A vi­são de Te­mer

Correio da Bahia - - Economia -

A ideia de que o te­to do gas­to pú­bli­co po­de ser re­vis­to mais ce­do foi de­fen­di­da pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer den­tro do con­tex­to de um ce­ná­rio bom, em que o país cres­ça, ele­van­do a ar­re­ca­da­ção. Ele acha que, se is­so acon­te­cer, o go­ver­nan­te po­de­rá pro­por a mu­dan­ça atra­vés de emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal. É um ce­ná­rio pos­sí­vel, mas mui­to di­fí­cil de se atin­gir e pre­ci­sa de con­tro­le de gas­tos pa­ra se che­gar lá.

‘Não me in­co­mo­do com a fal­ta de po­pu­la­ri­da­de’, dis­se o pre­si­den­te Te­mer on­tem, na en­tre­vis­ta que me con­ce­deu. E re­pe­tiu que não quer ser can­di­da­to. Por is­so, es­tá dis­pos­to a uma pau­ta im­po­pu­lar co­mo a de li­mi­tar a cor­re­ção das des­pe­sas pú­bli­cas à in­fla­ção do ano an­te­ri­or.

— Nós fi­xa­mos ago­ra em 20 anos, vi­san­do o lon­go pra­zo, com re­vi­são em 10 anos. Mas se da­qui a qua­tro ou cin­co anos o país es­ti­ver cres­cen­do, aí se po­de mu­dar is­so por meio de uma emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal — dis­se o pre­si­den­te.

Ele ne­gou que já te­nha de­sis­ti­do da re­for­ma tra­ba­lhis­ta, re­pe­tiu que a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia vai igua­lar, em al­guns pon­tos, o re­gi­me de apo­sen­ta­do­ria dos ser­vi­do­res e dos tra­ba­lha­do­res do se­tor pri­va­do, e que é pre­ci­so in­cluir os po­lí­ti­cos nes­sa mu­dan­ça de re­gras da Pre­vi­dên­cia.

O jor­na­lis­ta Elio Gas­pa­ri pu­bli­cou re­cen­te­men­te que ele se apo­sen­tou aos 55 anos. Com ba­se nis­so, per­gun­tei co­mo ele con­ven­ce­ria as pes­so­as a se apo­sen­ta­rem mais tar­de se ele mes­mo — e vá­ri­os de seus mi­nis­tros — ha­via se apo­sen­ta­do ce­do. Te­mer res­pon­deu no es­ti­lo de­le de en­fren­tar per­gun­tas incô­mo­das: — É in­te­res­san­te co­mo o meu exem­plo ser­ve pa­ra re­ve­lar co­mo há apo­sen­ta­do­ri­as pre­co­ces. Pas­sa­ram-se 20 anos e es­tou aqui con­ver­san­do. Ain­da con­si­go tra­ba­lhar. A mi­nha apo­sen­ta­do­ria é uma re­ve­la­ção. É um exem­plo pa­ra mos­trar a im­pro­pri­e­da­de des­sa apo­sen­ta­do­ria. Vin­te anos de­pois es­tou aqui tra­ba­lhan­do. O que tor­na tão di­fí­cil es­sa dis­cus­são so­bre a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia é que no país há uma le­gião de apo­sen­ta­dos pre­co­ces e ago­ra não dá mais pa­ra fu­gir da re­a­li­da­de de um dé­fi­cit, ape­nas do Re­gi­me Ge­ral (dos tra­ba­lha­do­res do se­tor pri­va­do), que su­pe­ra R$ 100 bi­lhões.

Di­fí­cil tam­bém é o de­ba­te so­bre o te­to de gas­tos. Te­mer re­pe­tiu on­tem o que o go­ver­no tem di­to com in­sis­tên­cia: que o li­mi­te é pa­ra o con­jun­to do Or­ça­men­to, mas po­de-se es­co­lher uma área pa­ra cor­tar, pre­ser­van­do-se saú­de e edu­ca­ção. Quan­do o pre­si­den­te quis dar um exem­plo, ele fa­lou em re­du­zir des­pe­sas em obras. O pro­ble­ma é que o país pre­ci­sa vol­tar a in­ves­tir, pa­ra re­to­mar o cres­ci­men­to.

Te­mer acha que a PEC pas­sa­rá em se­gun­do tur­no na Câ­ma­ra por­que ha­via se­te a oi­to de­pu­ta­dos que não vo­ta­ram por­que es­ta­vam vi­a­jan­do, mas que são vo­tos a fa­vor do go­ver­no. Ele se ar­ris­ca a di­zer que po­de ter uns 370 vo­tos. E re­pe­tiu que a me­di­da é ur­gen­te.

— Se não fi­zer­mos is­so, nós não va­mos ter um país sau­dá­vel da­qui a qua­tro ou cin­co anos — dis­se.

Te­mer diz que tem um “bom diá­lo­go com o Con­gres­so”, mas ad­mi­te que is­so não é o su­fi­ci­en­te, por­que os con­gres­sis­tas pre­ci­sam es­tar cons­ci­en­tes da ne­ces­si­da­de de me­di­das pa­ra re­ver­ter os de­se­qui­lí­bri­os fis­cais. O pre­si­den­te Te­mer não tem uma po­lí­ti­ca es­pe­cí­fi­ca pa­ra com­ba­ter o de­sem­pre­go. Quan­do per­gun­tei so­bre is­so, ele dis­se que a ge­ra­ção de em­pre­go se­rá atra­vés dos in­ves­ti­men­tos do se­tor pri­va­do, que vi­rão se con­ti­nu­ar se re­cu­pe­ran­do a con­fi­an­ça na economia:

— Mas is­so não vai acon­te­cer no mês que vem, ou da­qui a dois me­ses. É um pro­ces­so pau­la­ti­no, mas evi­den­te­men­te da­qui a al­gum tem­po nós va­mos co­me­çar a re­du­zir a mar­gem de de­sem­pre­ga­dos. O de­sem­pre­go vai con­ti­nu­ar al­to, e o país pre­ci­sa ter pa­ci­ên­cia pa­ra en­fren­tar as di­fi­cul­da­des.

Quan­do per­gun­tei se ele ha­via de­sis­ti­do da re­for­ma tra­ba­lhis­ta, so­bre a qual fa­lou no co­me­ço do seu pe­río­do de in­te­ri­ni­da­de, Te­mer dis­se que o Ju­di­ciá­rio vai aos pou­cos ad­mi­tin­do que o ne­go­ci­a­do en­tre as par­tes, prin­ci­pal­men­te pa­ra man­ter o em­pre­go, pre­va­le­ce so­bre o le­gis­la­do. Ele dis­se que só de­sis­ti­rá da re­for­ma se ela não for mais ne­ces­sá­ria, pe­la ge­ne­ra­li­za­ção des­se en­ten­di­men­to do Su­pre­mo. O pre­si­den­te ad­mi­te que há um du­ro tra­ba­lho a fa­zer pa­ra re­e­qui­li­brar o país, que as más no­tí­ci­as, co­mo a do de­sem­pre­go, vão per­ma­ne­cer, mas es­tá con­fi­an­te de que a apro­va­ção de me­di­das de ajus­te, por mais du­ras que se­jam, vai le­var o país a su­pe­rar a cri­se.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.