HUMANIZANDO O MI­TO

Correio da Bahia - - Mais - Lau­ra.fer­nan­des@re­de­bahia.com.br

Um dia an­tes de ser as­sas­si­na­do na va­ran­da do quar­to 306, do Ho­tel Lor­rai­ne, em Memphis, o pas­tor pro­tes­tan­te e ati­vis­ta po­lí­ti­co ame­ri­ca­no Mar­tin Luther King Jr. fez seu úl­ti­mo ser­mão. Qua­se 50 anos de­pois, o ce­ná­rio vol­ta à ce­na no es­pe­tá­cu­lo O To­po da Mon­ta­nha pa­ra eter­ni­zar o úl­ti­mo gran­de dis­cur­so do No­bel da Paz e de­fen­sor dos di­rei­tos ci­vis, cu­ja mor­te, aos 39 anos, cho­cou o mun­do.

Mas, an­tes de en­trar na tra­gé­dia, a co­mé­dia pe­de pas­sa­gem na pe­ça que che­ga ao Te­a­tro Cas­tro Al­ves nos di­as 29 e 30, com in­gres­sos ape­nas pa­ra a ses­são ex­tra. Di­ri­gi­da pe­lo bai­a­no Lá­za­ro Ra­mos, pro­du­zi­da e pro­ta­go­ni­za­da por ele e pe­la atriz ca­ri­o­ca Taís Arau­jo, a pe­ça usa o hu­mor pa­ra tra­tar de te­mas di­fí­ceis. En­tre eles, a se­gre­ga­ção ra­ci­al que mar­cou a épo­ca e pro­vo­cou o lin­cha­men­to de 5 mil ne­gros, só no sul dos Es­ta­dos Uni­dos, en­tre 1883 e 1959.

Bom, o hu­mor sur­ge pe­lo me­nos no pri­mei­ro mo­men­to. “Co­me­ça com uma co­mé­dia, qua­se uma co­mé­dia ro­mân­ti­ca, aí quan­do as pes­so­as es­tão bem aco­mo­da­das, ela vai e pe­ga to­do mun­do pe­lo co­ra­ção”, en­tre­ga Taís Araú­jo, 37 anos . A atriz foi in­di­ca­da ao Prê­mio Shell por sua atu­a­ção na pe­ça es­cri­ta pe­la ame­ri­ca­na Ka­to­ri Hall que es­tre­ou em Lon­dres, em 2009, e ga­nhou ver­são na Bro­adway, em 2011.

Na ver­são bra­si­lei­ra, tra­du­zi­da por Sil­vio Jo­sé Al­bu­quer­que e Sil­va, Lá­za­ro e Taís, ca­sa­dos há 12 anos, in­ter­pre­tam Mar­tin Luther King e a mis­te­ri­o­sa e be­la ca­ma­rei­ra Ca­mae, que co­nhe­ce o lí­der ame­ri­ca­no em seu pri­mei­ro dia de tra­ba­lho no ho­tel on­de es­tá hos­pe­da­do. Em uma das ce­nas, ela che­ga a ofe­re­cer um ca­fé com whisky pa­ra Luther King, por­que “is­so aqui é o que os ir­lan­de­ses cha­mam de xa­ro­pe con­tra a tos­se”, jus­ti­fi­ca a per­so­na­gem, en­quan­to ar­ran­ca ri­sos da pla­teia.

“O hu­mor co­mo en­tra­da fa­ci­li­ta mui­to a se­gun­da par­te do es­pe­tá­cu­lo, que é um dra­ma, fa­lan­do de te­mas do­lo­ro­sos e po­lí­ti­cos. Des­sa for­ma, o es­pe­tá­cu­lo atrai um pú­bli­co ain­da mai­or e to­dos os es­pec­ta­do­res se sen­tem mo­ti­va­dos a en­fren­tar es­sa lu­ta pe­lo res­pei­to e pe­la igual­da­de, que é a lu­ta jus­ta”, acre­di­ta Lá­za­ro Ra­mos, 37, so­bre o es­pe­tá­cu­lo di­vi­di­do em dois mo­men­tos. Os ato­res Lá­za­ro Ra­mos e Taís Araú­jo tra­zem a Sal­va­dor a elo­gi­a­da pe­ça O To­po da Mon­ta­nha, que fa­la de te­mas im­por­tan­tes, co­mo a lu­ta pe­lo res­pei­to e pe­la igual­da­de, a par­tir de um en­con­tro fic­ci­o­nal en­tre uma ca­ma­rei­ra e o lí­der ame­ri­ca­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.