De vol­ta ao jo­go

Correio da Bahia - - Mundo - Lucy Bran­dão Bar­re­to e Ma­ri­a­na Sa­les mais@cor­rei­o24ho­ras.com.br

Du­ran­te qua­se dois anos, o mer­ca­do imo­bi­liá­rio de Sal­va­dor amar­gou maus mo­men­tos no ban­co de re­ser­va das ven­das, com bai­xo de­sem­pe­nho em re­la­ção ao nú­me­ro de uni­da­des lan­ça­das. Os da­dos são do úl­ti­mo le­van­ta­men­to DMI-Vi­vaRe­al, no en­tan­to, mos­tram um si­nal de re­cu­pe­ra­ção e a ten­dên­cia da ca­pi­tal bai­a­na de vol­tar ao jo­go.

O pre­ço no­mi­nal mé­dio do m² pa­ra ven­da em Sal­va­dor te­ve va­lo­ri­za­ção de 3,5% no mês de se­tem­bro de 2016 na com­pa­ra­ção com se­tem­bro de 2015, pas­san­do de R$ 4.831 pa­ra R$ 5 mil. Es­ta é a mai­or va­lo­ri­za­ção do m² pa­ra ven­da nos úl­ti­mos dois anos. Ain­da as­sim, a va­lo­ri­za­ção dos imó­veis se­gue abai­xo da in­fla­ção.

A ex­pli­ca­ção pa­ra o ce­ná­rio oti­mis­ta, se­gun­do a di­re­to­ra de In­te­li­gên­cia de Mer­ca­do do si­te Vi­vaRe­al (de anún­ci­os de imó­veis), Ali­ne Bor­ba­lan, é que o se­tor imo­bi­liá­rio de Sal­va­dor es­tá se re­e­qui­li­bran­do. “Nos úl­ti­mos anos, o nú­me­ro de lan­ça­men­tos foi mai­or do que a de­man­da. As­so­ci­a­do a is­so, o ce­ná­rio de re­ces­são fez com que o se­tor en­fren­tas­se uma cri­se. Ago­ra o mer­ca­do con­se­guiu ab­sor­ver os vo­lu­mes que lan­çou”, diz.

Ou­tro fa­tor de­ter­mi­nan­te pa­ra a re­to­ma­da das ven­das é o cré­di­to pa­ra fi­nan­ci­a­men­to dos imó­veis. Ali­ne Bor­ba­lan ex­pli­ca que a Cai­xa Econô­mi­ca, que con­cen­tra cer­ca de 70% das tran­sa­ções de cré­di­to do mer­ca­do imo­bi­liá­rio, te­ve um pe­so im­por­tan­te nes­ta vol­ta ao jo­go.

“Em 2015, a Cai­xa re­vi­sou os li­mi­tes de fi­nan­ci­a­men­to de 90% pa­ra ape­nas 50% pa­ra imó­veis usa­dos. Is­so fez com que a de­man­da de con­su­mi­do­res in­te­res­sa­dos em com­prar imó­veis caís­se de 77% à épo­ca pa­ra 50% no iní­cio des­te ano”, apon­ta. “Foi en­tão que o ban­co en­ten­deu que is­so es­ta­va im­pac­tan­do no mer­ca­do imo­bi­liá­rio e au­men­tou no­va­men­te, em mar­ço des­te ano, o li­mi­te pa­ra fi­nan­ci­a­men­to, ago­ra de 70%”, com­ple­ta.

Pa­ra a es­pe­ci­a­lis­ta, o Pla­no Di­re­tor e a apro­va­ção da Lou­os na ca­pi­tal bai­a­na tam­bém são fa­to­res po­si­ti­vos que ten­dem a des­tra­var o se­tor e im­pul­si­o­nar o mer­ca­do imo­bi­liá­rio co­mo não acon­te­ce com ne­nhu­ma ou­tra ci­da­de atu­al­men­te.

O DMI-Vi­vaRe­al (Da­dos do Mer­ca­do Imo­bi­liá­rio) é um le­van­ta­men­to re­a­li­za­do men­sal­men­te com uma amos­tra de 30 ci­da­des em di­fe­ren­tes re­giões e mais de dois mi­lhões de imó­veis usa­dos dis­po­ní­veis pa­ra com­pra ou alu­guel.

