Odeio es­se fu­te­bol gour­met

Correio da Bahia - - Esporte -

Se­gun­do tem­po de jo­go ro­lan­do, Bahia 4x0 no Tu­pi nu­ma be­la noi­te de do­min­go em Sal­va­dor. Her­na­ne to­ca na bo­la e, de re­pen­te, es­cu­tam-se vai­as na Are­na Fon­te No­va. Se­rá que es­cu­tei er­ra­do? Pou­co tem­po de­pois, o chi­a­do se re­pe­te num no­vo to­que do cen­tro­a­van­te. Pron­to, es­se mo­men­to foi o es­to­pim de uma “guer­ra” que pa­re­ce mes­mo ter che­ga­do ao fi­nal: per­de­mos pa­ra o fu­te­bol gour­met.

Num pas­sa­do não tão distante, es­sa ce­na ab­sur­da era pra­ti­ca­men­te im­pen­sá­vel. Em vez das vai­as, gri­tos de “olé” se­ri­am es­cu­ta­dos na Fon­te. Mas não, is­so in­fe­liz­men­te não pô­de ser vis­to. O que acon­te­ceu no fi­nal de se­ma­na pas­sa­do tor­na-se ca­da vez mais pre­sen­te nos nos­sos gra­ma­dos. De­ve­ria ser mo­der­ni­za­ção, mas aca­bou vi­ran­do eli­ti­za­ção. O ver­da­dei­ro tor­ce­dor de fu­te­bol es­tá sen­do dei­xa­do de la­do. A tur­ma do te­a­tro, sen­ta­di­nha co­mo um robô, pre­pa­ra­da pa­ra aplau­dir, in­va­diu as ar­qui­ban­ca­das.

Acei­ta­mos o mo­de­lo im­plan­ta­do pe­la Fifa pa­ra a Co­pa do Mun­do de 2014 sem le­var em con­si­de­ra­ção o la­do his­tó­ri­co e cul­tu­ral do nos­so po­vo. An­tes, era co­mum o ti­me vi­si­tan­te só en­trar em cam­po de­pois do man­dan­te. Pri­mei­ro a fes­ta dos do­nos da ca­sa, com di­rei­to a fo­gue­tó­rio do la­do de fo­ra do es­tá­dio, pa­pel pi­ca­do e ban­dei­rão. De­pois, vai­as e al­guns pa­la­vrões pa­ra os “in­tru­sos”. No atu­al fu­te­bol gour­met, os ár­bi­tros pu­xam a fi­la e os dois ti­mes en­tram co­mo no vi­de­o­ga­me, jun­ti­nhos e di­re­to pa­ra es­cu­tar o Hi­no Na­ci­o­nal. Cum­pri­men­tar a tor­ci­da é coi­sa do pas­sa­do.

Era nor­mal pe­dir um sor­ve­te de co­co e ele che­gar um pou­qui­nho mis­tu­ra­do com ca­já. De boa, afi­nal, o ven­de­dor era brother e tam­bém tor­cia pa­ra o nos­so ti­me. A re­se­nha so­bre o jo­go ro­la­va ali mes­mo, en­tre um sor­ve­te e ou­tro. Ago­ra, pai, es­que­ça. Com­pre seu pi­co­lé me­xi­ca­no de 12 con­to na ve­lo­ci­da­de, pois não tem nem es­pa­ço en­tre uma ca­dei­ri­nha e ou­tra pa­ra o tra­ba­lha­dor ven­der o pro­du­to de­le. Amen­doim, ro­le­te de ca­na e o ve­lho ba­lei­ro não exis­tem mais. Se con­ten­te com ham­búr­guer de mi­cro-on­das e pas­tel de for­no.

Na Fon­te, era co­mum ver as pal­mi­nhas na­que­le rit­mo gos­to­so quan­do o jo­go pa­re­cia cha­to. Ma­nei­ra per­fei­ta de in­te­ra­gir e, quem sa­be, fa­zer os ca­ras acor­da­rem den­tro de cam­po, afi­nal, pa­gar R$ 10 no in­gres­so e não ver um fu­te­bol é com­pli­ca­do, né? Ho­je, mes­mo pa­gan­do R$ 30, a ga­le­ra fi­ca sa­tis­fei­ta só em fa­zer sel­fie e ou­vir a ban­di­nha cha­ta to­can­do fre­vo. Oi? Mas nos­sos di­ri­gen­tes pre­fe­rem ter 15 mil pes­so­as com­pran­do in­gres­sos de R$ 30, R$ 50 e até R$ 150 do que 50 mil tor­ce­do­res de R$ 10 ou R$ 15.

Pos­so es­tar até meio nos­tál­gi­co, po­rém sou de um tem­po em que a tor­ci­da jo­ga­va com o ti­me e não ao con­trá­rio. Ne­gros, bran­cos, ri­cos, po­bres, to­dos mis­tu­ra­dos, se abra­çan­do. Quan­tos me­lho­res ami­gos eu ti­nha den­tro do es­tá­dio? Vá­ri­os que eu ha­via aca­ba­do de co­nhe­cer. Proi­bi­ram até a Kom­bi do Reg­gae do la­do de fo­ra. O pon­to de en­con­tro dos ami­gos deu lu­gar a um es­ta­ci­o­na­men­to na­da ba­ra­to. E den­tro da are­na ain­da acham que du­as la­ti­nhas de pe­ri­gue­te por R$ 6 é pro­mo­ção.

Não sou tão sau­do­sis­ta ao pon­to de não en­xer­gar a im­por­tân­cia da mo­der­ni­za­ção dos es­tá­di­os. Sen­tir-se se­gu­ro é im­por­tan­te e ter um ba­nhei­ro em con­di­ções tam­bém é es­sen­ci­al. Mas que tal pa­rar­mos por aí? O es­tá­dio não é e nun­ca de­ve­ria ser uma ex­ten­são da sa­la da nos­sa ca­sa. Ex­pe­ri­men­te fi­car em pé no lan­ce de pe­ri­go do seu ti­me. Meu Deus! O sen­ta e le­van­ta, tão tra­di­ci­o­nal, ago­ra é re­cri­mi­na­do de uma for­ma di­fí­cil de en­ten­der. Se for um bom­ba­di­nho da aca­de­mia de ca­mi­se­ta que es­ti­ver sen­ta­do, en­tão, po­de até dar bri­ga.

E tu­do is­so aí se re­fle­te den­tro de cam­po. Chu­tei­ras co­lo­ri­das, ca­be­los chei­os de gel e co­me­mo­ra­ções com as mãos pa­ra o céu. Até pro­vo­ca­ção vi­rou “ati­tu­de an­ti­des­por­ti­va”. Ti­rar a ca­mi­sa ao mar­car um gol é pe­dir pa­ra to­mar um ama­re­lo. Fa­zer si­nal de si­lên­cio pa­ra o tor­ce­dor ri­val tam­bém é proi­bi­do. Ah... É qua­se im­pos­sí­vel fa­zer su­ces­so se não ti­ver no­me com­pos­to, viu? Pe­lé e Zi­co, coi­ta­dos, ho­je se­ri­am Ed­son Aran­tes e Arthur An­tu­nes. O fu­te­bol em sua es­sên­cia es­tá mor­ren­do no Brasil. Aqui do la­do, na Ar­gen­ti­na, ele ain­da so­bre­vi­ve. Se vo­cê é da ge­ra­ção gour­met, dê uma olha­di­nha no You­Tu­be que vai achar.

mi­ro.pal­ma@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.