Tre­ze jor­nais diá­ri­os em Sal­va­dor

Correio da Bahia - - Mais - Nel­son Ca­de­na

En­tre 1915 e 1918, Sal­va­dor con­tou com 13 jor­nais diá­ri­os cir­cu­lan­do na ci­da­de, três de­les ves­per­ti­nos. De um la­do, os tra­di­ci­o­nais Diá­rio da Bahia, que cir­cu­la­va des­de 1856, Diá­rio de No­tí­ci­as, des­de 1875, e Jor­nal de No­tí­ci­as, des­de 1878. De ou­tra par­te, os no­vos A Tar­de, O Meio Dia, A No­tí­cia, Épo­ca, A Ci­da­de, A Rua, O Tem­po, O Es­ta­do, O De­mo­cra­ta, A Ho­ra e O Im­par­ci­al. Cir­cu­la­vam tam­bém dois pe­rió­di­cos com fo­co ex­clu­si­vo na gu­er­ra: A Con­fla­gra­ção e Tri­bu­na Ale­mã, e ain­da o bis­se­ma­ná­rio Cor­reio. E den­tre as re­vis­tas, a des­ta­car: A Bahia, A Ce­go­nha, A En­cren­ca, Ca­re­ti­nha, Bahia Ilus­tra­da e Re­nas­cen­ça. De­vo ter es­que­ci­do al­gu­ma, cer­ta­men­te.

Não re­la­ci­o­nei aci­ma as re­vis­tas de cir­cu­la­ção tri­mes­tral, ou anu­al, es­pe­ci­a­li­za­das, do gê­ne­ro Re­vis­ta Ecle­siás­ti­ca, ou Re­vis­ta do Ins­ti­tu­to Ge­o­grá­fi­co e His­tó­ri­co da Bahia, com o que au­men­ta o nú­me­ro de tí­tu­los dis­po­ní­veis. In­te­res­sa ob­ser­var que os 13 jor­nais diá­ri­os e as de­mais pu­bli­ca­ções aqui men­ci­o­na­das dis­pu­ta­vam um pú­bli­co lei­tor de não mais do que 100 mil ha­bi­tan­tes, na hi­pó­te­se de to­dos os bai­a­nos al­fa­be­ti­za­dos na­que­le tem­po se­rem con­su­mi­do­res de mí­dia. Co­mo che­ga­mos a es­te nú­me­ro? O IBGE nos in­for­ma que em 1920, Sal­va­dor pos­suía uma po­pu­la­ção de 283.422 ha­bi­tan­tes. Nos in­for­ma tam­bém que no cen­so da­que­le ano foi apu­ra­da uma ta­xa de anal­fa­be­tis­mo, no país, de 65% na mé­dia. To­man­do a ta­xa Bra­sil co­mo re­fe­rên­cia, po­de­mos con­cluir que ape­nas 35% da po­pu­la­ção da ci­da­de es­ta­ria ap­ta a ler jor­nais ou re­vis­tas, ou se­ja, 99.197 pes­so­as. E en­tão só te­mos a con­cluir que um sé­cu­lo de­pois se lê me­nos, mui­to me­nos, ca­da vez me­nos. Mal te­mos mer­ca­do pa­ra três jor­nais diá­ri­os e a po­pu­la­ção al­fa­be­ti­za­da ho­je aci­ma de 15 anos é de 2,029 mi­lhões, 20 ve­zes a mais que no pe­río­do de re­fe­rên­cia aqui co­lo­ca­do.

Nú­me­ros à par­te, ca­be re­fle­tir nes­te es­pa­ço so­bre co­mo se deu es­se bo­om edi­to­ri­al tão sin­gu­lar. De um la­do, abriu-se um vá­cuo na im­pren­sa diá­ria com o de­sa­pa­re­ci­men­to dos jor­nais A Bahia e Diá­rio da Tar­de, em­pas­te­la­dos no res­cal­do do bom­bar­deio de Sal­va­dor em ja­nei­ro de 1912. Te­mos de con­si­de­rar tam­bém o no­vo mo­men­to po­lí­ti­co com a li­de­ran­ça de Jo­sé Joaquim Se­a­bra e seu apa­ni­gua­do e su­ces­sor Antô­nio Muniz; am­bos pre­ci­sa­vam con­tar com uma mí­dia ali­nha­da ao go­ver­no pa­ra se con­tra­por à ra­di­cal opo­si­ção do Diá­rio da Bahia, es­te, pro­pri­e­da­de do ex-go­ver­na­dor Se­ve­ri­no Vi­ei­ra, de­ca­no da im­pren­sa bai­a­na. E, após, A Tar­de, que evo­luiu da opo­si­ção mo­de­ra­da no go­ver­no Se­a­bra pa­ra a ra­di­cal no go­ver­no de Muniz So­dré.

A mai­o­ria dos jor­nais aqui men­ci­o­na­dos, os de si­tu­a­ção e opo­si­ção, foi fun­da­da ou di­ri­gi­da pe­los ra­pa­zes da Ga­ze­ta do Po­vo, o jor­nal que im­pul­si­o­nou a can­di­da­tu­ra de Se­a­bra e de­sa­pa­re­ceu em 1916 pa­ra dar lu­gar a O De­mo­cra­ta: Simões Fi­lho fun­dou A Tar­de; Arthur Ma­tos di­ri­giu A No­tí­cia, per­ten­cen­te ao se­na­dor Fre­de­ri­co Cos­ta; Arthur Fer­rei­ra, tam­bém ex-Ga­ze­ta do Po­vo, fun­dou A Ho­ra, fa­zen­do fe­roz opo­si­ção ao go­ver­na­dor Muniz e ao In­ten­den­te da ci­da­de, Pro­có­pio da Fon­tou­ra. Fer­rei­ra tan­to ba­teu nas au­to­ri­da­des que as­su­miu o pa­pel de de­sa­fe­to pes­so­al do pre­fei­to e aca­bou ma­tan­do-o com um ti­ro me­ses após es­te dei­xar a pre­fei­tu­ra. O pró­prio go­ver­na­dor Antô­nio Muniz, ex-di­re­tor da Ga­ze­ta, uma vez in­ves­ti­do do mais al­to car­go do exe­cu­ti­vo do es­ta­do, fun­dou O Tem­po. E o fun­da­dor da Ga­ze­ta do Po­vo, Vir­gí­lio de Le­mos, foi mais tar­de o fun­da­dor de O Im­par­ci­al, em 1918, um dos íco­nes da im­pren­sa bai­a­na e um dos me­lho­res jor­nais que já ti­ve­mos na ter­ri­nha. Tre­ze jor­nais diá­ri­os cir­cu­lan­do em Sal­va­dor, na­que­les idos, há de se ima­gi­nar a di­fi­cul­da­de do lei­tor em op­tar por es­ta ou aque­la as­si­na­tu­ra. A es­co­lha en­tre o jor­na­lis­mo de opi­nião, ou no­ti­ci­o­so, e em es­pe­ci­al a es­co­lha pe­la me­lhor co­ber­tu­ra da gu­er­ra que im­pac­ta­va to­dos nós, in­clu­si­ve a pró­pria im­pren­sa às vol­tas com o pre­ço abu­si­vo dos im­por­ta­do­res de pa­pel. Fal­ta­vam in­su­mos e so­bra­va in­fla­ção.

nca­de­na2006@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.