Po­lí­cia tem ele­men­tos pa­ra fa­zer re­tra­to fa­la­do

Correio da Bahia - - Mais -

pe­le e es­pe­tou meu om­bro, mas não che­gou a in­je­tar na­da”, dis­se.

Con­for­me a ví­ti­ma, o ho­mem cor­reu no meio da mul­ti­dão e en­trou em ou­tra lo­ja. “Não vi o ros­to, não vi rou­pa, na­da. Foi mui­to rá­pi­do”, co­men­tou. Uma co­le­ga de tra­ba­lho que es­ta­va no mo­men­to dis­se que tam­bém não viu o ho­mem e, na ho­ra, se pre­o­cu­pou em dar so­cor­ro por­que a ami­ga es­ta­va ner­vo­sa. “Fi­cou de­ses­pe­ra­da e a re­a­ção de­la foi cho­rar”, afir­mou. A ví­ti­ma dis­se ain­da que foi li­be­ra­da do tra­ba­lho on­tem e ho­je pa­ra fa­zer os pro­ce­di­men­tos ne­ces­sá­ri­os.

MAIS CA­SOS

Ape­sar de a Se­sab con­fir­mar a exis­tên­cia de dez ví­ti­mas, nem to­das elas pres­ta­ram quei­xa à po­lí­cia. O COR­REIO te­ve aces­so a seis ca­sos re­gis­tra­dos em de­le­ga­ci­as. Se­gun­do a TV Bahia, ou­tros dois ca­sos ocor­re­ram on­tem. Um de­les de uma mu­lher que te­ria si­do es­pe­ta­da em São Cris­tó­vão. Ao evi­tar que a fi­lha pe­que­na fos­se fe­ri­da, ela aca­bou sen­do a ví­ti­ma. O ou­tro ca­so é de um ho­mem que con­ta ter si­do ata­ca­do na Ave­ni­da Se­te de Se­tem­bro.

Os ca­sos de ata­que com se­rin­ga co­me­ça­ram no dia 18 de se­tem­bro, quan­do o mo­to­ris­ta de ôni­bus Edson dos San­tos Me­lo, 40, foi fe­ri­do en­quan­to tra­ba­lha­va no Lar­go da Ma­dra­goa, na Ri­bei­ra. Ele tam­bém re­gis­trou quei­xa na 3ª De­le­ga­cia e con­tou que ao pa­rar o co­le­ti­vo em um pon­to foi per­fu­ra­do na re­gião da fa­ce por um des­co­nhe­ci­do. “O ca­ra en­trou pe­la fren­te e, an­tes de pas­sar o tor­ni­que­te, me ata­cou e des­ceu”, re­la­tou. Ele es­tá de­bi­li­ta­do de­vi­do aos efei­tos co­la­te­rais do co­que­tel de re­mé­di­os. “Me de­ram me­di­ca­men­tos pa­ra he­pa­ti­te, té­ta­no e HIV. Vou to­mar 28 di­as”.

Um sol­da­do do Exér­ci­to de­nun­ci­ou um ca­so pa­re­ci­do. Ele foi es­pe­ta­do no dia 7, quan­do ca­mi­nha­va na Ave­ni­da Joana An­gé­li­ca, por vol­ta das 12h30, após sair do tra­ba­lho, no Quar­tel da Mou­ra­ria. A ví­ti­ma foi ata­ca­da no mo­men­to em que ele e o cri­mi­no­so se cru­za­ram. “Ele dis­se que sen­tiu uma fis­ga­da no bra­ço e se de­ses­pe­rou quan­do viu a blu­sa man­cha­da de san­gue. Em se­gui­da, viu o ban­di­do cor­ren­do e se­gu­ran­do uma se­rin­ga”, dis­se a mãe do ra­paz.

TE­MOR

O ter­cei­ro ca­so re­gis­tra­do foi na ter­ça-fei­ra pas­sa­da, en­vol­ven­do a ope­ra­do­ra de cai­xa Eli­a­na dos San­tos Pi­res, 41, tam­bém na Ri­bei­ra. Ela es­ta­va em um pon­to de ôni­bus, en­cos­ta­da em um pos­te, quan­do sen­tiu uma fe­ri­da nas ná­de­gas. Ao olhar pa­ra trás, viu um ho­mem ne­gro se afas­tan­do do lo­cal, sor­rin­do, e com uma se­rin­ga na mão.

