Sem se­gre­do

Correio da Bahia - - Esporte - Moy­sés Su­zart moy­ses.su­zart@re­de­bahia.com.br

To­da per­gun­ta so­bre a es­ca­la­ção do Vi­tó­ria tem a mes­ma res­pos­ta do téc­ni­co Ar­gel Fucks, ge­ral­men­te acom­pa­nha­da com ou­tro ques­ti­o­na­men­to. “O ti­me que trei­na é o ti­me que jo­ga. Vo­cês não vi­ram o trei­no?”, diz, cur­to e gros­so. Nes­te ca­so, quem se deu mal foi Van­der. An­tes fa­vo­ri­to pa­ra o lu­gar do le­si­o­na­do Ma­ri­nho no jo­go de ama­nhã, di­an­te da Pon­te Pre­ta, às 19h30, o ata­can­te vai se con­ten­tar com o ban­co. No trei­no de on­tem, Ti­a­go Re­al foi man­ti­do no ti­me e Cár­de­nas re­tor­na na va­ga dei­xa­da pe­lo ca­mi­sa 7.

Te­o­ri­ca­men­te, o ti­me mu­da­ria pa­ra um 4-4-2, mas não é bem o que vai acon­te­cer. Ti­a­go Re­al jo­ga­rá adi­an­ta­do pe­la di­rei­ta, fa­zen­do a fun­ção de Ma­ri­nho, en­quan­to Cár­de­nas fi­ca com a res­pon­sa­bi­li­da­de da cri­a­ção pe­lo meio.

“Nós te­mos uma for­ma de jo­gar que é a mes­ma. O ti­me jo­ga no 4-2-3-1 den­tro e fo­ra de ca­sa. O mais im­por­tan­te é jo­gar bem. Quan­do vo­cê jo­ga bem, mais per­to vo­cê es­tá da vi­tó­ria. Te­mos que con­ti­nu­ar com a mes­ma de­di­ca­ção, in­ten­si­da­de. Só pre­ci­sa­mos cri­ar mais, prin­ci­pal­men­te em re­la­ção ao úl­ti­mo jo­go. Acre­di­to que, com a vol­ta do Cár­de­nas, que é um jo­ga­dor al­ta­men­te téc­ni­co, pos­sa nos dar es­sa qua­li­da­de”, as­se­gu­ra Fucks, de­ter­mi­na­do em se man­ter 100% jo­gan­do fo­ra de ca­sa. Em dois jo­gos atu­an­do co­mo vi­si­tan­te, o Leão com Ar­gel Fucks ven­ceu am­bos: 1x0 em ci­ma do In­ter­na­ci­o­nal e 4x1 di­an­te da Cha­pe­co­en­se.

Ar­gel Fucks vi­a­ja pa­ra São Pau­lo com a es­ca­la­ção de­fi­ni­da

CON­FRON­TO DI­RE­TO

Ama­nhã, quan­do o Vi­tó­ria en­trar em cam­po, já vai sa­ber to­dos os re­sul­ta­dos dos con­cor­ren­tes, que jo­gam ho­je. Po­rém, pa­ra Ar­gel Fucks, pou­co im­por­ta o re­sul­ta­do alheio. Pa­ra ele, as­sim co­mo to­dos no elen­co, o me­lhor re­sul­ta­do é o do Vi­tó­ria. “A gen­te pre­ci­sa fa­zer pon­tos. Cla­ro que pre­ci­sa bus­car a vi­tó­ria. Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro nun­ca é fá­cil. As pes­so­as têm que en­ten­der que a com­pe­ti­ção tem 11 equi­pes que dis­pu­tam o tí­tu­lo e no­ve con­tra o re­bai­xa­men­to. Não tem jo­go fá­cil. Ti­ve­mos um mo­men­to bom na com­pe­ti­ção, per­de­mos o úl­ti­mo jo­go. Te­mos que bus­car a re­cu­pe­ra­ção na pró­xi­ma par­ti­da”, re­ve­la Fucks, con­fi­an­te.

O co­man­dan­te ru­bro-ne­gro tam­bém não acre­di­ta que os con­fron­tos di­re­tos pos­sam de­ter­mi­nar os re­bai­xa­dos da atu­al tem­po­ra­da. Pa­ra ele, ne­nhum jo­go va­le mais que o ou­tro. “Não acre­di­to nes­ta coi­sa de jo­go de seis pon­tos. Quer um exem­plo? O In­ter. Ven­ce­mos os dois jo­gos con­tra eles, mas a di­fe­ren­ça en­tre nós é de ape­nas dois pon­tos. Da Cha­pe­co­en­se pa­ra bai­xo, to­dos bri­gam pa­ra não cair. To­do jo­go va­le três pon­tos, pois o jo­go mais im­por­tan­te é o que va­mos jo­gar”, ex­pli­ca Fucks. Se­rão 13 con­fron­tos di­re­tos até a 38ª ro­da­da. O Vi­tó­ria ain­da pe­ga Sport, Cru­zei­ro, Fi­guei­ren­se e Co­ri­ti­ba.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.