O pa­pel de re­co­nhe­cer

Correio da Bahia - - Mundo - Thais Bor­ges thais.bor­ges@re­de­bahia.com.br

Ga­bri­el*, 11 anos, per­deu a mãe em 2011, ví­ti­ma de um cân­cer. Pas­sou a vi­ver com a tia e a avó no bair­ro do To­ro­ró. O pai? Tão des­co­nhe­ci­do pa­ra ele quan­to in­vi­sí­vel no re­gis­tro ci­vil - o pri­mei­ro do­cu­men­to de uma cri­an­ça e aque­le que é a ba­se de tu­do, in­clu­si­ve de que ela exis­te le­gal­men­te.

Mas a vi­da de Ga­bri­el es­tá pres­tes a mu­dar. Na se­ma­na pas­sa­da, o me­ni­no - que se­quer sa­bia o que es­ta­va pa­ra acon­te­cer - ga­nhou um pai na vi­da e no do­cu­men­to. E não foi ne­nhum mi­la­gre do dia 12 de ou­tu­bro, que car­re­ga a mis­são de ser o Dia das Cri­an­ças ao mes­mo tem­po que é o dia da pa­dro­ei­ra do Brasil, Nos­sa Se­nho­ra Apa­re­ci­da.

Foi o re­sul­ta­do de um DNA mes­mo: o exa­me, re­a­li­za­do em 2011, pou­co an­tes de a mãe do ga­ro­to mor­rer, foi fi­nal­men­te aber­to na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra (ve­ja ao la­do). “Ele não sa­be que es­ta­mos aqui ain­da, mas ele qu­e­ria ter o no­me do pai”, con­ta a tia, ir­mã da mãe, Mô­ni­ca*. O lo­cal ao qual ela se re­fe­re ex­pli­ca mui­ta coi­sa: era a se­de do Nú­cleo de Pro­mo­ção da Pa­ter­ni­da­de Res­pon­sá­vel do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Es­ta­do (Nu­par), em Na­za­ré.

Ga­bri­el, até en­tão fi­lho úni­co, vai ga­nhar oi­to ir­mãos. “Pa­ra ele, vai ser uma vi­da no­va. Vai po­der con­tar com o pai e po­der brin­car com os ir­mãos”, diz, sor­rin­do, o “no­vo” pai, o co­lo­ris­ta Pau­lo Cé­sar Por­tu­gal, 37.

A his­tó­ria de Ga­bri­el, em al­guns pon­tos, lem­bra um ro­tei­ro de fil­me ou de no­ve­la. Mas a co­or­de­na­do­ra do Nu­par, a pro­mo­to­ra Jo­a­na Phi­li­gret, ga­ran­te que ca­sos as­sim não pa­ram de che­gar à se­de do nú­cleo. Des­de que o pro­gra­ma foi cri­a­do, há 17 anos, já fo­ram mais de 50 mil re­co­nhe­ci­men­tos de pa­ter­ni­da­de em to­do o es­ta­do.

CO­NHE­CER A ORI­GEM

O pon­to de par­ti­da foi a lei da in­ves­ti­ga­ção de pa­ter­ni­da­de, ins­ti­tuí­da em 1992 pe­lo Pla­nal­to. “Mas o MP ve­ri­fi­cou que es­sa quan­ti­da­de (de cri­an­ças sem o no­me do pai no re­gis­tro) era tão gran­de que a gen­te pre­ci­sa­va to­mar uma ati­tu­de pro­a­ti­va”. Foi quan­do o ór­gão fez um con­vê­nio com as se­cre­ta­ri­as mu­ni­ci­pais de Edu­ca­ção, além da Se­cre­ta­ria da Edu­ca­ção do Es­ta­do (SEC). “To­dos os anos, de­pois que a gen­te fe­cha a ma­trí­cu­la, re­ce­be a lis­ta­gem dos alu­nos em cu­ja cer­ti­dão não cons­ta o no­me do pai. Iden­ti­fi­ca­mos is­so por bair­ro e tra­ta­mos as es­tra­té­gi­as dos mu­ti­rões”, con­ta.

Nes­ses mu­ti­rões - que, em Sal­va­dor, já pas­sa­ram por 30 bair­ros - há tam­bém pa­les­tras fo­ca­das nas mães: elas pre­ci­sam en­ten­der que os fi­lhos têm di­rei­tos, mes­mo que o pai es­te­ja mor­to ou se­ja ca­sa­do. Sem con­tar que, nos úl­ti­mos anos, a coi­sa fi­cou bem mais fá­cil com os exa­mes de DNA. E os pais “fu­jões” po­dem ser en­con­tra­dos de vá­ri­as for­mas - da­dos na Em­ba­sa, Co­el­ba ou até Fa­ce­bo­ok.

