Diá­lo­go fran­co com os fi­lhos é o ca­mi­nho 86

Correio da Bahia - - Mais -

“É um jo­go an­ti­go, mui­to co­nhe­ci­do no ex­te­ri­or. Até ho­je, não ha­via ne­nhum re­gis­tro de al­go li­ga­do a es­sa dis­pu­ta na Bai­xa­da San­tis­ta”, dis­se on­tem o de­le­ga­do ti­tu­lar de São Vi­cen­te, Car­los Top­fer Sch­nei­der, que co­man­da as in­ves­ti­ga­ções so­bre o ca­so.

Gus­ta­vo Ri­vei­ros Det­ter, de 13 anos, mo­ra­dor de São Vi­cen­te, es­ta­va em ca­sa, na noi­te do úl­ti­mo sá­ba­do e en­for­cou-se no quar­to do pai, com uma cor­da usa­da pa­ra pen­du­rar um sa­co usa­do pa­ra trei­no de bo­xe. Du­ran­te a trans­mis­são on­li­ne, três ado­les­cen­tes que par­ti­ci­pa­vam do jo­go per­ce­be­ram que o me­ni­no não se me­xia e aler­ta­ram uma pri­ma de­le, que es­ta­va no quar­to ao la­do. A me­ni­na en­con­trou o pri­mo de­sa­cor­da­do e cha­mou ime­di­a­ta­men­te o tio.

O Ser­vi­ço de Aten­di­men­to Mó­vel de Ur­gên­cia (Sa­mu) foi aci­o­na­do às 22h40, pres­tou os pri­mei­ros so­cor­ros e en­ca­mi­nhou Gus­ta­vo ao Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal de São Vi­cen­te, on­de ele per­ma­ne­ceu in­ter­na­do até as 5h30 de do­min­go, quan­do foi trans­fe­ri­do pa­ra o Hos­pi­tal Ana Cos­ta, em San­tos. Ele mor­reu por vol­ta das 8 ho­ras.

De acor­do com o de­le­ga­do Car­los Schei­ner, três ado­les­cen­tes que par­ti­ci­pa­vam do jo­go on­li­ne com Gus­ta­vo já fo­ram iden­ti­fi­ca­dos, mas co­mo o ca­so en­vol­ve ga­ro­tos que têm me­nos de 18 anos, ele não po­de apre­sen­tar mais de­ta­lhes ou a iden­ti­fi­ca­ção des­ses meninos. Ape­sar dis­so, o de­le­ga­do faz um aler­ta so­bre a aten­ção que os res­pon­sá­veis por cri­an­ças e ado­les­cen­tes pre­ci­sam ter em re­la­ção ao uso da in­ter­net.

DE­SA­FIO MORTAL

Um tio ma­ter­no do me­ni­no con­tou à im­pren­sa que vas­cu­lhou men­sa­gens no smartpho­ne do so­bri­nho e tam­bém as con­ver­sas de­le nas re­des so­ci­ais. “Eles (os ado­les­cen­tes) pro­põem a mor­te das pes­so­as co­mo se is­so fos­se um de­sa­fio, uma brin­ca­dei­ra, pa­ra sa­ber qu­em con­se­gue re­sis­tir mais tem­po ao ser es­tran­gu­la­do”, afir­mou Mar­cos Ri­vei­ros.

“Os meninos che­ga­ram a di­zer que ele ‘brin­ca­va mais uma vez de en­for­ca­men­to’. Co­mo as­sim, mais uma vez? Is­so já acon­te­ceu an­tes e não deu cer­to? Qu­an­tas ten­ta­ti­vas fo­ram fei­tas?”, co­men­tou.

O tio afir­mou ao por­tal G1 que o so­bri­nho es­ta­va jo­gan­do Le­a­gue of Le­gends e per­deu um de­sa­fio com ami­gos. Um dos jo­ga­do­res es­cre­veu em uma das con­ver­sas que acha­va que o “Det­ter” (so­bre­no­me da ví­ti­ma) ti­nha ido se en­for­car de no­vo.

Gus­ta­vo Ri­vei­ros Det­ter foi se­pul­ta­do no co­me­ço da tar­de de on­tem no Me­mo­ri­al Ne­cró­po­le Ecu­mê­ni­ca, em San­tos.

