra­pia minimiza per­da de ca­be­los

Correio da Bahia - - Mais -

tec­ta­dos nos exa­mes de ima­gem, po­dem ser cu­ra­dos e o tra­ta­men­to ofe­re­ce uma res­pos­ta mais efe­ti­va e rá­pi­da. “As dro­gas dis­po­ní­veis es­tão com res­pos­tas mui­to mais efe­ti­vas e o acom­pa­nha­men­to fei­to por uma equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar – com ci­rur­gião, on­co­lo­gis­ta, além do su­por­te psi­co­ló­gi­co – pos­si­bi­li­ta que a mu­lher con­si­ga re­to­mar sua vi­da de mo­do mui­to mais rá­pi­do e po­si­ti­vo”, de­fen­de a mas­to­lo­gis­ta. FÉ NA CU­RA

No fi­nal de 2012, a do­na de ca­sa Ele­ni­ta Mal­ta, 63 anos, sen­tiu um ca­ro­ço do­lo­ri­do na ma­ma en­quan­to to­ma­va ba­nho. Pre­o­cu­pa­da e acos­tu­ma­da a re­a­li­zar o au­to­e­xa­me, mos­trou o nó­du­lo pa­ra a fi­lha, que é da área de saú­de. “Na épo­ca, meu ma­ri­do pre­ci­sa­va ser sub­me­ti­do a três ci­rur­gi­as im­por­tan­tes, en­tão ne­go­ci­ei com mi­nha fa­mí­lia: ele fa­ria o tra­ta­men­to pri­mei­ro e eu co­me­ça­ria o meu lo­go em se­gui­da”, con­ta. Em ou­tu­bro do ano se­guin­te, ela es­ta­va ope­ra­da e fez 19 ses­sões de ra­di­o­te­ra­pia. Mas a lu­ta de Ele­ni­ta ain­da te­ria ou­tras eta­pas e ela ain­da pre­ci­sou tra­tar ou­tros três tu­mo­res após a des­co­ber­ta do pri­mei­ro. “Sou es­pí­ri­ta e sa­bia que aque­la do­en­ça era uma for­ma de ex­pur­gar al­go que não es­ta­va bom. Res­pi­rei fun­do e me re­cu­sei a fra­que­jar. Sei que a de­pres­são é um fa­tor de agra­va­men­to da do­en­ça e dis­se que, por tu­do, eu não per­de­ria mi­nha co­ra­gem ou meu âni­mo”, con­ta. Es­se en­tu­si­as­mo ser­viu ain­da pa­ra mo­ti­var ou­tras pes­so­as que, co­mo ela, ven­ce­ram o cân­cer de ma­ma. Um dos efei­tos co­la­te­rais mais incô­mo­dos da qui­mi­o­te­ra­pia, tra­ta­men­to mais uti­li­za­do no com­ba­te à do­en­ça, é a que­da de ca­be­los ou alo­pe­cia, que já po­de ser mi­ni­mi­za­da por meio de uma téc­ni­ca cha­ma­da cri­o­te­ra­pia. Na Bahia, o Nú­cleo de On­co­lo­gia da Bahia (NOB) é pi­o­nei­ro no ser­vi­ço, dis­po­ni­bi­li­za­do nas clí­ni­cas do Gru­po On­co­clí­ni­cas em no­ve es­ta­dos bra­si­lei­ros. “Além de aju­dar a re­du­zir a que­da de ca­be­los, a tec­no­lo­gia aju­da a man­ter a au­to­es­ti­ma, que ge­ral­men­te fi­ca aba­la­da quan­do os ca­be­los ca­em e o pa­ci­en­te pas­sa a usar pe­ru­ca ou len­ço”, de­cla­ra a on­co­lo­gis­ta Sa­mi­ra Mas­ca­re­nhas, da equi­pe do NOB

A tec­no­lo­gia é in­di­ca­da pa­ra al­guns tra­ta­men­tos do cân­cer, in­clu­si­ve o de ma­ma. O equi­pa­men­to in­glês, usa­do pa­ra res­fri­a­men­to do cou­ro ca­be­lu­do, já foi uti­li­za­do em vá­ri­os paí­ses da Eu­ro­pa, em mais de dois mil pa­ci­en­tes sub­me­ti­dos a di­fe­ren­tes tra­ta­men­tos qui­mi­o­te­rá­pi­cos, e a ta­xa de su­ces­so va­ri­ou de 49% a 100% dos ca­sos pu­bli­ca­dos.“Em ge­ral, o tra­ta­men­to é bem to­le­ra­do, po­rém, al­guns pa­ci­en­tes po­dem se quei­xar de dor de ca­be­ça, ton­tu­ra e sen­sa­ção de frio, sin­to­mas que são ra­pi­da­men­te su­pe­ra­dos pe­los re­sul­ta­dos al­can­ça­dos”, afir­ma o on­co­lo­gis­ta Gil­ber­to Lo­pes, di­re­tor ci­en­tí­fi­co do Gru­po On­co­clí­ni­cas. A tou­ca ge­la­da, res­fri­a­da a me­nos 4°C, ge­ra uma sen­sa­ção tér­mi­ca no cou­ro ca­be­lu­do de até 16°C, fa­zen­do com que os va­sos san­guí­ne­os se con­trai­am. Com es­pa­ços mais con­traí­dos, a qu­an­ti­da­de de me­di­ca­ção que che­ga até a raiz do ca­be­lo é me­nor. No pró­xi­mo dia 24, o NOB re­a­li­za­rá a Ofi­ci­na De Bem com Vo­cê – A Be­le­za con­tra o Cân­cer. O even­to será re­a­li­za­do das 14h às 16h e as ins­cri­ções são gratuitas. Va­gas li­mi­ta­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.