Ca­mi­nho­nei­ros di­gi­tais

Correio da Bahia - - Front Page -

Exis­tem ain­da pes­so­as que con­ser­vam há­bi­tos an­ti­gos, co­mo mar­car en­con­tros pa­ra con­ver­sar, pes­so­al­men­te, ou te­le­fo­nar pa­ra ami­gos e pa­ren­tes. Mas, em um mun­do ca­da vez mais co­nec­ta­do, on­de mui­tos ca­çam mons­tros en­quan­to ca­mi­nham pa­ra o tra­ba­lho, a co­mu­ni­ca­ção pas­sa obri­ga­to­ri­a­men­te pe­la tec­no­lo­gia. No uni­ver­so pe­sa­do das ro­do­vi­as bra­si­lei­ras não é di­fe­ren­te. Ca­mi­nho­nei­ros, ex­pe­ri­en­tes e no­va­tos, ace­le­ram for­te pe­la es­tra­da vir­tu­al e mos­tram que o bom e ve­lho rá­dio PX vai fa­zer com­pa­nhia pa­ra o fax no fun­do do ar­má­rio.

Es­ses pro­fis­si­o­nais fo­ram, de cer­ta for­ma, obri­ga­dos a se rein­ven­tar quan­do ca­mi­nhões al­ta­men­te tec­no­ló­gi­cos che­ga­ram ao mer­ca­do na­ci­o­nal. Não bas­ta­va mais ser bom de bra­ço, des­cer en­gre­na­do na mar­cha cer­ta: ago­ra, o ca­mi­nho­nei­ro tem que con­tro­lar sistemas avan­ça­dos que to­mam con­ta da ope­ra­ção do veí­cu­lo. Mui­tas trans­por­ta­do­ras ti­ve­ram, e ain­da têm, di­fi­cul­da­de pa­ra en­con­trar mo­to­ris­tas que es­ta­vam em li­nha com es­sas no­vi­da­des. Mon­ta­do­ras tam­bém fo­ram obri­ga­das a re­pen­sar a for­ma de se co­mu­ni­car com es­se ca­mi­nho­nei­ro di­gi­tal.

Ho­je te­mos que al­can­çar es­se pú­bli­co on­de eles es­tão, ou se­ja, na bo­leia. É lá que a men­sa­gem de­ve che­gar. A in­te­ra­ção nas re­des so­ci­ais vai além de com­par­ti­lhar mo­men­tos ou pen­sa­men­tos com nos­sos ami­gos. Es­se é um ca­nal com mui­to po­der de al­can­ce, prin­ci­pal­men­te quan­do fa­la­mos em dis­po­si­ti­vos mó­veis, co­mo smartpho­nes e ta­blets. Co­ne­xões wi-fi em pos­tos de com­bus­tí­veis e re­des 4G co­lo­ca­ram os rin­cões do país den­tro do ma­pa di­gi­tal. Com mais aces­so à in­for­ma­ção, os ca­mi­nho­nei­ros ga­nha­ram po­der de bar­ga­nha na ho­ra de es­co­lher um pro­du­to, um fre­te ou um ami­go.

A Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal do Trans­por­te (CNT) tra­çou um per­fil dos ca­mi­nho­nei­ros no iní­cio do ano. O re­sul­ta­do foi que apro­xi­ma­da­men­te 70% dos en­tre­vis­ta­dos usam a in­ter­net pa­ra se co­mu­ni­car, pa­ra se in­for­mar, pa­ra en­tre­te­ni­men­to ou pa­ra bus­car fre­tes em apli­ca­ti­vos es­pe­cí­fi­cos. Qua­se 90% o fa­zem por meio de dis­po­si­ti­vos mó­veis. Es­se mo­vi­men­to di­gi­tal acon­te­ce fo­ra do am­bi­en­te do­més­ti­co pa­ra cer­ca de 80% dos en­tre­vis­ta­dos.

O de­sa­fio é en­ten­der es­se no­vo ca­mi­nho­nei­ro e pro­du­zir uma co­mu­ni­ca­ção di­re­ta e efi­caz. Se­ja por meio de apli­ca­ti­vos, de um blog, com pres­ta­ção de ser­vi­ços e en­tre­te­ni­men­to, ou com ví­de­os di­vul­ga­dos em ca­nais, co­mo Youtu­be e Fa­ce­bo­ok, a mar­ca que não acom­pa­nhar es­se mo­vi­men­to fi­ca­rá es­ta­ci­o­na­da no acos­ta­men­to do es­que­ci­men­to. Co­mu­ni­car é mos­trar al­go pa­ra al­guém, sen­do que o re­cep­tor tem em su­as mãos o po­der de de­ci­são, se acei­ta ou não ser im­pac­ta­do. O con­ta­to con­tí­nuo com os ca­mi­nho­nei­ros faz com que te­nha­mos fer­ra­men­tas pa­ra ana­li­sar es­se pú­bli­co e pro­du­zir pe­ças e cam­pa­nhas que al­can­cem os ob­je­ti­vos da em­pre­sa.

Não bas­ta ape­nas ten­tar ven­der uma ideia. A co­mu­ni­ca­ção com o ca­mi­nho­nei­ro en­vol­ve a par­ce­ria das es­tra­das, co­lo­ca a mar­ca e o mo­to­ris­ta la­do a la­do nas vi­a­gens. Re­la­ci­o­na­men­to e ex­pe­ri­ên­ci­as va­lem mui­to mais do que slo­gans e pro­mo­ções. Cre­di­bi­li­da­de é a pa­la­vra-cha­ve.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.