Re­gres­so

Correio da Bahia - - Economia -

O Rio de Ja­nei­ro so­nhou com a pa­ci­fi­ca­ção de áre­as de con­fli­to, mas ha­via acor­da­do di­an­te da re­a­li­da­de de que os ban­di­dos es­tão on­de sem­pre es­ti­ve­ram. O que foi que deu er­ra­do? Não era tão sim­ples quan­to se acha­va quan­do foi apre­sen­ta­do, a cri­se fis­cal aba­teu es­ta e ou­tras po­lí­ti­cas, e pa­ra dar cer­to, a po­lí­ti­ca de se­gu­ran­ça tem que ser se­gui­da pe­las de­mais for­mas de pre­sen­ça do Es­ta­do.

Um ci­clo se fe­cha ago­ra ofi­ci­al­men­te com a saí­da de Jo­sé Ma­ri­a­no Beltrame da Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça, mas já faz tem­po que os mo­ra­do­res da cha­ma­da ci­da­de ma­ra­vi­lho­sa sa­bem que o Rio es­tá em ple­no re­tro­ces­so na ques­tão em que ha­via avan­ça­do mui­to em anos re­cen­tes. As ce­nas de guer­ra que ex­plo­di­ram na se­gun­da-fei­ra no co­ra­ção da Zo­na Sul ate­mo­ri­za­ram, as­sus­ta­ram, mas não sur­pre­en­de­ram. O Rio sa­bia que es­ta­va per­den­do a guer­ra.

Quan­do a po­lí­cia en­tra­va, com as For­ças Ar­ma­das ou sem elas, em al­gu­ma área de ris­co, a im­pren­sa, a ci­da­de, as au­to­ri­da­des co­me­mo­ra­vam usan­do a sig­ni­fi­ca­ti­va pa­la­vra “li­ber­ta­ção”. Tu­do era tra­ta­do co­mo se a par­tir da­que­le mo­men­to tu­do es­ta­va re­sol­vi­do. Por al­gum tem­po foi pos­sí­vel vi­ver a li­vre cir­cu­la­ção de pes­so­as, o flo­res­ci­men­to de no­vos ne­gó­ci­os em fa­ve­las, e o au­men­to dos con­ta­tos en­tre ci­da­dãos mo­ra­do­res de áre­as di­fe­ren­tes da ci­da­de. Pa­re­cia que os mu­ros ha­vi­am si­do der­ru­ba­dos.

Evi­den­te­men­te, ha­ve­ria uma re­a­ção do cri­me. Não bas­ta­va en­trar com car­ros e tro­pas, abrir uma Uni­da­de de Po­lí­cia Pa­ci­fi­ca­do­ra (UPP) e ir co­me­mo­rar o fim da ci­da­de par­ti­da. O cri­me se re­or­ga­ni­zou, se for­ta­le­ceu e pre­pa­rou o con­tra-ata­que. Apro­vei­tou ca­da er­ro da po­lí­cia, e eles fo­ram mui­tos, co­mo o ca­so Ama­ril­do, pa­ra en­fra­que­cer a po­lí­ti­ca de se­gu­ran­ça, mas ago­ra o ata­que do cri­me acon­te­ce de ma­nei­ra mais ex­plí­ci­ta con­tra um go­ver­no en­fra­que­ci­do pe­la cri­se fis­cal.

An­tes do pe­río­do das po­lí­ci­as pa­ci­fi­ca­do­ras, o se­tor de se­gu­ran­ça es­ta­va su­ca­te­a­do: os car­ros não ro­da­vam por fal­ta de pe­ça de re­po­si­ção, di­nhei­ro pa­ra o con­ser­to e até de com­bus­tí­vel. Quem res­pei­ta uma po­lí­cia ar­rui­na­da eco­no­mi­ca­men­te? Hou­ve mais in­ves­ti­men­tos em se­gu­ran­ça e is­so te­ve re­sul­ta­dos.

