Per­so­na­gens aju­dam a en­ten­der con­tex­tos his­tó­ri­cos

Correio da Bahia - - Mais -

Os qua­dri­nhos de Ma­fal­da, Cal­vin e Ha­rol­do, Char­lie Brown e Ha­gar, o Hor­rí­vel, são re­cor­ren­tes na vi­da de quem bus­ca uma va­ga na uni­ver­si­da­de ou pa­ra pas­sar num con­cur­so pú­bli­co. Com te­mas que pas­sei­am por eco­lo­gia, va­lo­res mo­rais e po­lí­ti­ca, en­tre ou­tros, as ti­ri­nhas são ain­da re­gis­tros his­tó­ri­cos de ca­da épo­ca.

Cri­a­da em 1964 pe­lo ar­gen­ti­no Qui­no, a per­so­na­gem Ma­fal­da ques­ti­o­na pro­ble­mas da Amé­ri­ca La­ti­na, vol­tan­do-se con­tra in­jus­ti­ças so­ci­ais. Ela “nas­ceu” no con­tex­to da Guer­ra Fria e Guer­ra do Vi­et­nã e traz di­ver­sas pro­ble­ma­ti­za­ções do pe­río­do.

A cri­a­ção do per­so­na­gem Ca­pi­tão Amé­ri­ca tam­bém traz con­si­go um con­tex­to his­tó­ri­co de tem­pos pou­co pa­cí­fi­cos. Em 1941, du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, sur­ge das mãos de Joe Si­mon e Jack Kirby, um su­per-he­rói ves­ti­do com a ban­dei­ra nor­te-ame­ri­ca­na que pro­me­te “apa­zi­guar a ago­nia, o au­to­ri­ta­ris­mo mi­li­tar e com­ba­ter a ti­ra­nia” dos re­gi­mes to­ta­li­tá­ri­os, co­mo apre­sen­tou uma ques­tão do Enem em 2012. O exa­me trou­xe a ca­pa da pri­mei­ra edi­ção da HQ, pu­bli­ca­da pe­la atu­al Mar­vel Co­mics, na qual o su­per-he­rói lu­ta com o di­ta­dor ale­mão Adolf Hti­ler, sim­bo­li­zan­do a vi­tó­ria dos EUA so­bre a Ale­ma­nha na­zis­ta.

Pa­ra o pes­qui­sa­dor Gu­tem­berg Cruz, os qua­dri­nhos são fon­tes his­tó­ri­cas pa­ra quem de­se­ja en­ten­der quais eram as crí­ti­cas fei­tas às so­ci­e­da­des do pas­sa­do. “A crí­ti­ca da épo­ca es­ta­rá nos car­tuns de fo­lhe­tins e jor­nais que re­tra­ta­vam a so­ci­e­da­de. Os ca­ri­ca­tu­ris­tas fa-

2. Ca­pi­tão Ame­ri­ca (Joe Si­mon e Jack Kirky) Ca­pa da pri­mei­ra edi­ção do HQ, pu­bli­ca­do pe­la Mar­vel Co­mics, foi co­bra­da na pro­va de 2012 zi­am sá­ti­ra ao go­ver­no de Dom Pe­dro II, às di­fe­ren­ças en­tre as ves­ti­men­tas dos es­cra­vos e ma­da­mes, além das de­si­gual­da­des en­tre as clas­ses al­tas e bai­xas”, ex­pli­ca ele.

Na úl­ti­ma edi­ção do Enem, um car­tum do bai­a­no Gil­mar Bar­bo­sa foi uti­li­za­do na pro­va de Ci­ên­ci­as Humanas e su­as Tec­no­lo­gi­as pa­ra abor­dar a in­clu­são so­ci­al de pes­so­as por­ta­do­ras de ne­ces­si­da­des es­pe­ci­ais nas de­mo­cra­ci­as con­tem­po­râ­ne­as no de­sa­fio da uni­ver­sa­li­za­ção de di­rei­tos e re­co­nhe­ci­men­to de di­fe­ren­ças.

Em­bo­ra se­jam mais fre­quen­tes nas pro­vas de Humanas e Lin­gua­gens, os qua­dri­nhos tam­bém apa­re­cem co­mo apoio nas pro­pos­tas de Re­da­ção. “O Enem tra­ba­lha ha­bi­li­da­des e es­se ti­po de re­cur­so dá opor­tu­ni­da­de de o es­tu­dan­te ser co­bra­do além das re­gras se­mân­ti­cas e gra­ma­ti­cais. Co­bram a ca­pa­ci­da­de de no­tar a uti­li­za­ção da lin­gua­gem e de en­ten­der fun­ções de­la den­tro de uma per­cep­ção de mun­do”, diz o pro­fes­sor Lu­cas Ro­cha.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.