MEU NO­ME É AMAN­DA

Correio da Bahia - - Vida -

opi­na João, ao con­tar que o equi­lí­brio emo­ci­o­nal gui­ou a se­le­ção dos 14 per­so­na­gens que são en­tre­vis­ta­dos em Li­ber­da­de de Gê­ne­ro.

NEM HO­MEM, NEM MU­LHER Ou­tras his­tó­ri­as mar­can­tes cos­tu­ram a sé­rie, co­mo a de Li­ni­ker, 21, vo­ca­lis­ta da ban­da pau­lis­ta Li­ni­ker e Os Ca­ra­me­lows. Além de pre­fe­rir ser tra­ta­do no ar­ti­go fe­mi­ni­no, Li­ni­ker de­fi­ne seu gê­ne­ro co­mo flui­do, não bi­ná­rio (nem ho­mem, nem mu­lher) e con­ta que usa ma­qui­a­gem e rou­pas fe­mi­ni­nas por­que é as­sim que se sen­te bem.

Já o fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co ce­a­ren­se Sill­vio Lú­cio, 52, nas­ceu mu­lher e há 12 anos se iden­ti­fi­ca co­mo ho­mem trans. Ca­sa­do há 16 anos com uma mu­lher, que acom­pa­nhou sua tran­si­ção, diz que não se de­fi­niu ho­mem trans an­tes por pu­ra fal­ta de co­nhe­ci­men­to. “Sem­pre me sen­ti di­fe­ren­te e foi co­nhe­cen­do a his­tó­ria de ou­tras pes­so­as que eu me iden­ti­fi­quei”, con­ta Sill­vio.

Ou­tra en­tre­vis­ta­da que se des­ta­ca é a psi­ca­na­lis­ta e es­cri­to­ra Le­tí­cia Lanz, 64, que mo­ra em Cu­ri­ti­ba e é ca­sa­da há 40 anos com uma mu­lher. Mãe de três fi­lhos e três ne­tos, Le­tí­cia con­ta que nas­ceu Ge­ral­do e só fez a tran­si­ção de gê­ne­ro após 30 anos de ca­sa­men­to, quan­do um in­far­to a fez as­su­mir sua iden­ti­da­de.

“Nas­ci ma­cho, sem­pre quis ser mu­lher e gos­to de mu­lher. En­tão eu era uma aber­ra­ção até pa­ra o gue­to. Não me in­cluo nem co­mo ho­mem, nem co­mo mu­lher, nem co­mo trans. Eu sou Le­tí­cia Lanz, uma cons­tru­ção de mim mes­ma”, diz com tran­qui­li­da­de. “Ou­tra coi­sa: eu não nas­ci no cor­po er­ra­do, eu nas­ci na so­ci­e­da­de er­ra­da. Meu cor­po es­tá cer­to”, com­ple­ta a psi­ca­na­lis­ta que res­sal­ta que “Ge­ral­do não mor­reu, só evo­luiu”.

“Es­sa sé­rie é re­al­men­te mui­to di­fe­ren­te. Ela é mais re­vo­lu­ci­o­ná­ria”, res­sal­ta João Jar­dim, ao com­pa­rar Li­ber­da­de de Gê­ne­ro com su­as ou­tras sé­ri­es, res­pon­sá­veis por abor­dar te­mas co­mo as no­vas con­fi­gu­ra­ções fa­mi­li­a­res, os no­vos ti­pos de amor (co­mo o po­li­a­mor) e as com­pul­sões.

ACEI­TA­ÇÃO

Gê­ne­ro que mar­ca a no­va sé­rie de João Jar­dim, o do­cu­men­tá­rio per­mi­te que o en­tre­vis­ta­do con­te sua his­tó­ria sem in­ter­me­di­a­ções. “Ali vo­cê tem uma pri­mei­ra pes­soa con­tan­to co­mo é es­se pro­ces­so de acei­ta­ção fí­si­ca, psi­co­ló­gi­ca e afe­ti­va”, ex­pli­ca o di­re­tor. “Exis­te a mão do di­re­tor, mas cada um con­ta sua his­tó­ria, sem um re­pór­ter tra­du­zin­do aque­les uni­ver­sos”, com­ple­ta.

