Ca­çu­li­nha, po­rém

Correio da Bahia - - Vida - Moy­sés Su­zart moy­ses.su­zart@re­de­bahia.com.br

No sol es­cal­dan­te das 10h em Vi­las do Atlân­ti­co, o PFC-Ca­ja­zei­ras, no­vo ca­çu­la do fu­te­bol bai­a­no, trei­na­va em um clu­be no li­to­ral de Lau­ro de Frei­ras. Es­tra­nha­men­te, to­dos os atle­tas co­man­da­dos pe­lo téc­ni­co Bar­bo­si­nha fa­zi­am o tra­di­ci­o­nal ra­chão de tê­nis, in­cluin­do o ata­can­te Sas­sá, du­as ve­zes ar­ti­lhei­ro do Bai­a­não e uma da Co­pa Go­ver­na­dor do Es­ta­do. Eram or­dens do clu­be que ce­deu o es­pa­ço: na­da de chu­tei­ra de bir­ro no gra­ma­do. Quan­do o trei­no re­cre­a­ti­vo es­ta­va no au­ge, o téc­ni­co Bar­bo­si­nha foi abor­da­do por um se­nhor. “Bom dia, sou te­nen­te da PM. Da­qui a pou­co te­re­mos nos­so ba­ba. Que ho­ras vo­cês ter­mi­nam?”, per­gun­tou o po­li­ci­al, que re­ce­beu a res­pos­ta-sú­pli­ca do trei­na­dor: “Pos­so fi­car mais 20 mi­nu­ti­nhos?”.

São pe­que­nos pro­ble­mas es­tru­tu­rais su­pe­rá­veis pa­ra a pre­ten­são do mais no­vo clu­be pro­fis­si­o­nal da Bahia. Hoje, pe­la Co­pa Go­ver­na­dor do Es­ta­do, o Ca­ja­zei­ras fa­rá seu se­gun­do jo­go ofi­ci­al na his­tó­ria, o pri­mei­ro em ca­sa. Quer di­zer, não é bem sua ca­sa. O jo­go con­tra o Vi­tó­ria da Con­quis­ta, às 17h15, se­rá no Bar­ra­dão. É que o fu­tu­ro re­du­to, Pi­tu­a­çu, não con­se­guiu o lau­do de li­be­ra­ção a tem­po pa­ra o con­fron­to. No pri­mei­ro jo­go, os ca­ja­zei­ren­ses ven­ce­ram Tei­xei­ra de Frei­tas, por 2x1, fo­ra.

O Pi­tu­a­çu Fu­te­bol Clu­be Ca­ja­zei­ras nas­ceu pa­ra ser ou­sa­do. O clu­be re­ce­beu o cer­ti­fi­ca­do de pro­fis­si­o­na­li­za­ção da Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Fu­te­bol no dia 14 de se­tem­bro e des­de en­tão pre­ten­de ser a ter­cei­ra for­ça do es­ta­do em três anos. Pra­zo tam­bém que o ca­çu­la pre­ten­de che­gar na Sé­rie C do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro. Pa­ra is­to, pre­ci­sa ser fi­na­lis­ta da Co­pa Go­ver­na­dor do Es­ta­do, que ga­ran­te ao cam­peão e ao vi­ce uma va­ga na Sé­rie D e uma na Co­pa do Bra­sil de 2017 (o cam­peão es­co­lhe e o vi­ce her­da a que so­brar). O PFC-Ca­ja­zei­ras quer jo­gar a Sé­rie D.

“Den­tro de cam­po, acho que o clu­be bai­a­no que che­gar pri­mei­ro na Sé­rie C con­quis­ta es­te pos­to de ter­cei­ra po­tên­cia aqui. Es­te ano, a Ju­a­zei­ren­se e o Flu­mi­nen­se de Fei­ra ba­te­ram na tra­ve. Nós va­mos in­ves­tir mui­to nes­te ob­je­ti­vo. Que­re­mos ser es­ta no­va for­ça. Ló­gi­co, que­re­mos tam­bém a pri­mei­ra di­vi­são do Bai­a­não, mas só se­rá pos­sí­vel de­pois que dis­pu­tar­mos, ano que vem, a se­gun­da di­vi­são. O ca­mi­nho mais cur­to é a Sé­rie D”, dis­se o ide­a­li­za­dor e do­no do ti­me, o de­pu­ta­do es­ta­du­al Mar­cos Antônio No­va­es, mais co­nhe­ci­do co­mo Ma­nas­sés.

Jun­to com sua em­pre­sa, a On­soc­cer Bra­sil, que cui­da de trans­fe­rên­ci­as e car­rei­ra de jo­ga­do­res, Ma­nas­sés já ha­via in­ves­ti­do em ou­tros clu­bes do es­ta­do, mas co­mo par­cei­ro. Fo­ram os ca­sos de Ga­lí­cia e Ja­co­bi­na, que su­bi­ram pa­ra a pri­mei­ra di­vi­são após in­ves­ti­men­to fi­nan­cei­ro da em­pre­sa.

“In­ves­ti­mos no Ga­lí­cia, que es­ta­va há 15 anos na se­gun­da di­vi­são es­ta­du­al, mas não deu cer­to. Lá ti­nha mui­ta gen­te que man­da­va e o clu­be ti­nha mui­tas dí­vi­das, o que não era in­te­res­san­te pa­ra nós. Pro­cu­ra­mos en­tão o Ja­co­bi­na, que só exis­tia do­cu­men­ta­ção, mas es­ta­va ina­ti­vo. Atu­a­li­za­mos tu­do, pa­ga­mos as dí­vi­das e in­ves­ti­mos. Po­rém, co­lo­quei uma pes­soa que acha­va que era de con­fi­an­ça na fren­te do clu­be, ele as­si­nou uma par­ce­ria com a pre­fei­tu­ra e aca­bou nos en­ga­nan­do. Re­su­min­do, can-

PFC-Ca­ja­zei­ras fa­rá seu pri­mei­ro jo­go ofi­ci­al em Sal­va­dor hoje

O go­lei­ro Ti­gre brin­ca com o ata­can­te Mar­clei, ex-Vi­tó­ria

Jo­ga­do­res trei­nam de tê­nis por­que é proi­bi­do usar chu­tei­ra no cam­po

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.