Paul.Sa­mu­el­son@edu pa­ra Lo­zar­do@gov

Correio da Bahia - - Mais -

Pre­za­do pro­fes­sor Er­nes­to Lo­zar­do, ilus­tre pre­si­den­te Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca Apli­ca­da, Ipea.

O se­nhor me co­nhe­ce, es­tu­dou no meu clás­si­co “In­tro­du­ção à ana­li­se eco­no­mi­ca” e viu qu­an­do ga­nhei o Prê­mio No­bel. Es­cre­vo-lhe pa­ra com­par­ti­lhar um epi­só­dio de 1973 que in­va­diu mi­nha me­mó­ria qu­an­do li a cen­su­ra pú­bli­ca que o se­nhor impôs a dois pes­qui­sa­do­res do Ipea que cri­ti­ca­ram os efei­tos de uma me­di­da pro­pos­ta pe­lo go­ver­no que lhe no­me­ou.

À épo­ca, não dei mai­or im­por­tân­cia ao que me acon­te­ceu. Ho­je, ve­jo o pa­pe­lão em que me me­te­ram. No se­gun­do se­mes­tre de 1973, a edi­to­ra Agir, que pu­bli­ca­va meus li­vros no Bra­sil, es­ta­va tra­du­zin­do a no­na edi­ção do “Eco­no­mics”. A cer­ta al­tu­ra, dis­cu­tin­do o fas­cis­mo, men­ci­o­nei o re­gi­me mi­li­tar bra­si­lei­ro e seu cres­ci­men­to de 10% ao ano. Lem­brei que to­dos os re­gi­mes se­me­lhan­tes ti­nham ido à bre­ca.

O di­re­tor da edi­to­ra es­cre­veu-me di­zen­do que não pu­bli­ca­ria aqui­lo. Di­as de­pois, ou­tra car­ta, des­sa vez do eco­no­mis­ta Eu­gê­nio Gu­din, o gran­de li­be­ral bra­si­lei­ro. Pas­sa­ram al­gu­mas se­ma­nas e veio a ter­cei­ra, do eco­no­mis­ta Ro­ber­to Cam­pos. To­dos re­cla­ma­vam do meu tex­to, da com­pa­ra­ção e do tom.

Pa­re­ceu-me uma tem­pes­ta­de em co­po d’água, pois a mi­nha po­lí­ti­ca era de per­mi­tir que os edi­to­res ex­pur­gas­sem tre­chos que pu­des­sem cri­ar pro­ble­mas com as tra­du­ções, so­bre­tu­do nos paí­ses co­mu­nis­tas. Re­sul­ta­do: qu­em leu a edi­ção ame­ri­ca­na apren­deu que o Bra­sil ia que­brar. Qu­em leu a tradução da Agir com­prou Sa­mu­el­son e le­vou Gu­din-Cam­pos.

Eu acha­va que as du­as car­tas po­de­ri­am ser re­fle­xões de in­te­lec­tu­ais, di­ri­gi­das a um pro­fes­sor. Coi­sa ne­nhu­ma, o que eles que­ri­am era ala­van­car su­as po­si­ções jun­to ao go­ver­no do ge­ne­ral Er­nes­to Gei­sel, que to­ma­ria pos­se me­ses de­pois. Que­ri­am me ope­rar, e ope­ra­ram.

Di­go is­so por­que to­da a cor­res­pon­dên­cia enviada a mim, bem co­mo as mi­nhas res­pos­tas a Gu­din e Cam­pos, fo­ram pa­rar nas mãos do ge­ne­ral Gol­bery do Cou­to e Sil­va, con­se­lhei­ro de Gei­sel. A mi­nha de­ci­são foi co­me­mo­ra­da pe­lo do­no da edi­to­ra, o ban­quei­ro Can­di­do Guin­le de Pau­la Ma­cha­do. Num car­tão que en­vi­ou a Gol­bery, ele su­ge­riu: “Se pu­der, dê um te­le­fo­ne­ma ao Dr. Gu­din, pois ele fi­ca­ria sa­tis­fei­to.”

En­con­trei o ge­ne­ral Gei­sel num jan­tar na ca­sa do com­po­si­tor Ri­chard Wag­ner (ele es­ta­va com o pro­fes­sor Má­rio Hen­ri­que Si­mon­sen) e per­gun­tei-lhe o que acon­te­ceu. Gei­sel con­tou-me que Gol­bery acei­tou a su­ges­tão de Guin­le e al­mo­çou a sós com Gu­din. Im­pres­si­o­nou-me a mal­que­ren­ça do pre­si­den­te com o pa­tri­ar­ca do li­be­ra­lis­mo econô­mi­co bra­si­lei­ro. O me­lhor ad­je­ti­vo que lhe dá é o de “pa­ti­fe”.

Os au­to­res da No­ta Téc­ni­ca ex­co­mun­ga­da têm a mi­nha so­li­da­ri­e­da­de e sai­ba que não a li. Era des­ne­ces­sá­rio di­zer que o tex­to não re­fle­tia a opi­nião do Ipea. Es­sa in­for­ma­ção sem­pre es­tá no ca­be­ça­lho des­se ti­po de tra­ba­lho. O se­nhor dis­se que “a po­si­ção ins­ti­tu­ci­o­nal do Ipea é fa­vo­rá­vel à PEC 241”. A “po­si­ção ins­ti­tu­ci­o­nal” de Gu­din, Cam­pos e Pau­la Ma­cha­do era fa­vo­rá­vel ao re­gi­me. Di­rei­to de­les, mas o que a trin­ca que­ria era ou­tra coi­sa. Fiz-me en­ten­der?

Con­ver­se com o Pedro Ma­lan. Ele foi um ser­vi­dor do Ipea res­pei­ta­do pe­la di­ta­du­ra e mi­nis­tro da Fa­zen­da na de­mo­cra­cia. É um ho­mem cor­re­to e mui­to bem edu­ca­do. Po­de lhe aju­dar. Cor­di­al­men­te,

Paul Sa­mu­el­son.

Era des­ne­ces­sá­rio di­zer que o tex­to não re­fle­tia a opi­nião do Ipea (...) O se­nhor dis­se que “a po­si­ção ins­ti­tu­ci­o­nal do Ipea é fa­vo­rá­vel à PEC

241”. A “po­si­ção ins­ti­tu­ci­o­nal” de Gu­din, Cam­pos e Pau­la Ma­cha­do

era fa­vo­rá­vel ao re­gi­me. Di­rei­to de­les, mas o que a

trin­ca que­ria era ou­tra coi­sa. Fiz-me en­ten­der?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.