Ar­ti­go Ra­fa­el Val­ver­de Um no­vo olhar pa­ra o se­tor elé­tri­co

Correio da Bahia - - Front Page -

A Bahia fi­cou fo­ra do 2º Lei­lão de Ener­gia de Re­ser­va de 2016 (2º LER/2016) que se­rá re­a­li­za­do em de­zem­bro. Ape­sar de 600 em­pre­en­di­men­tos en­tre par­ques eó­li­cos e so­la­res te­rem si­do ca­das­tra­dos, to­dos fo­ram ina­bi­li­ta­dos pe­la au­sên­cia de ca­pa­ci­da­de de es­co­a­men­to de ge­ra­ção pe­la re­de bá­si­ca. Es­tu­do re­cen­te do Ope­ra­dor Na­ci­o­nal do Sis­te­ma – ONS - foi ca­te­gó­ri­co e mos­trou que a Bahia, o Rio Gran­de do Sul e o Rio Gran­de do Nor­te não pos­su­em ca­pa­ci­da­de pa­ra co­nec­tar no­vas usi­nas de ge­ra­ção de ener­gia elé­tri­ca.

A si­tu­a­ção po­de ser ex­pli­ca­da pe­la não en­tre­ga dos em­pre­en­di­men­tos de trans­mis­são na da­ta da sua ne­ces­si­da­de. O ca­so mais gra­ve é da em­pre­sa es­pa­nho­la Aben­goa, que en­trou em re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al na Eu­ro­pa e in­ter­rom­peu su­as obras aqui. Os ibé­ri­cos são res­pon­sá­veis pe­la li­nha mais im­por­tan­te li­ci­ta­da pa­ra a Bahia nos úl­ti­mos anos, ne­ces­sá­ria pa­ra es­co­ar a ener­gia eó­li­ca da re­gião cen­tral do es­ta­do, qua­li­fi­car o su­pri­men­to pa­ra to­do o Oes­te bai­a­no e in­te­gra o sis­te­ma de trans­mis­são da Usi­na de Be­lo Mon­te. A in­ter­rup­ção das obras com­ple­ta­rá dois anos e pre­vi­sões oti­mis­tas do ONS in­di­cam que não de­ve­mos ter es­sa li­nha ope­ran­do an­tes de 2020. Se for ne­ces­sá­rio re­li­ci­tar o pro­je­to, es­se pra­zo po­de ser bem mai­or. Com is­to, per­de­mos cer­ca de 3 GW de ca­pa­ci­da­de de co­ne­xão pa­ra os pro­je­tos.

Ou­tros lo­tes de trans­mis­são tam­bém pos­su­em atra­sos. Há cro­no­gra­mas com no­ve anos de di­fe­ren­ça en­tre o iní­cio da pro­du­ção e a en­tre­ga da trans­mis­são. E is­to ain­da po­de pi­o­rar, pois par­te dos lo­tes é de res­pon­sa­bi­li­da­de do gru­po Eletrobras que atra­ves­sa uma gra­ve si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra.

A si­tu­a­ção li­mi­ta o de­sen­vol­vi­men­to do es­ta­do. Em Bar­rei­ras, por exem­plo, ocor­reu o des­li­ga­men­to de car­gas por fal­ta de ca­pa­ci­da­de de aten­di­men­to do sis­te­ma.

Mas, vol­tan­do aos lei­lões, a ener­gia re­no­vá­vel é o mo­tor da eco­no­mia do Nor­des­te atu­al­men­te. São mi­lha­res de em­pre­gos e bi­lhões de in­ves­ti­men­tos que têm ge­ra­do de­sen­vol­vi­men­to on­de as opor­tu­ni­da­des não che­gam. Im­pe­dir es­se ci­clo vir­tu­o­so po­de­rá ter efei­tos ne­fas­tos so­bre as eco­no­mi­as lo­cais. Es­ti­ma­ti­vas mos­tram que po­de­re­mos per­der até R$ 3 bi­lhões de in­ves­ti­men­tos em ge­ra­ção po­ten­ci­al­men­te não con­tra­ta­da ape­nas no 2º LER-2016. Ou­tro as­pec­to é que a li­mi­ta­ção do es­co­a­men­to re­du­ziu a ofer­ta de pou­co mais de 35 mil MW pa­ra ape­nas 6 mil MW. A con­sequên­cia di­re­ta é que uma me­nor ofer­ta re­duz a dis­pu­ta por con­tra­ta­ção, im­pac­tan­do na mo­di­ci­da­de ta­ri­fá­ria.

Num ce­ná­rio de re­cu­pe­ra­ção econô­mi­ca, a fal­ta de co­ne­xão e o atra­so na en­tre­ga de ener­gia de al­guns em­pre­en­di­men­tos de ge­ra­ção po­dem pre­ju­di­car o su­pri­men­to pa­ra 2018, po­den­do, in­clu­si­ve, le­var ao dé­fi­cit ener­gé­ti­co, ca­so o re­gi­me hi­dro­ló­gi­co se­ja ruim. Ce­le­ri­da­de é a pa­la­vra da vez pa­ra ten­tar mi­ti­gar es­sas ques­tões. É ne­ces­sá­ria uma po­si­ção rá­pi­da em re­la­ção à si­tu­a­ção da Aben­goa, mui­tos es­ta­dos es­tão so­fren­do e o im­pac­to nas eco­no­mi­as é gi­gan­tes­co. Além da ge­ra­ção, a dis­tri­bui­ção de ener­gia é im­pac­ta­da e a qua­li­da­de do su­pri­men­to é de­te­ri­o­ra­da a ca­da dia que es­tas li­nhas fi­quem fo­ra de ope­ra­ção.

Pa­ra os em­pre­en­di­men­tos de ge­ra­ção que não se­rão en­tre­gues ou es­tão em atra­sos, o go­ver­no po­de­ria re­ver a mar­gem de es­co­a­men­to atre­la­da a es­tes pro­je­tos li­be­ran­do-as ain­da que tem­po­ra­ri­a­men­te en­quan­to as de­mais li­nhas fi­cam pron­tas, per­mi­tin­do a co­ne­xão de cen­te­nas de me­gawatts no cur­to pra­zo.

Pe­lo pla­ne­ja­men­to se­to­ri­al, a re­vi­são dos pra­zos de im­plan­ta­ção é uma ex­ce­len­te me­di­da que re­fle­te a si­tu­a­ção atu­al da di­fi­cul­da­de da cons­tru­ção des­tas in­fra­es­tru­tu­ras. Is­to des­per­tou imen­so in­te­res­se de in­ves­ti­do­res que en­xer­gam co­mo o me­lhor ne­gó­cio do se­tor atu­al­men­te.

Já se sa­be on­de es­tão os po­ten­ci­ais de ge­ra­ção, pre­ci­sa-se ago­ra im­ple­men­tar as li­nhas que per­mi­tam a sua vi­a­bi­li­za­ção. Olhar pa­ra o es­tu­do do ONS com es­se viés per­mi­ti­rá de­sen­vol­ver so­lu­ções rá­pi­das e tra­ba­lhar com ações es­tru­tu­ran­tes, es­ti­mu­lan­do os in­ves­ti­men­tos e ge­ran­do opor­tu­ni­da­des em to­do o se­tor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.