24h Ma­nía­co da se­rin­ga ata­ca 3ª ví­ti­ma na Ri­bei­ra

Correio da Bahia - - Bahia - BRU­NO WENDEL

UMA MU­LHER Uma ope­ra­do­ra de cai­xa de 41 anos é a ter­cei­ra ví­ti­ma que re­gis­trou quei­xa con­tra o ma­nía­co da se­rin­ga. O ata­que ocor­reu na tar­de de on­tem, em um pon­to de ôni­bus na Rua Lé­lis Pi­e­da­de, no bair­ro da Ri­bei­ra. A ví­ti­ma con­tou que es­ta­va en­cos­ta­da em um pos­te qu­an­do sen­tiu uma pi­ca­da nas ná­de­gas. Qu­an­do olhou pa­ra trás, viu um ho­mem ne­gro se afas­tan­do do lo­cal. Se­gun­do a ví­ti­ma des­cre­veu ao CORREIO, o sus­pei­to usa­va uma ca­mi­sa lis­tra­da nas co­res bran­ca e azul. “O pon­to es­ta­va cheio de cri­an­ças da Vi­la Mi­li­tar. Eu es­ta­va en­cos­ta­da no pos­te e sen­ti a pi­ca­da. Qu­an­do olhei pa­ra trás ele me mos­trou a se­rin­ga e saiu dan­do ri­sa­da”, re­la­tou. “Sen­ti as per­nas dor­men­tes e o lo­cal do­lo­ri­do”. As ou­tras ví­ti­mas do ma­nía­co, ain­da não iden­ti­fi­ca­do, são um mo­to­ris­ta de ôni­bus e um sol­da­do do Exér­ci­to. A ope­ra­do­ra de cai­xa foi à de­le­ga­cia, on­tem, pa­ra pres­tar quei­xa e, de­pois, se­guiu pa­ra o Hos­pi­tal Cou­to Maia, uni­da­de es­pe­ci­a­li­za­da em tra­ta­men­to de do­en­ças in­fec­to­con­ta­gi­o­sas. Na uni­da­de de saú­de, ela pas­sou por exa­mes de san­gue e to­mou três ti­pos de va­ci­na. “Me de­ram tam­bém três cai­xas de co­que­tel pa­ra HIV”. Ho­je, a ope­ra­do­ra de­ve ir ao Ins­ti­tu­to Mé­di­co Le­gal Ni­na Ro­dri­gues (IMLNR), pa­ra re­a­li­zar mais exa­mes. Tam­bém on­tem, a pri­mei­ra ví­ti­ma do ma­nía­co fa­lou pe­la pri­mei­ra vez.

No dia 18 de se­tem­bro, o mo­to­ris­ta de ôni­bus re­gis­trou quei­xa na mes­ma de­le­ga­cia por ter si­do ví­ti­ma de um ata­que se­me­lhan­te, tam­bém na Ri­bei­ra. Ele dis­se que pa­rou o veí­cu­lo que di­ri­gia em um pon­to qu­an­do foi per­fu­ra­do na re­gião da fa­ce por um ho­mem des­co­nhe­ci­do. “O ca­ra en­trou pe­la fren­te e, an­tes de pas­sar o tor­ni­que­te, me ata­cou e des­ceu do ôni­bus”, con­tou. A ví­ti­ma es­tá de­bi­li­ta­da de­vi­do aos efei­tos co­la­te­rais do co­que­tel de re­mé­di­os. “Me de­ram me­di­ca­men­tos pa­ra he­pa­ti­te, té­ta­no e HIV. Vou to­mar por 28 di­as”. O ro­do­viá­rio es­tá pre­o­cu­pa­do com o con­teú­do da se­rin­ga. “Não tem co­mo não se pre­o­cu­par. Vai sa­ber o que ele co­lo­cou ali den­tro?” A ou­tra ví­ti­ma do ma­nía­co da se­rin­ga é um sol­da­do do Exér­ci­to que foi ata­ca­do qu­an­do saía do Qu­ar­tel da Mou­ra­ria, no dia 7. Ele tam­bém es­tá pas­san­do por tra­ta­men­to de pre­ven­ção no Cou­to Maia. O sol­da­do pres­tou de­poi­men­to na ma­nhã de on­tem, na 1ª De­le­ga­cia (Bar­ris), mas não foi pos­sí­vel fa­zer o re­tra­to fa­la­do. “Ele (a ví­ti­ma) dis­se que não viu o ros­to do sus­pei­to, que es­ta­va de la­do qu­an­do foi ata­ca­do. Só viu o ho­mem cor­ren­do”, dis­se o de­le­ga­do Adail­ton Adan, que ain­da não tem pis­tas. “Es­ta­mos in­ves­ti­gan­do, bus­can­do ou­vir pes­so­as nas pro­xi­mi­da­des de on­de ocor­reu o fa­to e atrás de ima­gens de câ­me­ras”. O CORREIO não con­se­guiu con­ta­to com a di­re­to­ra do hos­pi­tal, Ceu­ci Xa­vi­er Nu­nes, pa­ra co­men­tar o ca­so da ope­ra­do­ra de cai­xa de 41 anos.

Nes­sa mes­ma de­le­ga­cia, on­tem, es­te­ve o mo­to­ris­ta Val­fre­do Pe­rei­ra de Sou­za, 39, que viu sua fo­to cir­cu­lar nas re­des so­ci­ais co­mo pos­sí­vel sus­pei­to dos ata­ques. Ele foi ex­pli­car ao de­le­ga­do que não é o ma­nía­co da se­rin­ga. Ao ver sua fo­to com­par­ti­lha­da no apli­ca­ti­vo WhatsApp, Val­fre­do fi­cou de­ses­pe­ra­do. “Foi co­mo se o mun­do es­ti­ves­se de­sa­ba­do na­que­le mo­men­to”, dis­se o mo­to­ris­ta, que tra­ba­lha em uma em­pre­sa de trans­por­tes que pres­ta ser­vi­ço a fun­ci­o­ná­ri­os do Po­lo de Ca­ma­ça­ri. Na ho­ra em que o sol­da­do do Exér­ci­to foi ata­ca­do na Ave­ni­da Jo­a­na An­gé­li­ca (por vol­ta das 12h30), ele dis­se que es­ta­va no bair­ro de Fa­zen­da Cou­tos, on­de mo­ra. “Nes­sa ho­ra, eu es­ta­va em ca­sa, me ar­ru­man­do pa­ra re­tor­nar ao tra­ba­lho às 13h30”, con­tou.

Val­fre­do afir­mou que tra­ba­lha de se­gun­da a sex­ta-fei­ra, em dois tur­nos: o pri­mei­ro, das 3h40 até as 9h, e o se­gun­do das 13h30 às 21h. “As pes­so­as es­tão me olhan­do co­mo se eu fos­se um ban­di­do. Al­guns fa­zem co­men­tá­ri­os do ti­po: ‘A gen­te con­vi­ve com uma pes­soa, mas não co­nhe­ce o ca­rá­ter de­la’. Is­so me ma­chu­cou bas­tan­te. Não sou es­se ca­ra que es­tão di­zen­do por aí”. O de­le­ga­do dis­se que vai mos­trar a fo­to de­le à ví­ti­ma e se cer­ti­fi­car dos áli­bis de Val­fre­do. O mo­to­ris­ta não tem an­te­ce­den­tes cri­mi­nais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.