Não es­pe­re o ano no­vo pa­ra sair das dí­vi­das

Correio da Bahia - - Front Page -

“Di­nhei­ro é sa­gra­do, não acei­ta de­sa­fo­ro”. Es­ta é uma má­xi­ma mui­to pre­sen­te no co­ti­di­a­no de pro­fis­si­o­nais de economia e fi­nan­ças, mas que tam­bém de­ter­mi­na mui­tos pas­sos de ci­da­dãos co­muns que sa­bem ad­mi­nis­trar os gas­tos. Pes­so­as as­sim sa­bem di­fe­ren­ci­ar cré­di­to dis­po­ní­vel de po­der de com­pra, sa­bem quan­to exa­ta­men­te so­bra do sa­lá­rio no fim do mês e, prin­ci­pal­men­te, sa­bem exa­ta­men­te em qual si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra se en­con­tram. Mas e quem não sa­be na­da dis­so, o que de­ve fa­zer?

É mui­to co­mum nos de­pa­rar­mos com pes­so­as que ga­nham um sa­lá­rio de ra­zoá­vel pa­ra bom, te­o­ri­ca­men­te su­fi­ci­en­te pa­ra pro­por­ci­o­nar qua­li­da­de de vi­da e man­ter dis­tân­cia dos bo­le­tos atra­sa­dos. O pro­ble­ma é que mui­tas des­sas pes­so­as se es­que­cem de men­su­rar quan­to de seu ren­di­men­to vai pa­ra os gas­tos bá­si­cos (luz, água, te­le­fo­ne, su­per­mer­ca­do), quan­to vai pa­ra ou­tros gas­tos cons­tan­tes (im­pos­tos, pres­ta­ção do apar­ta­men­to/car­ro, com­bus­tí­vel, pla­no de saú­de, ca­fe­zi­nho pós-al­mo­ço) e quan­to so­bra pa­ra o “po­der de com­pra”.

Ape­nas ten­do es­sa di­fe­ren­ci­a­ção, é pos­sí­vel sa­ber em qual si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra nos en­con­tra­mos! Mes­mo no cur­to pra­zo, al­gu­mas me­di­das de­vem ser to­ma­das, pa­ra que, aos pou­cos, as coi­sas se ajus­tem. O ide­al é fa­zer uma pla­ni­lha de gas­tos e, a par­tir dis­so, ini­ci­ar o cor­te de ati­vi­da­des su­pér­flu­as – aque­la vi­a­gem de fim de ano po­de ser adi­a­da; aque­la piz­za não é tão fun­da­men­tal as­sim du­ran­te a se­ma­na; seu ca­chor­ro po­de so­bre­vi­ver sem aque­le brin­que­di­nho; e seu ca­be­lo (prin­ci­pal­men­te, os fe­mi­ni­nos) com cer­te­za não pre­ci­sa vi­si­tar o sa­lão de be­le­za com tan­ta frequên­cia.

Ou­tro fa­tor im­por­tan­te é iden­ti­fi­car a di­fe­ren­ça bá­si­ca en­tre di­nhei­ro pa­ra gas­tar e cré­di­to. Se uma pes­soa re­ce­be, por exem­plo, um sa­lá­rio de R$ 3 mil, ela po­de ob­ter até R$ 9 mil em cré­di­to ape­nas vi­si­tan­do três agências de di­fe­ren­tes ban­cos. A ques­tão é: co­mo se­rá pos­sí­vel, com um ren­di­men­to des­ses, pa­gar es­sa dí­vi­da, mes­mo que em mui­tas e pe­que­nas par­ce­las? É pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel, já que os ju­ros po­dem se tor­nar uma bo­la de ne­ve, ca­paz de aca­bar com a saú­de fi­nan­cei­ra de qual­quer pes­soa!

Mes­mo com pou­co mais de dois me­ses pa­ra 2017, é ho­ra de to­mar uma ati­tu­de. Bus­que en­ten­der seus ren­di­men­tos, po­nha seus gas­tos na pon­ta do lá­pis, uti­li­ze seu 13º sa­lá­rio pa­ra re­du­zir as dí­vi­das, pla­ne­je-se pa­ra en­trar no ano no­vo com mais tran­qui­li­da­de. A tro­ca do ca­len­dá­rio não po­de ser­vir de des­cul­pa pa­ra adi­ar­mos me­di­das po­si­ti­vas. É pos­sí­vel en­con­trar um pon­to cer­to, ca­paz de ga­ran­tir saú­de as su­as fi­nan­ças e de re­a­li­zar seus so­nhos em um pra­zo ra­zoá­vel. Bas­ta pla­ne­jar!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.