24h Se­cre­tá­rio da Se­gu­ran­ça do Rio pe­de de­mis­são um dia após ti­ro­teio

Correio da Bahia - - Brasil -

NO­VO CO­MAN­DO O se­cre­tá­rio es­ta­du­al da Se­gu­ran­ça do Rio, Jo­sé Ma­ri­a­no Beltrame, en­tre­gou a car­ta de de­mis­são aos go­ver­na­do­res Fran­cis­co Dor­nel­les (em exer­cí­cio) e Luiz Fer­nan­do Pe­zão (li­cen­ci­a­do). Ele dei­xa o car­go nos pró­xi­mos di­as. O pe­di­do de de­mis­são foi en­tre­gue no mes­mo dia em que a ca­pi­tal flu­mi­nen­se en­fren­tou in­ten­so ti­ro­teio por con­ta de con­fron­tos en­tre a po­lí­cia e tra­fi­can­tes. Pa­ra o seu lu­gar, Beltrame in­di­cou o sub­se­cre­tá­rio de Pla­ne­ja­men­to e In­te­gra­ção Ope­ra­ci­o­nal, Ro­ber­to Sá. A saí­da de Beltrame já era es­pe­ra­da pa­ra de­pois da Olim­pía­da.

So­bre os su­ces­si­vos boatos da sua saí­da, o se­cre­tá­rio cos­tu­ma­va res­pon­der de for­ma ca­te­gó­ri­ca que não dei­xa­ria o car­go. Nos úl­ti­mos me­ses, no en­tan­to, pas­sou a di­zer ape­nas que “era ques­tão de fo­ro ín­ti­mo”. Beltrame, res­pon­sá­vel pe­la im­plan­ta­ção do pro­je­to das Uni­da­des de Po­lí­cia Pa­ci­fi­ca­do­ra (UPP), foi o se­cre­tá­rio que mais tem­po per­ma­ne­ceu no car­go. Ele com­ple­ta­ria 10 anos à fren­te da pas­ta em no­vem­bro. No dia se­guin­te ao in­ten­so ti­ro­teio que re­sul­tou em três mor­tos no Mor­ro Pa­vão-Pa­vão­zi­nho, na Zo­na Sul do Rio de Ja­nei­ro, a re­gião ain­da ten­ta re­to­mar à ro­ti­na. Na ma­nhã de on­tem, uma es­co­la e uma cre­che fi­ca­ram fe­cha­das na co­mu­ni­da­de, e o co­mér­cio na Rua Sá Fer­rei­ra, que dá aces­so ao mor­ro, em Co­pa­ca­ba­na, per­ma­ne­ceu fe­cha­do. O cli­ma, po­rém, era mais tran­qui­lo, e as pes­so­as cir­cu­la­vam nor­mal­men­te pe­la re­gião. Por vol­ta do meio-dia, no­ve po­li­ci­ais mi­li­ta­res fa­zi­am a se­gu­ran­ça na en­tra­da do mor­ro.

Os ba­res con­ti­nu­a­vam fe­cha­dos, e ne­nhum dos co­mer­ci­an­tes da re­gião quis dar de­cla­ra­ções. O úni­co que acei­tou con­ver­sar com a re­por­ta­gem foi o aten­den­te de um ho­tel que fi­ca ao la­do da rua que dá aces­so ao Pa­vão-Pa­vão­zi­nho. Ele se mos­trou re­sig­na­do com a si­tu­a­ção. “A gen­te que mo­ra aqui no Rio já se acos­tu­mou com is­so”, dis­se Luiz Carlos de Oli­vei­ra, que há três anos tra­ba­lha no ho­tel. “Mas fa­zia mais de um ano que eu não via al­go co­mo is­so que acon­te­ceu on­tem”, lem­brou.

Em Co­pa­ca­ba­na, o po­li­ci­a­men­to foi re­for­ça­do. Um he­li­cóp­te­ro da Po­lí­cia Mi­li­tar so­bre­vo­ou o bair­ro pe­la ma­nhã, mas não hou­ve re­gis­tro de ti­ro­tei­os e o cli­ma na re­gião es­ta­va tran­qui­lo.

Du­ran­te a ma­dru­ga­da, po­li­ci­ais do Ba­ta­lhão de Ope­ra­ções Es­pe­ci­ais (Bo­pe) fi­ze­ram bus­cas na ma­ta e pa­tru­lha­ram a re­gião, mas não hou­ve con­fron­tos. Na se­gun­da-fei­ra, o co­mér­cio che­gou a fe­char. Tra­fi­can­tes ten­ta­vam aba­ter o he­li­cóp­te­ro da PM.

Beltrame fi­cou dez anos no car­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.