Os da­dos da pes­qui­sa DMI-Vi­va Re­al con­fir­mam que o mer­ca­do já co­me­ça a re­a­gir di­an­te da so­lu­ção no ce­ná­rio po­lí­ti­co e re­to­ma­da da con­fi­an­ça do em­pre­sá­rio e do con­su­mi­dor. É o que ana­li­sa o pre­si­den­te da Ade­mi-BA (As­so­ci­a­ção das Em­pre­sas do Mer­ca­do Imo­bi­liá­rio da Bahia), Lu­ci­a­no Mu­ricy.

“O que a gen­te es­pe­ra é um cres­ci­men­to, já a par­tir des­se úl­ti­mo tri­mes­tre de 2016, e que ele se mos­tre mais for­te no pró­xi­mo ano com a re­du­ção de ju­ros, sua con­se­quen­te in­fluên­cia no de­sem­pe­nho da ca­der­ne­ta de pou­pan­ça e uma ofer­ta mai­or de cré­di­to co­mo já vi­mos an­tes”, afir­ma Lu­ci­a­no.

Sal­va­dor re­gis­tra mai­or va­lor do m² pa­ra ven­da dos úl­ti­mos 2 anos

BAIRRO DESEJADO

O bairro da Pi­tu­ba foi o mais pro­cu­ra­do pa­ra ven­da em Sal­va­dor e tam­bém ga­nhou des­ta­que no ran­king na­ci­o­nal ocu­pan­do o 8º lu­gar. Em to­do o Bra­sil, a Pi­tu­ba per­deu ape­nas pa­ra Vi­la Ma­ri­a­na (São Pau­lo), Bar­ra da Ti­ju­ca (Rio de Ja­nei­ro), Ta­tu­a­pé (São Pau­lo), Cam­po Gran­de (Rio de Ja­nei­ro), Re­creio dos Ban­dei­ran­tes (Rio de Ja­nei­ro), Ipi­ran­ga (São Pau­lo) e Boa Vi­a­gem (Re­ci­fe).

O en­ge­nhei­ro ci­vil Pe­dro No­ro­nha é uma das pes­so­as que es­co­lhe­ram o bairro pa­ra mo­rar. Há dois me­ses, ele com­prou um apar­ta­men­to em um con­do­mí­nio de pré­di­os na Pi­tu­ba. “Eu mo­ra­va em ou­tro lu­gar e meus pais mo­ra­vam na Pi­tu­ba. Re­cen­te­men­te, re­sol­vi ven­der o ou­tro imó­vel e me jun­tar à fa­mí­lia. É uma área mui­to boa, in­clu­si­ve ti­ve a opor­tu­ni­da­de de cons­truir em­pre­en­di­men­tos no bairro e sei que a pro­cu­ra é gran­de”.

O mai­or atra­ti­vo da Pi­tu­ba, de acor­do com Lu­ci­a­no Mu­ricy, pre­si­den­te da Ade­mi-BA, é a gran­de dis­po­ni­bi­li­da­de de ser­vi­ços. “É um bairro bas­tan­te efi­ci­en­te quan­to aos ser­vi­ços, com fa­ci­li­da­de de trans­por­te, es­co­la, far­má­cia, su­per­mer­ca­dos, tem praia e ain­da fi­ca pró­xi­mo ao cen­tro fi­nan­cei­ro de Sal­va­dor - a Ave­ni­da Tan­cre­do Ne­ves”, res­sal­ta.

Pe­dro No­ro­nha ga­ran­te que es­se di­fe­ren­ci­al tam­bém pe­sou na de­ci­são pe­la Pi­tu­ba. “Aqui vo­cê faz mui­ta coi­sa an­dan­do e con­se­gue re­sol­ver a vi­da to­da per­to de ca­sa. Sem fa­lar da es­co­la dos meus fi­lhos, que tam­bém fi­ca per­to. Pa­ra mim, a Pi­tu­ba é o bairro mais cen­tral de Sal­va­dor”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.