Ambiente fa­vo­rá­vel

Correio da Bahia - - Esporte - Bruno Qu­ei­roz bruno.qu­ei­roz@re­de­bahia.com.br

Re­ta fi­nal de cam­pe­o­na­to e res­tam ape­nas qua­tro jo­gos pa­ra o Bahia fo­ra de Sal­va­dor. Qua­tro opor­tu­ni­da­des pa­ra ven­cer fo­ra de ca­sa, al­go ab­so­lu­ta­men­te ra­ro pa­ra o tri­co­lor nes­ta Sé­rie B. No en­tan­to, o pró­xi­mo com­pro­mis­so di­an­te do Oes­te, sá­ba­do, às 15h20, na Are­na Ba­ru­e­ri, con­tém in­dí­ci­os que fa­vo­re­cem o ti­me de Gu­to Fer­rei­ra.

Du­ran­te to­da a com­pe­ti­ção, o Bahia so­freu en­quan­to vi­si­tan­te. Não à toa, tem a quar­ta pi­or cam­pa­nha no que­si­to. Fo­ram ape­nas dois triun­fos, con­tra Goiás (2x0), no Ser­ra Dou­ra­da, e Avaí (3x0), na Res­sa­ca­da, e cin­co em­pa­tes, além de oi­to der­ro­tas. Fo­ram ape­nas 11 pon­tos con­quis­ta­dos em 15 jo­gos, o que cor­res­pon­de a um apro­vei­ta­men­to de 24,4%.

As pos­si­bi­li­da­des do tri­co­lor ven­cer o Oes­te cres­cem quan­do ana­li­sam-se os nú­me­ros e o his­tó­ri­co re­cen­te do ti­me pau­lis­ta. A equi­pe co­man­da­da por Fer­nan­do Di­niz, em 16º lu­gar, há dez jo­gos sem ven­cer e com a segunda pi­or cam­pa­nha co­mo man­dan­te, me­lhor ape­nas que o Join­vil­le. Fo­ram qua­tro vi­tó­ri­as, se­te em­pa­tes e qua­tro der­ro­tas em 15 jo­gos. Ou se­ja, 19 pon­tos con­quis­ta­dos em ca­sa dos 45 dis­pu­ta­dos, apro­vei­ta­men­to de 42,2%.

Ou­tro fa­tor que pe­sa a fa­vor do Bahia no jo­go de sá­ba­do é o lo­cal da par­ti­da. O Oes­te tem a quar­ta pi­or mé­dia de pú­bli­co da Sé­rie B, 1.495 tor­ce­do­res por jo­go. Além de ser uma equi­pe de pou­ca tor­ci­da, o ti­me jo­ga a Sé­rie B fo­ra de Itá­po­lis por cau­sa de uma par­ce­ria com o Au­dax, de Osas­co.

Nas du­as úl­ti­mas par­ti­das, des­de que al­te­rou seu man­do de cam­po de Osas­co pa­ra Ba­ru­e­ri, o ti­me pau­lis­ta co­lo­cou 872 pa­gan­tes na der­ro­ta pa­ra o Goiás, na 27ª ro­da­da, e 1.626 no em­pa­te por 1x1 com o Ce­a­rá, na 30ª ro­da­da. Es­te úl­ti­mo, por si­nal, com gran­de pre­sen­ça da tor­ci­da vi­si­tan­te.

E é jus­ta­men­te is­so que a di­re­to­ria do Bahia es­pe­ra que acon­te­ça no sá­ba­do. A tor­ci­da tri­co­lor, sem­pre pre­sen­te nos jo­gos do clu­be em São Pau­lo, es­tá se­pa­ra­da de Ba­ru­e­ri por ape­nas 25 km.

O Es­qua­drão pre­ci­sa ven­cer pa­ra ter chan­ce de en­trar no G4. Es­tá em 5º lu­gar com 49 pon­tos, dois a me­nos que Náu­ti­co (3º) e Avaí (4º). O ti­me ca­ta­ri­nen­se jo­ga ho­je, às 18h15, con­tra o Vi­la No­va, em Goi­â­nia. O Náu­ti­co vi­si­ta o Lu­ver­den­se, sex­ta.

Jo­go con­tra Oes­te te­rá ad­ver­sá­rio em má fa­se e cam­po neu­tro

SO­NHO DE ME­NI­NO

O elen­co se re­a­pre­sen­tou on­tem, no Fa­zen­dão, após dois di­as de fol­ga no fim de se­ma­na. Es­co­lhi­do pe­lo clu­be pa­ra dar en­tre­vis­ta, Wes­ley Na­tã con­tou es­tar vi­ven­do o me­lhor mo­men­to da cur­ta car­rei­ra. O ata­can­te, 21 anos, mar­cou seus dois pri­mei­ros gols co­mo jo­ga­dor pro­fis­si­o­nal com a ca­mi­sa do Bahia e es­tá cur­tin­do a fa­se de ar­ti­lhei­ro.

“Mo­men­to que to­do me­ni­no bus­ca, né? O so­nho de to­do me­ni­no é che­gar no pro­fis­si­o­nal, atu­ar bem, fa­zer gols... Quan­do co­me­cei não foi di­fe­ren­te. Saí pe­que­no de ca­sa, com 10 anos. Pa­ra mim foi uma con­quis­ta. Qu­e­ro apro­vei­tar es­se mo­men­to pa­ra aju­dar a equi­pe, sem­pre com os pés no chão pa­ra aju­dar”, afir­mou o jo­ga­dor.

Wes­ley Na­tã fez um na go­le­a­da por 4x0 con­tra o Tu­pi-MG, no dia 9, e ga­ran­tiu o triun­fo por 1x0 con­tra o Bra­sil de Pe­lo­tas. Ago­ra ele con­vo­ca os tri­co­lo­res de São Pau­lo. “A tor­ci­da é fan­tás­ti­ca e qual­quer apoio se­rá im­por­tan­te, pois a gen­te pre­ci­sa. Jo­gan­do fo­ra de ca­sa se­rá im­por­tan­te”, con­vo­cou Wes­ley Na­tã.

Re­na­to Ca­já é um dos ti­tu­la­res do meio-cam­po do Bahia, que en­fren­tam o Oes­te sá­ba­do, em Ba­ru­e­ri (SP)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.