24h Cui­dar co­mo Dulce

Correio da Bahia - - Front Page -

Tem qu­em ache que es­pa­ço pú­bli­co é ter­ra de nin­guém, em vez de um bem co­le­ti­vo. Es­sa men­ta­li­da­de fez com que a Pra­ça Ir­mã Dulce, lo­ca­li­za­da no Lar­go de Ro­ma, es­ti­ves­se bas­tan­te mal­tra­ta­da an­tes de com­ple­tar um ano de re­for­ma­da — jus­to no es­pa­ço que ho­me­na­geia aque­la que de­di­cou a vi­da a cui­dar das pes­so­as.

Li­xei­ras e ban­cos que­bra­dos, por­tões ar­rom­ba­dos, equi­pa­men­tos en­fer­ru­ja­dos e pi­sos fo­ra do lu­gar fa­zem par­te da pai­sa­gem. “Lo­go que inau­gu­rou, eu vi­nha to­do sá­ba­do tra­zer meu fi­lho. Ela ta­va mais lim­pi­nha, mais bem cui­da­da. Pe­la tar­de, fi­ca­va cheia de cri­an­ça brin­can­do. Ago­ra es­tá va­zia”, la­men­ta a ven­de­do­ra Jés­si­ca de Araú­jo, 25 anos.

Qu­em tam­bém re­cla­mou foi o agen­te de saú­de Jo­se­li­to Se­na, 53, que se exer­ci­ta to­dos os di­as nos apa­re­lhos de gi­nás­ti­ca. “Fi­quei fe­liz por te­rem fei­to es­ses equi­pa­men­tos. An­tes eu já vi­nha, cor­ria ao re­dor da pra­ça. Ao mes­mo tem­po, fi­co tris­te por­que eles es­tão se des­truin­do”, dis­se, mos­tran­do os apa­re­lhos de me­tal en­fer­ru­ja­dos. Al­guns já es­ta­vam que­bra­dos por ação da fer­ru­gem.

Com tem­po so­bran­do pa­ra cur­tir a vi­da e a ci­da­de, o co­mer­ciá­rio apo­sen­ta­do Car­li­to dos San­tos, 66, vi­ve pe­las pra­ças da ca­pi­tal. Em seu ran­king, a Pra­ça Ir­mã Dulce não foi mui­to bem. “An­do mui­to pe­lo Cam­po Gran­de, Lar­go do Pa­pa­gaio, Par­que da Ci­da­de e tam­bém aqui. Fi­co sen­ta­do, ba­ten­do pa­po. Es­sas ou­tras pra­ças es­tão bem me­lho­res. Aqui pre­ci­sa de uma re­for­ma ge­ral”, com­pa­rou, su­ge­rin­do no­va in­ter­ven­ção no lo­cal.

Aten­den­do um pou­co o pe­di­do de seu Car­li­to, equi­pes da Pre­fei­tu­ra de Sal­va­dor es­tão, des­de a úl­ti­ma ter­ça-fei­ra, re­a­li­zan­do a ma­nu­ten­ção do es­pa­ço. Se­gun­do a Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Ma­nu­ten­ção (Se­man), na se­ma­na an­te­ri­or, téc­ni­cos fi­ze­ram uma vis­to­ria no lo­cal, de­vi­do à gran­de quan­ti­da­de de quei­xas que re­ce­be­ram. A Lim­purb es­tá lim­pan­do o lu­gar e re­ti­ran­do equi­pa­men­tos e es­tru­tu­ras que­bra­das, que se­rão re­pos­tas. A Se­man es­pe­ra ter­mi­nar a ma­nu­ten­ção da pra­ça até o fim do ano.

A Gu­ar­da Mu­ni­ci­pal, cu­ja fun­ção é pro­te­ger o pa­trimô­nio pú­bli­co, es­tá pre­sen­te no lo­cal. Exis­te um pon­to de apoio no meio da pra­ça, on­de uma du­pla es­tá sem­pre a pos­tos. Um dos guar­das, que não quis se iden­ti­fi­car, re­cla­mou das pi­cha­ções e re­ve­lou pre­o­cu­pa­ção

Pi­so sol­to é um dos pro­ble­mas

Agen­tes re­ti­ram equi­pa­men­tos da­ni­fi­ca­dos do lo­cal: ban­co é guin­cha­do

Van­da­lis­mo dei­xou gra­dil da­ni­fi­ca­do: lo­cal pas­sa­rá por ma­nu­ten­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.