En­tão João re­for­ça que a ideia de Li­ber­da­de de Gê­ne­ro é sair da vi­são su­per­fi­ci­al e mer­gu­lhar na ro­ti­na des­sas pes­so­as trans­gê­ne­ro, pa­ra que se en­ten­da a re­a­li­da­de de­las e se co­nhe­ça co­mo são in­cluí­das na so­ci­e­da­de. “Es­sa sé­rie apro­xi­ma es­sas pes­so­as de nós mes­mos. Es­sa pes­soa é igual a mim, a qual­quer um de nós, só que ela é trans­gê­ne­ra, ela não é uma do­en­te”, pon­tua.

Afi­nal, es­sas ques­tões es­tão em cada vez mais em pau­ta por­que a so­ci­e­da­de es­tá se re­vi­san­do, ou por que es­tá cada vez mais con­ser­va­do­ra? “As du­as coi­sas”, res­pon­de João, ao afir­mar que exis­te uma re­vo­lu­ção pro­vo­ca­da pe­las re­des so­ci­ais - que per­mi­te que as pes­so­as te­nham voz e en­con­trem es­pa­ço - e uma re­a­ção con­ser­va­do­ra a tu­do is­so.

“Co­mo tem mais gen­te in­do pa­ra es­ses lu­ga­res, vi­ra uma ame­a­ça. Mas o im­por­tan­te de abor­dar es­ses te­mas é dar uma nor­ma­li­da­de pa­ra eles, ti­rar a au­ra de que po­dem ser uma ame­a­ça. Os in­te­res­ses têm que ser de­ba­ti­dos”, de­fen­de. Aman­da Gui­ma­rães, 28 anos, não tem pro­ble­ma em re­ve­lar que nun­ca se ima­gi­nou fa­zen­do se­xo com um ho­mem, sen­do ho­mem. Daí vem sua de­ci­são em fa­zer a cirurgia de re­de­sig­na­ção se­xu­al. “Vol­ta e meia eu pen­sa­va em pe­gar uma fa­ca e cor­tar fo­ra o sa­fa­do, por­que eu não ia usar mes­mo”, re­ve­la a you­tu­ber em seu re­cém-lançado li­vro de es­treia: Meu No­me É Aman­da (Fá­bri­ca 231/Roc­co/ R$ 19,50/136 pá­gi­nas). Ca­çu­la de qua­tro fi­lhos, Mandy Candy, co­mo tam­bém é cha­ma­da, nar­ra com bom hu­mor sua his­tó­ria trans­gê­ne­ro no li­vro es­cri­to em pri­mei­ra pes­soa. “Ain­da não caiu a fi­cha que eu te­nho um li­vro, vi­a­da, tô chi­que, hein?! Me se­gu­ra que eu tô no chão! Nun­ca em vin­te e tan­tos anos ima­gi­nei que mi­nha his­tó­ria pu­des­se ser­vir de ins­pi­ra­ção pa­ra mui­ta gen­te”, diz a au­to­ra nos agra­de­ci­men­tos do li­vro. Cu­ri­o­so é que, ao lon­go das 136 pá­gi­nas, o lei­tor en­con­tra re­la­tos ín­ti­mos so­bre in­fân­cia, pri­mei­ro bei­jo, ro­los com os co­le­gas do tra­ba­lho, pre­con­cei­tos so­fri­dos e ou­tros mo­men­tos de­li­ca­dos da vi­da da you­tu­ber. A úni­ca coi­sa que não é en­con­tra­da no li­vro é seu no­me de nas­ci­men­to. Mas is­so pou­co im­por­ta, afi­nal a res­pos­ta es­tá es­tam­pa­da no tí­tu­lo da obra: Meu No­me É Aman­da.

Au­to­ra Aman­da Gui­ma­rães

Edi­to­ra Fá­bri­ca 231/Roc­co

Pre­ço R$ 19,50 (136 pá­gi­nas)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.