O tra­ves­ti do Bra­sil

Correio da Bahia - - Mais - Ha­ga­me­non Brito, do Rio* ha­ga­me­non.brito@re­de­bahia.com.br

Nas­ci­da As­tol­fo Bar­ro­so Pin­to em Can­ta­ga­lo, no Rio de Ja­nei­ro, há 73 anos, Rogéria se au­to­de­fi­ne co­mo “o tra­ves­ti da fa­mí­lia bra­si­lei­ra”. A apa­ren­te con­tra­di­ção dei­xa de exis­tir di­an­te da vi­da ci­ne­ma­to­grá­fi­ca des­sa ar­tis­ta que­ri­da pe­las se­nho­ri­nhas de Co­pa­ca­ba­na e que lan­ça a bi­o­gra­fia Rogéria Uma Mu­lher e Mais um Pou­co (Es­ta­ção Bra­sil | R$ 44,90 | 271 págs.)

Qu­em vê Rogéria en­tran­do no res­tau­ran­te La Fi­o­ren­ti­na, no co­me­ço da tar­de pri­ma­ve­ril no bair­ro on­de mo­ra, o Le­me, não ima­gi­na que aque­la bo­ni­ta se­nho­ra loi­ra é, na ver­da­de, um se­nhor.

“Um tra­ves­ti pre­ci­sa de in­te­li­gên­cia e ta­len­to pa­ra sa­ber que não é mu­lher de ver­da­de. Só te­nho du­as pre­o­cu­pa­ções com o vi­su­al: não pa­re­cer pros­ti­tu­ta, nem ho­mem ves­ti­do de mu­lher”, afir­ma, com a ex­pe­ri­ên­cia de qu­em nun­ca es­con­deu a sua se­xu­a­li­da­de e co­me­çou a ves­tir rou­pas de mu­lher aos 12 anos, em Ni­te­rói.

Inau­gu­ra­da em 1957 e fre­quen­ta­da por per­so­na­li­da­des co­mo Ary Bar­ro­so, Jô So­a­res, Chi­co Any­sio, Glau­ber Ro­cha, Bri­git­te Bar­dot, Gran­de Ote­lo Je­an-Paul Bel­mon­do e Ri­ta Hayworth, La Fi­o­ren­ti­na é o lu­gar ade­qua­do pa­ra Rogéria nos re­ce­ber. Ela, que so­nha­va em ser Ma­rilyn Mon­roe e Bet­te Da­vis, tam­bém tem a sua as­si­na­tu­ra e qua­dro com fo­to­gra­fia nas pa­re­des es­te­la­res do res­tau­ran­te.

MA­RILYN

“Tra­go uma Ma­rilyn Mon­roe até ho­je den­tro de mim e tam­bém al­go de Bet­te Da­vis. Sem­pre so­nhei gran­de, nun­ca quis ser uma a mais”, con­ta Rogéria que, an­tes de ado­tar o no­me ar­tís­ti­co que a tor­nou fa­mo­sa, ma­qui­ou es­tre­las do rá­dio e da TV co­mo Emi­li­nha Bor­ba, Mar­le­ne (com qu­em ar­tis­ti­ca­men­te se iden­ti­fi­ca­va mais), Dal­va de Oli­vei­ra, a gran­de ami­ga Eli­zeth Car­do­so, Sér­gio Brit­to, Fer­nan­da Mon­te­ne­gro e Glau­ce Ro­cha. Ma­qui­a­dor Rogéria (As­tol­fo Bar­ro­so Pin­to) co­me­çou a car­rei­ra ma­qui­an­do es­tre­las co­mo Emi­li­nha Bor­ba na TV Rio, em 1964 Li­vroA­mi­go de Rogéria, o eco­no­mis­ta e es­cri­tor ca­ri­o­ca Mar­cio Pas­cho­al foi es­co­lhi­do pe­la es­tre­la pa­ra es­cre­ver a sua bi­o­gra­fia Rogéria tem 73 anos e é um íco­ne do trans­for­mis­mo, ten­do con­quis­ta­do es­pa­ço no te­a­tro, na te­le­vi­são e no ci­ne­ma do país

Glau­ce Ro­cha, aliás, vi­via lhe di­zen­do na TV Rio: “Rogéria, seu lu­gar não é aqui, vo­cê pre­ci­sa ir pa­ra Pa­ris”. E foi o que o trans­for­mis­ta ca­ri­o­ca fez, aos 20 e pou­cos anos, não sem an­tes vi­ver amo­res e pai­xões in­ten­sas.

A pai­xão mais ex­plo­si­va de Rogéria foi com o char­mo­so po­li­ci­al-ban­di­do Ma­ri­el Ma­ris­cot, acu­sa­do de per­ten­cer ao Es­qua­drão da Mor­te e as­sas­si­na­do em 1981.

“Ele vi­via cer­ca­do de mu­lhe­res bo­ni­tas e me es­co­lheu. Fi­ca­mos jun­tos uns dois anos, ele era mui­to pos­ses­si­vo e gos­ta­va mui­to de fa­zer se­xo - e eu es­ta­va sem­pre pron­ta”, lem­bra rin­do.

Ar­tis­ta re­ve­la detalhes de mais de 50 anos de car­rei­ra e pai­xões

ESCONDENDO O PERU

Se­xo, é cla­ro, não fal­ta na bi­o­gra­fia es­cri­ta por Mar­cio Pas­cho­al (bió­gra­fo do mú­si­co João do Va­le e au­tor de vá­ri­os li­vros) e que não faz a li­nha edi­to­ri­al cha­pa bran­ca. Rogéria, aliás, só viu o li­vro pron­to um dia an­tes do en­con­tro com a re­por­ta­gem do CORREIO.

Pa­ra evi­tar que Ma­ri­el Ma­ris­cot, que se di­zia to­tal­men­te he­te­ros­se­xu­al e nem co­gi­ta­va em ver o pê­nis de Rogéria, vis­se o seu "peru", o tra­ves­ti se vi-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.