Pa­ra a pro­mo­to­ra, não há co­mo ne­gar a di­fe­ren­ça que o re­co­nhe­ci­men­to traz pa­ra uma cri­an­ça. “Mu­da de­mais (a vi­da). As cri­an­ças pe­dem, elas se re­co­nec­tam com a sua ori­gem e is­so é ma­ra­vi­lho­so. O ser hu­ma­no pre­ci­sa co­nhe­cer sua ori­gem. É um di­rei­to da per­so­na­li­da­de e um di­rei­to fun­da­men­tal, re­co­nhe­ci­do cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te”.

MAIS QUE RE­GIS­TRO

Uma no­vi­da­de é que, des­de o mês pas­sa­do, pas­sou a vi­go­rar a Lei es­ta­du­al da Pa­ter­ni­da­de Res­pon­sá­vel, pro­pos­ta pe­la de­pu­ta­da es­ta­du­al Lui­za Maia (PT). Ago­ra, to­dos os ór­gãos de re­gis­tro ci­vil de­vem co­mu­ni­car os nas­ci­men­tos sem iden­ti­fi­ca­ção de pa­ter­ni­da­de à De­fen­so­ria Pú­bli­ca do Es­ta­do.

Mas o ca­mi­nho é lon­go. Se­gun­do o MP-BA, em 2016, mais de 55 mil es­tu­dan­tes ma­tri­cu­la­dos na re­de es­ta­du­al de en­si­no não ti­nham o no­me do pai nos do­cu­men­tos. Des­se to­tal, 18,7 mil es­tão em Sal­va­dor. Além dis­so, na re­de mu­ni­ci­pal da­qui, são ou­tros 8,6 mil.

“Acha­mos o nú­me­ro gran­de, mes­mo no uni­ver­so de 139 mil (alu­nos) e te­mos per­ce­bi­do que tem apa­re­ci­do um nú­me­ro mai­or en­tre os pe­que­ni­ni­nhos”, afir­ma a co­or­de­na­do­ra de ma­trí­cu­la da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal da Edu­ca­ção (Smed), Ag­da Cruz.

E, há, cla­ro, ou­tros di­rei­tos que a cri­an­ça pas­sa a ter, a par­tir do mo­men­to que é re­co­nhe­ci­da tam­bém pe­lo pai. “Co­me­çam a exis­tir di­rei­tos e de­ve­res pa­ra o fi­lho e pa­ra o pai. A cri­an­ça ga­nha di­rei­to aos ali­men­tos, o di­rei­to de dis­cu­tir co­mo se­ria a guar­da e acres­cen­ta a par­te da an­ces­tra­li­da­de, que são os di­rei­tos de vi­si­ta dos avós”, diz a de­fen­so­ra pú­bli­ca Do­ni­la Fon­se­ca, sub­co­or­de­na­do­ra da es­pe­ci­a­li­za­da de Fa­mí­lia.

Além dis­so, quan­do a cri­an­ça for fa­zer uma vi­a­gem in­ter­na­ci­o­nal, por exem­plo, e só ti­ver a mãe, só ela pre­ci­sa au­to­ri­zar. Se ti­ver os dois pais, po­de ser ne­ces­sá­ria a au­to­ri­za­ção dos dois. Pe­la De­fen­so­ria, que tem a cam­pa­nha Sou Pai Res­pon­sá­vel, mais de 12 mil re­co­nhe­ci­men­tos já fo­ram fei­tos des­de 2007.

Tan­to a pro­mo­to­ra Jo­a­na Phi­li­gret quan­to a de­fen­so­ra Do­ni­la Fon­se­ca, no en­tan­to, des­ta­cam que a pa­ter­ni­da­de não é so­men­te ter o no­me no pa­pel - o pai de­ve par­ti­ci­par da vi­da da cri­an­ça. “A re­la­ção aca­ba, mas o vín­cu­lo pa­ter­no é pa­ra sem­pre. Não adi­an­ta em­pur­rar pa­ra bai­xo do ta­pe­te, por­que a cri­an­ça vai per­gun­tar. O di­rei­to de vi­si­ta é da cri­an­ça”, com­ple­ta a pro­mo­to­ra.

A psi­có­lo­ga clí­ni­ca Ni­li­a­ne Bri­to tam­bém re­for­ça que, no fim das con­tas, o re­gis­tro é al­go sim­bó­li­co. “A cri­an­ça sa­be que ser pai é cui­dar, é ser pre­sen­te, é pro­te­ger. Tam­bém não é co­mo al­guns pais que acham que é dar pre­sen­te. Há mui­tos pais que não es­cu­tam o que a cri­an­ça quer, mas quan­do ela tem uma fi­gu­ra pa­ter­na bem de­fi­ni­da, ela tem mais se­gu­ran­ça”, ex­pli­ca.

*No­mes fic­tí­ci­os

Mais de 50 mil cri­an­ças já fo­ram re­co­nhe­ci­das, mas o ca­mi­nho é lon­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.