Sem gar­ga­los, Bahia po­de do­brar ge­ra­ção

Correio da Bahia - - Mais -

A pro­du­ção de ener­gia eó­li­ca já é uma re­a­li­da­de na Bahia, com sig­ni­fi­ca­ti­vos im­pac­tos pa­ra a economia lo­cal, mas a quan­ti­da­de de pro­je­tos po­de­ria ser de mais do que o do­bro, ca­so in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos pre­vis­tos em in­fra­es­tru­tu­ra de trans­mis­são ti­ves­sem si­do re­a­li­za­dos no pra­zo pre­vis­to. Se ho­je o es­ta­do tem pro­je­tos em ope­ra­ção e em im­plan­ta­ção que ul­tra­pas­sam os 5,5 mil me­gawatts, no pla­ne­ja­men­to ener­gé­ti­co do Bra­sil pro­je­tam-se mais 6 mil me­gawatts, na de­pen­dên­cia ape­nas de li­nhas de trans­mis­são pa­ra ser li­ci­ta­dos.

Após di­fi­cul­da­des com a fal­ta de sin­cro­nia en­tre a cons­tru­ção de par­ques eó­li­cos e a im­plan­ta­ção de li­nhas de trans­mis­são há al­guns anos, o go­ver­no fe­de­ral pas­sou a exi­gir que os no­vos pro­je­tos eó­li­cos fos­sem li­ci­ta­dos pró­xi­mos a es­tru­tu­ras pa­ra a trans­mis­são da ener­gia e a co­ne­xão com o sis­te­ma in­te­gra­do, ex­pli­ca o di­re­tor do Gru­po CER, Ra­fa­el Val­ver­de, que é es­pe­ci­a­lis­ta em ener­gi­as re­no­vá­veis.

“No pla­ne­ja­men­to ener­gé­ti­co do Bra­sil exis­te a pre­vi­são de cons­tru­ção de du­as gran­des li­nhas de trans­mis­são, que vão cor­tar a Bahia pa­ra­le­la­men­te e per­mi­tir a ex­pan­são das áre­as dis­po­ní­veis pa­ra im­plan­ta­ção de par­ques”, ex­pli­ca Val­ver­de.

Se­gun­do ele, a in­fra­es­tru­tu­ra pa­ra a trans­mis­são e di­fi­cul­da­des pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to dos pro­je­tos são ho­je os prin­ci­pais gar­ga­los pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do se­tor. “Es­ses pro­ble­mas não são bai­a­nos. Se o Bra­sil, que tem um po­ten­ci­al eó­li­co e so­lar ma­ra­vi­lho­so, qui­ser con­ti­nu­ar se des­ta­can­do nes­sas áre­as, é fun­da­men­tal so­lu­ci­o­nar es­ses gar­ga­los”, diz.

O con­sul­tor no se­tor ener­gé­ti­co Fi­la­del­fo Sou­za Fi­lho, da FAS Ener­gi­as Re­no­vá­veis, afir­ma que o po­ten­ci­al to­tal da Bahia é de 20 ve­zes o que se pro­duz atu­al­men­te no es­ta­do. Ele ex­pli­ca que es­te po­ten­ci­al é li­mi­ta­do por “fai­xas de vi­a­bi­li­di­da­de”. “O que se pre­ci­sa fa­zer é in­ves­tir pa­ra am­pli­ar es­sas fai­xas de vi­a­bi­li­da­de ca­da vez mais”, diz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.