24h Aber­ta li­ci­ta­ção pa­ra des­mon­te par­ci­al do Cen­tro de Con­ven­ções

Correio da Bahia - - Bahia - ALE­XAN­DRE LYRIO

PRO­POS­TAS As em­pre­sas in­te­res­sa­das em par­ti­ci­par do des­mon­te, demolição e re­ti­ra­da dos es­com­bros da es­tru­tu­ra que des­mo­ro­nou no Cen­tro de Con­ven­ções da Bahia (CCB) têm até quar­ta-fei­ra pa­ra apre­sen­tar su­as pro­pos­tas, no pré­dio da Go­ver­na­do­ria, no Cen­tro Ad­mi­nis­tra­ti­vo. A aber­tu­ra da li­ci­ta­ção foi pu­bli­ca­da on­tem, no Diá­rio Ofi­ci­al do Es­ta­do. Se­gun­do a Se­cre­ta­ria de Co­mu­ni­ca­ção, nes­sa se­gun­da-fei­ra es­tá pre­vis­ta uma vi­si­ta­ção das em­pre­sas in­te­res­sa­das ao lo­cal em que ocor­reu o des­mo­ro­na­men­to. De­pois dis­so, con­for­me es­tá es­cri­to no Diá­rio Ofi­ci­al, as em­prei­tei­ras têm até quar­ta-fei­ra pa­ra apre­sen­tar su­as co­ta­ções. “As em­pre­sas vão apre­sen­tar su­as pro­pos­tas, uma co­mis­são vai jul­gá-las e apon­tar qual é a me­lhor”, con­fir­mou o en­ge­nhei­ro ci­vil Car­los Emí­lio Me­ne­ses Strau­ch, au­tor do pro­je­to es­tru­tu­ral do Cen­tro de Con­ven­ções. O avi­so de cha­ma­men­to pú­bli­co é em ca­rá­ter emer­gen­ci­al e pre­vê uma con­tra­ta­ção pa­ra o des­mon­te par­ci­al da es­tru­tu­ra. Ou se­ja, ape­nas a es­tru­tu­ra de con­cre­to e me­tal que ruiu, de­ve­rá ser re­ti­ra­da do lo­cal. O des­mon­te e demolição do res­tan­te da es­tru­tu­ra ocor­re­rão de­pois de ou­tro pro­ces­so li­ci­ta­tó­rio ain­da sem pra­zo pa­ra ocor­rer. De acor­do com Car­los Strau­ch, o tra­ba­lho de des­mon­tar e de­mo­lir es­tru­tu­ras des­se ti­po é com­pli­ca­do e exi­ge téc­ni­ca apu­ra­da. O en­ge­nhei­ro afir­ma que exis­tem pou­cas em­pre­sas na Bahia em con­di­ções de fa­zer es­te ser­vi­ço. “Aqui tem pou­cas”. Strau­ch ex­pli­ca que se­rá ne­ces­sá­ria a uti­li­za­ção de gran­des equi­pa­men­tos. “São guin­das­tes pa­ra des­truir o con­cre­to. Não po­de usar mar­te­le­tes (má­qui­nas usa­das pa­ra per­fu­rar e rom­per o con­cre­to) por cau­sa do ba­ru­lho. É com­pli­ca­do”. Ain­da não se tem ideia dos cus­tos da “lim­pe­za”. “O cus­to quem vai di­zer são as em­pre­sas”, dis­se o en­ge­nhei­ro. So­men­te de­pois de ter­mi­na­do es­se tra­ba­lho, pe­ri­tos po­de­rão en­trar no lo­cal e ini­ci­ar uma aná­li­se apro­fun­da­da do que ocor­reu, in­cluin­do aí os téc­ni­cos do Con­se­lho Re­gi­o­nal de En­ge­nha­ria, Ar­qui­te­tu­ra e Agro­no­mia (Crea), que abriu um pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo e mon­tou uma co­mis­são pa­ra es­tu­dar o ca­so do Cen­tro de Con­ven­ções. O Crea quer sa­ber se a de­ci­são de des­mon­tar e de­mo­lir to­do o Cen­tro de Con­ven­ções se­ria re­al­men­te a mais cor­re­ta pa­ra o pro­ble­ma. No dia 27 de se­tem­bro, o go­ver­no anun­ci­ou que o CCB se­ria com­ple­ta­men­te de­mo­li­do e um no­vo equi­pa­men­to se­ria cons­truí­do em ou­tro lo­cal. Mas a Câ­ma­ra Es­pe­ci­a­li­za­da em En­ge­nha­ria Ci­vil do Crea in­for­mou que vai cha­mar to­dos os en­vol­vi­dos no pro­ces­so pa­ra ava­li­ar es­sa de­ci­são com mais pre­ci­são. “Tem que fa­zer uma pe­rí­cia, ana­li­sar as con­di­ções dos per­fis e vi­gas me­tá­li­cas e, fi­nal­men­te, ver a vi­a­bi­li­da­de do equi­pa­men­to, in­clu­si­ve de cus­tos”, afir­mou Le­o­nel Bor­ba, con­se­lhei­ro do Crea.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.