POST ENIGMÁTICO

Em um post do dia 8 de ju­lho, o me­ni­no pu­bli­cou, no Fa­ce­bo­ok, a se­guin­te fra­se: “Meu so­nho é mo­rar num ce­mi­té­rio”. Em um co­men­tá­rio, ou­tro usuá­rio da re­de res­pon­deu: “Meu so­nho é que es­ses de­sa­fi­os aca­bem ho­je”. Mas não se sa­be so­bre que de­sa­fio o in­ter­nau­ta es­ta­va se re­fe­rin­do.

On­tem, in­ter­nau­tas dei­xa­ram co­men­tá­ri­os na pá­gi­na do me­ni­no do Fa­ce­bo­ok. “Um me­ni­no apa­ren­te­men­te tão ca­ris­ma­ti­co, bo­ni­to e cheio de vi­da. De­ve ter si­do um cho­que enor­me pa­ra to­dos. Uma vi­da que vai em­bo­ra por con­ta de brin­ca­dei­ras es­tú­pi­das que aca­ba­ram o in­flu­en­ci­an­do”, dis­se Andys An­der­son Sil­va. O diá­lo­go sem in­ti­mi­da­ção é a prin­ci­pal re­co­men­da­ção de es­pe­ci­a­lis­tas pa­ra ori­en­tar cri­an­ças e ado­les­cen­tes so­bre os ris­cos do Jo­go do En­for­ca­men­to, que po­de cau­sar da­nos no cé­re­bro e le­var à mor­te. “Is­so já es­ta­va acon­te­cen­do nos Es­ta­dos Uni­dos há mui­to tem­po. Os pais de­vem abrir es­pa­ço pa­ra o diá­lo­go pa­ra cri­ar um vín­cu­lo de con­fi­an­ça. Com ações pu­ni­ti­vas e cas­tra­do­ras, eles se afas­tam dos fi­lhos”, diz Ri­car­do Mo­ne­zi, es­pe­ci­a­lis­ta em Me­di­ci­na Com­por­ta­men­tal da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de São Pau­lo (Uni­fesp) e pro­fes­sor da Pon­ti­fí­cia Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de São Pau­lo (PUC-SP).

Em 2008, o Cen­tro de Pre­ven­ção e Con­tro­le de Do­en­ças (CDC), dos Es­ta­dos Uni­dos, pu­bli­cou le­van­ta­men­to de mor­tes por es­tran­gu­la­men­to aci­den­tal en­tre jo­vens de 6 a 19 anos no pe­río­do de 1995 a 2007. Com ba­se em in­for­ma­ções de no­ti­ciá­rio, os pes­qui­sa­do­res che­ga­ram a 82 ca­sos e cons­ta­tam que 86% dos re­gis­tros ocor­rem en­tre meninos. A ida­de mé­dia das ví­ti­mas era de 13 anos, a mes­ma de Gus­ta­vo Ri­vei­ros Det­ter.

Pro­fes­so­ra do Cen­tro de Es­tu­dos Psi­ca­na­lí­ti­cos (CEP), a psi­ca­na­lis­ta Ga­bri­e­la Malzy­ner diz que os pais não pre­ci­sam ser in­va­si­vos, mas de­vem acom­pa­nhar há­bi­tos dos fi­lhos. “São os res­pon­sá­veis pe­la cri­an­ça e de­vem fi­car aten­tos, per­gun­tar o que o fi­lho es­tá fa­zen­do, com qu­em es­tá fa­lan­do. Ao iden­ti­fi­car um com­por­ta­men­to ar­ris­ca­do, de­vem pro­cu­rar es­pa­ços pa­ra a con­ver­sa, que tam­bém po­de ser fei­ta por um tio ou pri­mo mais ve­lho”, su­ge­re.

A psi­có­lo­ga Ana Lú­cia Ma­ra­nhão ex­pli­ca que a ado­les­cên­cia é uma fa­se on­de o ser hu­ma­no “tes­ta os seus li­mi­tes” e on­de o in­di­ví­duo trans­fe­re pa­ra o gru­po de ami­gos a re­la­ção de ide­a­li­za­ção que ti­nha com os país. “Os pais pre­ci­sam fa­lar aos fi­lhos com fran­que­za a res­pei­to dos ris­cos”, re­co­men­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.