24h Ma­nía­co da se­rin­ga: ima­gens de fal­sos sus­pei­tos cir­cu­lam na web

Correio da Bahia - - Bahia - BRUNO WENDEL

IN­VES­TI­GA­ÇÃO Ao me­nos três fo­tos de fal­sos sus­pei­tos de par­ti­ci­par dos ata­ques com uma se­rin­ga na ca­pi­tal es­tão sen­do com­par­ti­lha­das nas re­des so­ci­ais. A Po­lí­cia Ci­vil, no en­tan­to, ain­da não tem o re­tra­to fa­la­do do ho­mem que fez du­as ví­ti­mas no iní­cio do mês, con­fir­ma­das pe­la Se­cre­ta­ria es­ta­du­al da Saú­de (Se­sab). O de­le­ga­do Adail­ton Adan, ti­tu­lar da 1ª De­le­ga­cia (Bar­ris), in­for­mou que tam­bém re­ce­beu al­gu­mas ima­gens. “Es­ta­mos apu­ran­do.

Até ago­ra, na­da de con­fir­ma­ção. In­clu­si­ve, uma das fo­tos é de um ho­mem mor­to há dois anos em Ala­goi­nhas”, con­tou Adan, que in­ves­ti­ga o ata­que ao sol­da­do do Exér­ci­to que foi fe­ri­do pe­lo ho­mem ain­da não iden­ti­fi­ca­do e ape­li­da­do de ma­nía­co da se­rin­ga. A ví­ti­ma ti­nha aca­ba­do de sair do tra­ba­lho, no Qu­ar­tel da Mou­ra­ria, no úl­ti­mo dia 7. Além de­le, ou­tra pes­soa fe­ri­da com uma se­rin­ga deu en­tra­da no Hos­pi­tal Cou­to Maia, uni­da­de es­pe­ci­a­li­za­da em tra­ta­men­to de do­en­ças in­fec­to­con­ta­gi­o­sas. O sol­da­do do Exér­ci­to de­ve­rá ir à de­le­ga­cia en­tre ho­je e ama­nhã, pa­ra pres­tar de­poi­men­to. “Es­ta­mos tra­ba­lhan­do. Va­mos ou­vir ain­da as ví­ti­mas pa­ra fa­zer o re­tra­to fa­la­do”, con­tou o de­le­ga­do. Se­gun­do a Se­sab, as ví­ti­mas fi­ze­ram exa­mes pa­ra Aids e he­pa­ti­te e con­ti­nu­am em aten­di­men­to na uni­da­de mé­di­ca. De acor­do com Ceu­ci Xa­vi­er Nu­nes, di­re­to­ra do Hos­pi­tal Cou­to Maia, o ris­co de con­ta­mi­na­ção mai­or é de He­pa­ti­te B. “Pa­ra se con­si­de­rar um aci­den­te per­fu­ro­cor­tan­te tem que per­fu­rar a pe­le. Exis­te o ris­co a de­pen­der do que tem na se­rin­ga, mas é pre­ci­so que te­nha a in­je­ção do lí­qui­do na pe­le da ví­ti­ma”, afir­mou a di­re­to­ra do hos­pi­tal. Ela dis­se ain­da que es­tu­dos mos­tram que a trans­mis­são do ví­rus da he­pa­ti­te em aci­den­tes é de 30%, por­que ele é mais re­sis­ten­te, po­den­do so­bre­vi­ver por vá­ri­os di­as. Já so­bre o HIV, o ris­co de trans­mis­são é de 0,3%, pois o ví­rus vi­ve até du­as ho­ras den­tro do san­gue. As ví­ti­mas fa­zem uso de me­di­ca­men­tos an­tir­re­tro­vi­rais por qua­tro se­ma­nas e to­mam va­ci­nas, no ca­so do ris­co de con­ta­mi­na­ção por He­pa­ti­te B (ca­so a pes­soa não te­nha si­do va­ci­na­da an­tes). Elas se­rão acom­pa­nha­das pe­lo am­bu­la­tó­rio por até seis me­ses, com con­sul­tas e exa­mes re­gu­la­res. O ris­co de con­ta­mi­na­ção por HIV é des­car­ta­do em me­nos tem­po. “Se no pe­río­do de dois me­ses o exa­me pa­ra de­tec­tar o HIV for ne­ga­ti­vo, não há mais ris­co de con­ta­mi­na­ção. O pe­río­do res­tan­te é pa­ra afas­tar a pos­si­bi­li­da­de do con­tá­gio da He­pa­ti­te B”, ex­pli­cou a Ceu­ci Xa­vi­er Nu­nes. O de­le­ga­do Adail­ton Adan dis­se tam­bém que o ma­nía­co po­de cum­prir pe­na pe­las ‘se­rin­ga­das’. “Se hou­ve só per­fu­ra­ção com a se­rin­ga se­rá ca­rac­te­ri­za­da uma le­são cor­po­ral e se­rá ins­tau­ra­do um ter­mo cir­cuns­tan­ci­a­do (pro­ce­di­men­to pa­ra cri­mes de me­nor po­ten­ci­al ofen­si­vo). Mas, se os exa­mes nas ví­ti­mas de­rem po­si­ti­vo pa­ra uma do­en­ça in­fec­to­con­ta­gi­o­sa, o cri­mi­no­so se­rá au­tu­a­do por pe­ri­go de con­tá­gio de mo­lés­tia gra­ve, com pe­na de um a qua­tro anos de pri­são”, con­cluiu o de­la­ga­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.