Mas só mais di­nhei­ro não bas­ta. O se­cre­tá­rio Beltrame de­sem­bar­cou na Se­cre­ta­ria de Se­gu­ran­ça com um pla­no e uma es­tra­té­gia. O pri­mei­ro pon­to era não acei­tar que o Es­ta­do não pu­des­se en­trar em al­gu­mas áre­as. Ele afir­ma­va ser inad­mis­sí­vel que o Es­ta­do bra­si­lei­ro acei­tas­se o ve­to de um po­der pa­ra­le­lo den­tro do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Por is­so, a en­tra­da fí­si­ca em área an­tes evi­ta­da pe­la po­lí­cia era o pri­mei­ro pas­so. O se­gun­do era per­ma­ne­cer nas co­mu­ni­da­des. Em in­cur­sões po­li­ci­ais an­te­ri­o­res às UPPs, as for­ças de se­gu­ran­ça en­tra­vam, con­fron­ta­vam os cri­mi­no­sos e de­pois iam em­bo­ra. Pa­ra per­ma­ne­cer, era pre­ci­so de­sen­vol­ver no­vos va­lo­res na cor­po­ra­ção e au­men­tar a re­la­ção de con­fi­an­ça en­tre mo­ra­do­res e po­li­ci­ais. Pa­ra is­so, fo­ram con­tra­ta­dos no­vos po­li­ci­ais e eles fo­ram trei­na­dos e pre­pa­ra­dos pa­ra pas­sar a tra­ba­lhar em ca­da no­va UPP ins­ta­la­da.

Beltrame se­guiu es­sa es­tra­té­gia e ma­pe­ou a ci­da­de pa­ra en­trar e fi­car em to­das as áre­as que eram ter­ri­to­ri­al­men­te do­mi­na­das pe­lo trá­fi­co de dro­gas. A par­tir daí, ele pe­diu re­for­ços. Qu­e­ria a en­tra­da de po­lí­ti­cas so­ci­ais pa­ra aten­der os mo­ra­do­res em vá­ri­as ou­tras ne­ces­si­da­des. Hou­ve al­gum avan­ço. Na Ro­ci­nha, por exem­plo, uma rua que ba­tia o re­cor­de de tu­ber­cu­lo­se foi alar­ga­da e sa­ne­a­da pa­ra der­ro­tar a do­en­ça, da qual se sa­be a cu­ra des­de me­a­dos do sé­cu­lo pas­sa­do. Mes­mo com al­gu­mas vi­tó­ri­as, a pre­sen­ça das ou­tras po­lí­ti­cas foi fra­ca e in­su­fi­ci­en­te.

O go­ver­no do Rio usou o pe­río­do de bo­om econô­mi­co e de ar­re­ca­da­ção pa­ra am­pli­ar al­guns gas­tos que pre­ci­sa­vam ser ele­va­dos. Mas as des­pe­sas cres­ce­ram em di­ver­sas ou­tras áre­as ao mes­mo tem­po, co­mo se o pe­río­do de afluên­cia fos­se ser eter­no. Ao não se pre­pa­rar pa­ra o tem­po da es­cas­sez, o go­ver­no do Rio ame­a­çou a so­bre­vi­vên­cia de po­lí­ti­cas que con­du­ziu com êxi­to, na Se­gu­ran­ça e na Edu­ca­ção, pa­ra fa­lar de du­as.

Ou­tro pon­to in­sis­ten­te­men­te cri­ti­ca­do por Beltrame nos úl­ti­mos anos fo­ram as leis que per­mi­tem coi­sas co­mo li­ber­ta­ção de cri­mi­no­sos pa­ra da­tas fes­ti­vas. O tra­fi­can­te que co­man­dou o ata­que às UPPs, na se­gun­da-fei­ra, es­ta­va li­vre des­de maio, gra­ças a uma li­cen­ça pa­ra o Dia das Mães. Uma po­lí­ti­ca de se­gu­ran­ça na­da po­de fa­zer se age so­zi­nha, co­mo o Rio apren­deu do­lo­ro­sa­men­te.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.