An­ti-he­rói em bus­ca de re­den­ção

Correio da Bahia - - Mais - Do­ris Mi­ran­da do­ris.mi­ran­da@re­de­bahia.com.br Co­ta­ção

Dei­xe de la­do o Ben Af­fleck de ca­rá­ter dú­bio do sus­pen­se Ga­ro­ta Exem­plar ou o in­te­res­san­te Bat­man nes­ta no­va eta­pa do nin­ja jus­ti­cei­ro no cinema. Es­te Af­fleck de O Con­ta­dor in­cor­po­ra um ca­ra di­fe­ren­tão, que so­freu bullying a vi­da to­da por ser por­ta­dor da Sín­dro­me de As­per­ger, uma es­pé­cie de au­tis­mo que não im­pe­de o con­ta­to so­ci­al e que, no seu ca­so, de­sen­vol­ve ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas ge­ni­ais no cam­po da ma­te­má­ti­ca.

Quem o vê so­li­tá­rio co­mo o con­ta­dor Ch­ris­ti­an Wolff na tra­ma di­ri­gi­da por Ga­vin O'Con­nor pen­sa que sua vi­da é um té­dio. Só que não. Por trás das ma­ni­as in­fi­ni­tas, dos cál­cu­los sur­re­ais que o aju­dam a se­guir fo­ca­do, Wolff man­tém ati­vi­da­des es­cu­sas pa­ra or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas ao re­dor do mun­do, tra­ba­lhan­do co­mo um fa­ci­li­ta­dor de apli­ca­ções em pa­raí­sos fis­cais. E ain­da atua tam­bém um exí­mio ma­ta­dor de alu­guel qu­an­do a ne­ces­si­da­de se faz.

Acon­te­ce que, pe­go pe­lo FBI com a bo­ca na bo­ti­ja após la­var di­nhei­ro por anos, o con­ta­dor acei­ta des­ven­dar um gol­pe mi­li­o­ná­rio nu­ma em­pre­sa de pró­te­ses e ro­bó­ti­ca. As­sim, ele, que sem­pre tra­ba­lhou na qua­dri­lha do eu so­zi­nho, tem que acei­tar a par­ce­ria da agen­te Da­na Cum­mings (Anna Ken­drick) nu­ma em­prei­ta­da pla­ne­ja­da pe­lo che­fe do De­par­ta­men­to Cri­mi­nal do Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da, vi­vi­do por J.K. Sim­mons. Em en­tre­vis­ta, a atriz brin­cou que ela tra­ba­lha nes­te fil­me co­mo aju­dan­te do he­rói, uma es­pé­cie de Ro­bin, nu­ma re­fe­rên­cia ao Bat­man de Af­fleck.

PES­QUI­SA

“Fui cap­tu­ra­do por sua ori­gi­na­li­da­de e o con­cei­to é di­fe­ren­te de tu­do que já vi”, dis­se o di­re­tor na pri­mei­ra exi­bi­ção pa­ra con­vi­da­dos em Los An­ge­les. Ele se re­fe­re ao fa­to de nun­ca ter vis­to per­so­na­gem si­mi­lar no cinema. Pa­ra en­ten­der do que es­ta­vam fa­lan­do, es­tu­dou bas­tan­te.

“Eu e Ben vi­mos do­cu­men­tá­ri­os, ou­vi­mos pod­casts e con­sul­ta­mos es­pe­ci­a­lis­tas pa­ra en­ten­der es­sas pes­so­as es­pe­ci­ais”, con­tou o ci­ne­as­ta, que fes­te­jou o fa­tu­ra­men­to no fim de se­ma­na de es­treia mais de US$ 25 mi­lhões. Ben Af­fleck en­ca­ra o re­tor­no co­mo re­co­nhe­ci­men­to à se­ri­e­da­de do tema: “Eu não se­ria lou­co em tra­tar uma ques­tão sé­ria co­mo o au­tis­mo com des­res­pei­to. In­ter­pre­ta­mos o que os au­tis­tas pre­ci­sam en­fren­tar a vi­da in­tei­ra co­mo al­go he­roi­co”.

A tra­ma cons­trói a his­tó­ria de Ch­ris­ti­an Wolff em ca­ma­das in­te­res­san­tes, com sen­si­bi­li­da­de até pa­ra tra­tar de sua con­di­ção. Ben Af­fleck atua nu­ma região de con­for­to, a do mi­ni­ma­lis­mo, e is­so aju­da na com­po­si­ção do per­so­na­gem. Mas o ex­ces­so de vai­vém dos flash­backs atra­pa­lham a frui­ção do fil­me em cer­tos mo­men­tos, es­pe­ci­al­men­te ao li­gar a in­fân­cia pro­ble­má­ti­ca do per­so­na­gem, mar­ca­da pe­lo aban­do­no da mãe e pe­lo tra­ta­men­to du­ro que re­ce­beu do pai mi­li­tar, com sua vi­da adul­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.