Se­gun­do a ví­ti­ma des­cre­veu, ele usa­va uma ca­mi­sa lis­tra­da nas co­res bran­ca e azul. “O pon­to ta­va cheio de cri­an­ças. Eu ta­va en­cos­ta­da no pos­te e sen­ti a pi­ca­da. Sen­ti as per­nas dor­men­tes e o lo­cal do­lo­ri­do”.

Uma es­tu­dan­te de 12 anos tam­bém foi ata­ca­da na ma­nhã de quar­ta-fei­ra, tam­bém na Ri­bei­ra, ago­ra na Rua Aní­bal da Sil­va Gar­cia. De acor­do com a de­le­ga­da Ana Vir­gí­nia Paim, a es­tu­dan­te es­ta­va na com­pa­nhia de uma co­le­ga, quan­do um ho­mem ne­gro, de es­ta­tu­ra bai­xa e de por­te atlé­ti­co, es­pe­tou seu bra­ço es­quer­do e em se­gui­da fu­giu. Os três ca­sos na Ri­bei­ra mu­da­ram a ro­ti­na de mo­ra­do­res e che­ga­ram a can­ce­lar ati­vi­da­des em uma es­co­la, por con­ta do me­do de no­vos ata­ques. O cer­co ao ma­nía­co da se­rin­ga es­tá se fe­chan­do, ga­ran­te a po­lí­cia. O De­par­ta­men­to de Po­lí­cia Me­tro­po­li­ta­na (De­pom) da Po­lí­cia Ci­vil in­for­mou, on­tem, que um re­tra­to fa­la­do do sus­pei­to — ou de um dos sus­pei­tos — se­rá fei­to em bre­ve. “A mai­o­ria das ví­ti­mas não tem uma des­cri­ção pre­ci­sa. Mas lo­ca­li­za­mos uma de­las que po­de nos aju­dar na ela­bo­ra­ção de um re­tra­to fa­la­do. Va­mos en­ca­mi­nhá-la pa­ra fa­zer o re­tra­to fa­la­do”, dis­se o de­le­ga­do Car­los Ha­bib, di­re­tor em exer­cí­cio do De­pom. Ha­bib dis­se que a po­lí­cia tam­bém bus­ca ima­gens de câ­me­ras de se­gu­ran­ça.

On­tem, o De­pom in­for­mou que dis­po­ni­bi­li­zou uma equi­pe que irá se des­lo­car até as uni­da­des de saú­de pa­ra en­tre­vis­tar pes­so­as que pro­cu­ram aten­di­men­to mé­di­co após ter si­do fe­ri­das em ata­ques do ma­nía­co. Ago­ra, as pró­pri­as uni­da­des de saú­de, as­sim que re­ce­be­rem as ví­ti­mas, de­ve­rão en­trar em con­ta­to com a po­lí­cia, que des­lo­ca­rá o gru­po ime­di­a­ta­men­te. As me­di­das são pa­ra in­ten­si­fi­car as bus­cas pe­la au­to­ria dos ata­ques com se­rin­gas re­gis­tra­dos na ci­da­de, nas úl­ti­mas se­ma­nas.

“Não se tra­ta de uma for­ça-ta­re­fa. Ca­da de­le­ga­cia vai to­car sua in­ves­ti­ga­ção em se­pa­ra­do. Mas que­re­mos fa­zer cir­cu­lar as in­for­ma­ções com mais agi­li­da­de. E a nós do De­pom, te­mos in­te­res­se em con­tri­buir nas in­ves­ti­ga­ções”, dis­se Ha­bib, que acre­di­ta na exis­tên­cia de mais de um ma­nía­co. “Das ca­rac­te­rís­ti­cas que sur­gi­ram, exis­te uma di­ver­gên­cia de ca­rac­te­rís­ti­cas. A gen­te não po­de des­car­tar ne­nhu­ma in­for­ma­ção. Po­de ha­ver um imi­ta­dor dos pri­mei­ros ca­sos, por exem­plo. Es­sa pos­si­bi­li­da­de é re­al”, diz. “En­quan­to não se che­gar à con­clu­são de que é ape­nas um ma­nía­co, não va­mos con­cen­trar as in­ves­ti­ga­ções”, con­cluiu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.