Utin­ga: a ci­da­de dos pais res­pon­sá­veis

Correio da Bahia - - Mais - CLA­RIS­SA PA­CHE­CO

Pa­re­ce enredo de fil­me: em vi­da, a mãe de Ga­bri­el*, 11 anos, nun­ca con­tou quem era o pai do ga­ro­to. De­pois de mui­ta in­sis­tên­cia - in­clu­si­ve, do co­lo­ris­ta Pau­lo Cé­sar Por­tu­gal, 37, que acha­va que o me­ni­no pu­des­se ser seu fi­lho - ela acei­tou fa­zer um tes­te de DNA em fe­ve­rei­ro de 2011. A fa­mí­lia acha que ela es­con­dia por­que os dois só ti­nham fi­ca­do. Fo­ram, en­tão, à se­de do Nú­cleo de Pro­mo­ção de Pa­ter­ni­da­de Res­pon­sá­vel do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Es­ta­do (MP-BA), em Na­za­ré.

Ga­bri­el es­ta­va jun­to, mas não ti­nha mui­ta no­ção do que acon­te­cia. No dia de abrir o exa­me, ela não foi. Já es­ta­va do­en­te: era cân­cer. Mor­reu pou­co de­pois. Os anos pas­sa­ram e Ga­bri­el foi mo­rar com a tia e a avó, no To­ro­ró. “Um dia, no ano pas­sa­do, a gen­te veio no (mer­ca­do) Bom­pre­ço (em fren­te ao nú­cleo) e, quan­do ele viu o Nu­par, dis­se: ‘Tia, eu já vim aqui uma vez com mi­nha mãe e ti­ra­ram meu san­gue”, con­ta a tia de­le, Mô­ni­ca*. Ela sus­pei­ta­va de Pau­lo Cé­sar, mas sua ir­mã tam­bém nun­ca ti­nha di­to na­da. Es­con­di­do da mãe, avó do me­ni­no, de­ci­diu bus­car o exa­me. Qua­se cin­co anos de­pois, Ga­bri­el ga­nhou um pai. Mas ele ain­da não sa­bia: por mais que acre­di­tas­se que o so­bri­nho fi­ca­ria fe­liz, Mô­ni­ca achou que era me­lhor ter cer­te­za, es­pe­rar o re­sul­ta­do e con­ver­sar com cal­ma. Já Pau­lo Cé­sar, pai de ou­tros oi­to fi­lhos, não es­con­dia a fe­li­ci­da­de com a che­ga­da do no­no. Era uma vez uma ci­da­de on­de as pes­so­as não se ca­sa­vam. Não é que não exis­tis­sem ca­sais, mas eles não ofi­ci­a­li­za­vam a união. Mas o jo­go vi­rou e a “cul­pa” foi de um pa­dre ita­li­a­no que che­gou à ci­da­de de Utin­ga, no Cen­tro-Sul bai­a­no, em 2004. “O pa­dre fa­lou, nu­ma mis­sa, que era uma coi­sa que in­co­mo­da­va e sur­pre­en­dia, por­que ele não ce­le­bra­va ca­sa­men­tos”, con­tou o pre­fei­to da ci­da­de, Al­ber­to Mu­niz (PSD). Foi o es­to­pim. Ca­tó­li­co, o pre­fei­to resolveu in­cen­ti­var os ca­só­ri­os e cri­ou um bair­ro pa­ra os re­cém-ca­sa­dos de qual­quer re­li­gião, cha­ma­do Mo­ra­da das Noi­vas – uma es­pé­cie de pro­gra­ma ha­bi­ta­ci­o­nal em que os be­ne­fi­ciá­ri­os eram no­vos ca­sais. Não se sa­be se foi es­sa a so­lu­ção do pro­ble­ma. Mas, em 2014, dez anos de­pois da quei­xa do pa­dre Ga­bri­el, Utin­ga tor­nou-se a ci­da­de bai­a­na com a mai­or ta­xa de na­ta­li­da­de do ano: 49,13 nas­ci­men­tos pa­ra ca­da 100 mil ha­bi­tan­tes ho­mens.

Mais que is­so: foi a ci­da­de on­de os bai­a­nos mais se de­cla­ra­ram pais – ou se­ja, re­co­nhe­ce­ram e re­gis­tra­ram os pe­que­nos. Em 2014, a po­pu­la­ção de 19.490 ga­nhou mais 439 no­vos re­si­den­tes. E nem dá pa­ra di­zer que es­sa é a fai­xa de nas­ci­dos vi­vos em ci­da­des com a mes­ma quan­ti­da­de de mo­ra­do­res: a mai­o­ria das ci­da­des bai­a­nas com po­pu­la­ção en­tre 19 mil e 20 mil ha­bi­tan­tes te­ve a me­ta­de do nú­me­ro de cri­an­ças nas­ci­das no pe­río­do. Nes­te ran­king, a ca­pi­tal, Sal­va­dor, ocu­pa ape­nas a 98ª po­si­ção.

“É meio di­fí­cil tra­çar um in­di­ca­dor (da ra­zão do nú­me­ro de nas­ci­men­tos), mas se ob­ser­var­mos um pa­râ­me­tro, po­de ser a qua­li­da­de de vi­da”, apos­ta a se­cre­tá­ria mu­ni­ci­pal de As­sis­tên­cia So­ci­al de Utin­ga, Ste­la Da­mas­ce­no. Ela ex­pli­ca que, des­de 2013, exis­te uma lei na ci­da­de que de­ter­mi­na be­ne­fí­ci­os pa­ra mães em vul­ne­ra­bi­li­da­de so­ci­al - en­tre es­ses be­ne­fí­ci­os es­tá um au­xí­lio na­ta­li­da­de.

Ou­tra ini­ci­a­ti­va de Utin­ga foi con­tra­tar um ad­vo­ga­do só pa­ra cui­dar dos ca­sos em que ha­via pro­ble­mas com o re­co- nhe­ci­men­to da pa­ter­ni­da­de. O ser­vi­ço fun­ci­o­na des­de 2014. “Bus­quei apoio em Sal­va­dor e con­se­gui ins­ta­lar na ci­da­de uma uni­da­de da De­fen­so­ria que deu al­gum avan­ço nes­sa ques­tão”, con­ta o pre­fei­to.

Pa­ra ele, a pre­sen­ça de um ad­vo­ga­do cui­dan­do, ex­clu­si­va­men­te, das ques­tões de pa­ter­ni­da­de res­pon­sá­vel aju­dou a mu­dar o qua­dro. “Quan­do co­me­çou, ele di­zia que não ia aguen­tar, que ia sair, que a gen­te pre­ci­sa­va de um re­for­ço por­que era mui­ta coi­sa. Ho­je, ele já con­se­gue dar con­ta so­zi­nho”, com­ple­ta Mu­niz.

“É im­por­tan­te re­co­nhe­cer a pa­ter­ni­da­de por­que é um ser hu­ma­no que vo­cê es­tá co­lo­can­do no mun­do, além de ser uma dá­di­va de Deus se tor­nar pai”, afir­mou o co­mer­ci­an­te Le­o­mi Araú­jo Al­ves, 30 anos, pai da pe­que­na Ana Ce­cí­lia, 3.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.