In­con­di­ci­o­nal

Correio da Bahia - - Vida - Moy­sés Su­zart moy­ses.su­zart@re­de­bahia.com.br

De mãos da­das e tro­ca de olha­res apai­xo­na­dos. Um amor in­con­di­ci­o­nal, sem vai­as e crí­ti­cas des­tru­ti­vas. É as­sim que o téc­ni­co Gu­to Fer­rei­ra quer a Fon­te No­va, ho­je, às 21h30, no du­e­lo en­tre Bahia e Bra­sil de Pe­lo­tas. Pa­ra ele, o tor­ce­dor vai abra­çar a equi­pe tri­co­lor e trans­for­mar a par­ti­da em um es­pe­tá­cu­lo den­tro e fo­ra do gra­ma­do.

O pe­di­do de Gu­to tem fun­da­men­to. Na bri­ga pe­lo aces­so, o Bahia tem si­do um bom alu­no den­tro de ca­sa. É o me­lhor man­dan­te, com ape­nas du­as der­ro­tas e 77% de apro­vei­ta­men­to. Ven­cen­do ho­je, o ti­me com­ple­ta seis triun­fos se­gui­dos na Fon­te e dor­me no G4. Ape­sar da evo­lu­ção do ti­me, nem to­do tor­ce­dor es­tá de pei­to aber­to. Du­ran­te a go­le­a­da por 4x0 di­an­te do Tu­pi, no do­min­go, o ata­can­te Her­na­ne foi vai­a­do, o que cau­sou re­vol­ta em Gu­to Fer­rei­ra.

“Exis­tem crí­ti­cas cons­tru­ti­vas e des­tru­ti­vas. A des­tru­ti­va so­ma o quê? Se vo­cê é tor­ce­dor, com uma crí­ti­ca des­tru­ti­va, vo­cê es­tá vi­san­do des­truir o seu clu­be. Tor­ce­dor do Bahia é ex­tre­ma­men­te apai­xo­na­do. O tor­ce­dor, ul­ti­ma­men­te, por es­tar ma­chu­ca­do, é a se­gun­da Sé­rie B, se tor­na até um pou­co cha­to. Mas que es­se per­fil não re­fli­ta nes­se mo­men­to, que é um mo­men­to de apoio. Se por ven­tu­ra al­go não es­ti­ver dan­do cer­to, não é com uma crí­ti­ca des­tru­ti­va que vai mu­dar”, diz o téc­ni­co.

PA­CI­ÊN­CIA

Ape­sar da co­bran­ça en­ten­di­da co­mo ex­ces­si­va, a pre­sen­ça do tor­ce­dor não tem si­do pro­ble­ma pa­ra o Bahia. O tri­co­lor tem a me­lhor mé­dia de pú­bli­co da Sé­rie B, com 13.294 pa­gan­tes por du­e­lo. Gu­to pe­de pa­ci­ên­cia na arquibancada, pois o jo­go ho­je ten­de a ser mais com­pli­ca­do que o do Tu­pi. O Bra­sil é 8º co­lo­ca­do com 45 pon­tos, um a me­nos que o Es­qua­drão.

Pa­ra Gu­to, o mo­men­to de cri­ti­car te­rá sua ho­ra exa­ta. “De­pois, se não acon­te­cer (o aces­so), no dia 26 de no­vem­bro, é ho­ra de fin­car pé pa­ra mu­dan­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas. Mas, nes­se mo­men­to, ain­da não. Mais do que nun­ca, pre­ci­sa­mos des­sa ener­gia pa­ra cons­truir e não pa­ra des­truir”, acres­cen­ta Gu­to Fer­rei­ra. Só o triun­fo fa­rá o ti­me dor­mir no G4. Pa­ra con­ti­nu­ar, pre­ci­sa que dois dos três ad­ver­sá­ri­os lo­go à fren­te tro­pe­cem: Náu­ti­co, Avaí e Lon­dri­na, to­dos com 48 pon­tos, jo­gam ama­nhã.

Pa­ra o trei­na­dor, os atle­tas su­pe­ra­ram as mu­dan­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas fei­tas du­ran­te a com­pe­ti­ção e ago­ra es­tão fo­ca­dos no úni­co ob­je­ti­vo: o aces­so. “Não tem com­pro­me­ti­men­to de 99%. Ou vo­cê es­tá com­pro­me­ti­do ou não es­tá. Ho­je, no gru­po do Bahia, quem não con­se­gue pen­sar des­sa ma­nei­ra, o pró­prio gru­po co­bra de ma­nei­ra for­te, e com o tem­po, vai en­cos­tan­do”.

On­tem o Bahia trei­nou na Fon­te No­va, sem a pre­sen­ça da im­pren­sa. A no­vi­da­de é a vol­ta de Moi­sés à la­te­ral es­quer­da.

Téc­ni­co Gu­to Fer­rei­ra pe­de mais amor e pa­ci­ên­cia con­tra o Bra­sil-RS

Gu­to Fer­rei­ra faz mis­té­rio no trei­no, mas a es­ca­la­ção não tem se­gre­do: a vol­ta de Moi­sés é a úni­ca mu­dan­ça. O que o trei­na­dor pe­de que mu­de é a pa­ci­ên­cia da tor­ci­da com o ti­me

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.