A va­que­ja­da foi pro bre­jo

Correio da Bahia - - Front Page -

Em 19 de se­tem­bro de 1836 o en­tão mi­nis­tro por­tu­guês (li­be­ral, se­tem­bris­ta, ad­vo­ga­do, pro­fes­sor) Ma­nu­el da Sil­va Pas­sos pu­bli­cou o de­cre­to: “Con­si­de­ran­do que as cor­ri­das de tou­ros são um di­ver­ti­men­to bár­ba­ro e im­pró­prio de na­ções ci­vi­li­za­das, bem as­sim que se­me­lhan­tes es­pe­tá­cu­los ser­vem uni­ca­men­te pa­ra ha­bi­tu­ar os ho­mens ao crime e à fe­ro­ci­da­de, e de­se­jan­do eu re­mo­ver to­das as cau­sas que pos­sam im­pe­dir ou re­tar­dar o aper­fei­ço­a­men­to mo­ral da Na­ção Por­tu­gue­sa, hei por bem de­cre­tar que de ho­ra em di­an­te fi­quem proi­bi­das em to­do o Rei­no as cor­ri­das de tou­ros”.

Cla­ro que lá co­mo cá o de­cre­to du­rou pou­co tempo. Mas ser­viu pa­ra aler­tar con­tra a bar­bá­rie que é ju­di­ar dos ani­mais. A ini­ci­a­ti­va re­cen­te do STF proi­bin­do a va­que­ja­da veio atra­sa­da, mas é uma faís­ca de ci­vi­li­da­de.

A va­que­ja­da é uma tra­di­ção cul­tu­ral nor­des­ti­na. Cla­ro que mui­ta gen­te de­pen­de des­ses even­tos e em to­do o país são cer­ca de 750 mil em­pre­gos. Mas na­da jus­ti­fi­ca usar ani­mais co­mo são usa­dos os bois, va­cas e ca­va­los, den­tre tan­tas “brin­ca­dei­ras” mal­do­sas com tu­do que é bi­cho. Os ani­mais, co­mo brin­ca hu­mo­ris­ta glo­bal, são “ser-hu­ma­nu­zi­nhos”.

Os adep­tos do “es­por­te” as­se­gu­ram que os ani­mais não so­frem, que são pro­te­gi­dos e que du­ran­te as va­que­ja­das cor­rem so­bre areia, têm ali­men­ta­ção, água à von­ta­de, ve­te­ri­ná­ri­os de plan­tão e até sor­ve­te de pis­ta­che. Eles não con­si­de­ram co­mo maus­tra­tos con­fi­nar e es­tres­sar os ani­mais e “in­cen­ti­vá-los” a dar corrida. Acham nor­mal pe­gar pe­lo ra­bo e der­ru­bar. Co­mo se ra­bo fos­se ade­re­ço e a caí­da não ma­chu­cas­se. E o es­tres­se tan­to pa­ra os bois co­mo pa­ra os ca­va­los? É, sim, bar­bá­rie ju­di­ar dos ani­mais pa­ra uma sa­tis­fa­ção lú­di­ca.

As va­que­ja­das sur­gi­ram no nos­so ser­tão já no sé­cu­lo XVII. Mas, po­de-se co­te­jar o ní­vel de in­for­ma­ção de um ser­ta­ne­jo da­que­le sé­cu­lo pa­ra um em­pre­sá­rio do ra­mo da va­que­ja­da de ho­je. Os ra­bos são ar­ran­ca­dos, sim. Os bois so­frem fra­tu­ras nas que­das, sim, pois já vi em Fei­ra de Santana e vi em La­ran­jei­ras, em Ser­gi­pe. É tris­te.

As va­que­ja­das co­me­ça­ram a fi­car mes­mo po­pu­la­res no sé­cu­lo pas­sa­do e ho­je re­pre­sen­tam fa­tu­ra­men­to pa­ra cen­te­nas de em­pre­sá­ri­os que usam o que se cha­ma­va du­ran­te al­guns sé­cu­los co­mo “fes­tas de apar­ta­ção”, qu­an­do os fa­zen­dei­ros man­da­vam seus va­quei­ros bus­car o boi que se mis­tu­rou com o do vi­zi­nho. Os bois mar­ruás que fu­gi­am eram per­se­gui­dos e der­ru­ba­dos pe­las cau­das den­tro das es­pi­nho­sas ca­a­tin­gas. Nos anos 1940 vi­rou “corrida de mou­rão”. Fo­ram fei­tas pes­qui­sas que de­mons­tram que os ca­va­los das va­que­ja­das so­frem al­te­ra­ções em sua na­tu­re­za por cau­sa do es­tres­se e ex­plo­ra­ção fí­si­ca. Eles cor­rem sob es­po­ras. Is­so não é maus­tra­tos?

A Igre­ja Ca­tó­li­ca já em 1567 com de­cre­to do pa­pa Pio V ex­co­mun­ga­va qu­em fi­zes­se ou as­sis­tis­se às tou­ra­das, que é ou­tra for­ma dra­má­ti­ca de “abu­sar” dos ani­mais. Ho­je elas são re­a­li­za­das sob pro­tes­to em pou­cos paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na, Es­pa­nha e Por­tu­gal. As tou­ra­das são as pri­mas-ri­cas das va­que­ja­das. O mal é pa­re­ci­do. Tam­bém mor­rem ca­va­los de ata­que car­día­co em jo­gos de Po­lo mas aí é ou­tro as­sun­to.

Qu­em po­de achar in­te­res­san­te? Se­rá que tem de pre­va­le­cer a cul­tu­ra e o es­por­te em de­tri­men­to da dig­ni­da­de dos ani­mais? Que a va­que­ja­da vá pa­ra o bre­jo. De­mo­rou!

ée

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.