A luz da noi­te

Correio da Bahia - - Vida -

Na Ga­le­ria Ac­beu, ex­po­si­ção iné­di­ta de Ed­gard Oliva, re­sul­ta­do de seu dou­to­ra­men­to re­a­li­za­do na Es­co­la de Be­las Ar­tes da Universidade Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro, na li­nha de pes­qui­sa Poé­ti­cas In­ter­dis­ci­pli­na­res. A ex­po é no­me­a­da Quan­do a Noi­te En­con­tra o Dia e fi­ca em car­taz até 29 de ou­tu­bro.

Fo­to­gra­fia sig­ni­fi­ca de­se­nhar com luz e con­tras­te, é a téc­ni­ca de cri­a­ção de ima­gem por meio de ex­po­si­ção lu­mi­no­sa, fi­xan­do-as nu­ma su­per­fí­cie sen­sí­vel. A in­ven­ção da fo­to­gra­fia não é uma obra de um só au­tor, e sim um pro­ces­so acu­mu­la­ti­vo de avan­ços por par­te de mui­tas pes­so­as, tra­ba­lhan­do jun­tas, ou em pa­ra­le­lo, ao lon­go de mui­tos anos.

Se, por um la­do, os prin­cí­pi­os fun­da­men­tais da fo­to­gra­fia se es­ta­be­le­ce­ram há dé­ca­das e, des­de a in­tro­du­ção do fil­me fo­to­grá­fi­co co­lo­ri­do, qua­se não so­fre­ram mu­dan­ças, por ou­tro, os avan­ços tec­no­ló­gi­cos têm sis­te­ma­ti­ca­men­te pos­si­bi­li­ta­do me­lho­ri­as na qua­li­da­de das ima­gens pro­du­zi­das, agi­li­za­ção das eta­pas do pro­ces­so de pro­du­ção e a re­du­ção de cus­tos, po­pu­la­ri­zan­do o uso da fo­to­gra­fia. A in­tro­du­ção da tec­no­lo­gia di­gi­tal tem mo­di­fi­ca­do os pa­ra­dig­mas que nor­tei­am o mun­do da fo­to­gra­fia.

Os equi­pa­men­tos, ao mes­mo tem­po em que são ofe­re­ci­dos a pre­ços cada vez me­no­res, dis­po­ni­bi­li­zam ao usuá­rio mé­dio re­cur­sos cada vez mais so­fis­ti­ca­dos, as­sim co­mo mai­or qua­li­da­de de ima­gem e fa­ci­li­da­de de uso. A sim­pli­fi­ca­ção dos pro­ces­sos de cap­ta­ção, ar­ma­ze­na­gem, im­pres­são e reprodução de ima­gens pro­por­ci­o­na­das in­trin­se­ca­men­te pe­lo am­bi­en­te di­gi­tal, ali­a­da à fa­ci­li­da­de de in­te­gra­ção com os re­cur­sos da in­for­má­ti­ca, co­mo or­ga­ni­za­ção em ál­buns, in­cor­po­ra­ção de ima­gens em do­cu­men­tos e dis­tri­bui­ção via In­ter­net, tem am­pli­a­do e de­mo­cra­ti­za­do o uso da ima­gem fo­to­grá­fi­ca nas mais di­ver­sas apli­ca­ções. A in­cor­po­ra­ção da câ­me­ra fo­to­grá­fi­ca aos apa­re­lhos de te­le­fo­nia mó­vel tem, de­fi­ni­ti­va­men­te, le­va­do a fo­to­gra­fia ao co­ti­di­a­no par­ti­cu­lar do in­di­ví­duo.

Des­sa for­ma, a fo­to­gra­fia, à me­di­da que se tor­na uma ex­pe­ri­ên­cia cada vez mais pes­so­al, de­ve­rá am­pli­ar, atra­vés dos di­ver­sos per­fis de fo­tó­gra­fos ama­do­res ou pro­fis­si­o­nais, o já am­plo es­pec­tro de sig­ni­fi­ca­do da ex­pe­ri­ên­cia de se con­ser­var um mo­men­to em uma ima­gem. Uma ima­gem gu­ar­da em si uma me­mó­ria que é re­gis­tra­da em fra­ções de se­gun­do pa­ra a per­ma­nên­cia. A per­ma­nên­cia de al­go bei­ra a eter­ni­da­de, acom­pa­nha o tem­po.

Quan­do a Noi­te En­con­tra o Dia apre­sen­ta ima­gens úni­cas ins­pi­ra­das pe­la luz e som­bras das noi­tes ilu­mi­na­das pe­la lua ou pe­lo jo­go de co­res e som­bras do fi­nal do dia, cap­tu­ra­das pe­las len­tes do ar­tis­ta em am­bi­en­tes rurais e pe­ri­fé­ri­cos que fo­ram pro­po­si­tal­men­te es­co­lhi­dos pa­ra evi­tar a in­ter­fe­rên­cia da ilu­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al das gran­des ci­da­des e tam­bém pa­ra per­mi­tir os mo­men­tos de in­tros­pec­ção e cri­a­ção do au­tor.

O anoi­te­cer di­lui o con­tor­no dos ob­je­tos, re­ve­la uma at­mos­fe­ra de es­tra­nha­men­to e sur­gem os mis­té­ri­os. Al­go ine­xa­to que bus­ca sen­sa­ções par­ti­cu­la­res, lem­bran­ças, fi­a­pos do que foi, do que não mais es­tá.

As fo­to­gra­fi­as têm ta­ma­nhos va­ri­a­dos, en­tre 28 cm x 38 cm e 73 cm x 110 cm. A cu­ra­do­ria é de Cláu­dia Pôs­sa, pro­fes­so­ra apo­sen­ta­da da Universidade Fe­de­ral da Bahia e dou­to­ra pe­la Universidade de Bar­ce­lo­na, com te­se so­bre a obra fo­to­grá­fi­ca de Pi­er­re Ver­ger. Ed­gard Oliva nos apre­sen­ta ima­gens es­cu­ras on­de ofe­re­ce uma ca­dei­ra va­zia co­mo cen­tro das aten­ções, ho­ri­zon­te le­ve­men­te cla­re­a­do. Amon­to­a­dos de li­xo no chão, com car­ri­nho de be­bê na li­nha do ho­ri­zon­te, ár­vo­res de tron­cos re­tor­ci­dos cap­tu­ra­dos de bai­xo pa­ra ci­ma, ar­bus­tos com pa­no de fun­do for­ma­do por nu­vens. As fo­tos fi­cam en­tre a fi­gu­ra­ção e a abs­tra­ção, num diá­lo­go de gran­de be­le­za. Com sua pri­mei­ra câ­me­ra, o mun­do pas­sou a ser seu ce­ná­rio. Trei­nou o olhar, ci­da­de­zi­nhas do in­te­ri­or pas­sa­ram a lhe in­te­res­sar, de­pois vi­a­gens pa­ra gran­des me­tró­po­les no Bra­sil e o ex­te­ri­or em ca­rá­ter de es­tu­dos e ex­pon­do co­mo ar­tis­ta vi­su­al: Ale­ma­nha, Fran­ça, Ho­lan­da, Por­tu­gal, Bél­gi­ca. Ed­gar Oliva ho­je acu­mu­lou um bom grau de in­for­ma­ção e cui­da de sua car­rei­ra com ze­lo e per­sis­tên­cia.

crc.ro­me­ro@hot­mail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.