Fri­e­za que in­co­mo­da

Correio da Bahia - - Esporte -

O Bahia em­pa­tou mais uma par­ti­da fo­ra de ca­sa, mas o que mais me cha­mou aten­ção no jo­go con­tra o Oes­te foi a pos­tu­ra dos jo­ga­do­res tri­co­lo­res. Num mo­men­to cru­ci­al da tem­po­ra­da, on­de ven­cer é fun­da­men­tal pa­ra as pre­ten­sões do ti­me na Série B, a ati­tu­de den­tro e fo­ra de cam­po é al­go que de­ve­ria pre­va­le­cer. Po­rém, o que per­ce­bo é que os atle­tas de­mons­tram uma fri­e­za mais do que es­qui­si­ta.

Na quin­ta-fei­ra, quan­do fo­ram re­ce­bi­dos ca­lo­ro­sa­men­te pe­la tor­ci­da na ida pa­ra São Pau­lo, os jo­ga­do­res pa­re­ci­am sur­pre­sos. Tal­vez, mui­tos não sai­bam da for­ça do tor­ce­dor do Bahia, ou du­vi­da­vam da pai­xão que uma mul­ti­dão nu­tre pe­lo clu­be. Re­a­ções sim­pá­ti­cas, al­gu­mas as­sus­ta­das, mas fri­as. A im­pres­são fi­ca ain­da mais for­te quan­do ob­ser­vo, ao fi­nal do jo­go, que os atle­tas se­quer fo­ram agra­de­cer aos mais de 3 mil tor­ce­do­res que fo­ram à Are­na Ba­ru­e­ri pres­ti­gi­ar o ti­me.

Den­tro de cam­po, a fri­e­za con­tu­maz nos jo­gos fo­ra de ca­sa. Con­tra um Oes­te com­ba­li­do e que tem uma pro­pos­ta de to­car a bo­la pa­ci­en­te­men­te, o Bahia não pres­si­o­nou a saí­da de bo­la ri­val e re­sol­veu mar­car a par­tir de sua in­ter­me­diá­ria ofen­si­va. Re­sul­ta­do: um pri­mei­ro tempo cha­to, com um an­fi­trião to­can­do a bo­la sem ser in­co­mo­da­do e um vi­si­tan­te pas­si­vo. A in­ten­si­da­de dos jo­gos da Fon­te No­va pas­sou lon­ge. Na eta­pa fi­nal, o tri­co­lor só re­a­giu quan­do per­ce­beu que o Oes­te po­de­ria in­co­mo­dar – a equi­pe de Fer­nan­do Di­niz abriu o pla­car em co­bran­ça de fal­ta, e os co­man­da­dos de Gu­to Fer­rei­ra em­pa­ta­ram lo­go em se­gui­da. Com mais vo­lu­me de jo­go, não con­se­guiu ser con­tun­den­te, in­ten­so e efi­caz. Mos­trou a fri­e­za de sem­pre.

Gu­to Fer­rei­ra, aliás, é o úni­co que tem o dis­cur­so afi­a­do. Não can­sa de exal­tar a tor­ci­da do Bahia e sua im­por­tân­cia nos jo­gos em ca­sa. Fa­la em in­ten­si­da­de de jo­go e en­tre­ga dos jo­ga­do­res. No en­tan­to, as pa­la­vras não têm po­der quan­do o Bahia pre­ci­sa sair de Sal­va­dor. E mais: quan­do re­sol­ve di­zer que o empate é um bom re­sul­ta­do e que o im­por­tan­te é es­tar no G4 na última rodada, mos­tra uma ve­la­da re­sig­na­ção com o que o ti­me tem fei­to na Série B – uma cam­pa­nha me­di­a­na pa­ra o ta­ma­nho do clu­be na com­pe­ti­ção. É ló­gi­co que, quan­do se olha pa­ra a ta­be­la, a 38ª rodada é a mais im­por­tan­te de to­das, mas é tam­bém ób­vio que não se de­ve es­pe­rar até lá pa­ra se ga­ran­tir en­tre os qua­tro pri­mei­ros. É ab­sor­ver um so­fri­men­to des­ne­ces­sá­rio.

Ano pas­sa­do, ao fi­nal da 32ª rodada, o Bahia era o quar­to co­lo­ca­do, com 54 pon­tos, e ha­via ven­ci­do o Cri­ciú­ma por 1x0, gol de Ki­e­za, nos mi­nu­tos fi­nais do con­fron­to na Fon­te No­va. O San­ta Cruz era o sex­to co­lo­ca­do, ti­nha 49 pon­tos e em­pa­tou com o Atlé­ti­co Goi­a­ni­en­se por 0x0, fo­ra de ca­sa. Cin­co pon­tos que for­ma­vam um abis­mo en­tre os per­nam­bu­ca­nos e o G4. Nas seis ro­da­das fi­nais, um pac­to foi fei­to e o tri­co­lor do Ar­ru­da su­biu com um jo­go de an­te­ce­dên­cia – ven­cen­do o Bahia, in­clu­si­ve, na Fon­te No­va, na par­ti­da em que en­trou no gru­po dos qua­tro me­lho­res e ti­rou o Es­qua­drão de Aço de lá. Ain­da é nes­se exem­plo de su­pe­ra­ção e in­ten­si­da­de que o ti­me de Gu­to Fer­rei­ra de­ve­ria se ins­pi­rar.

A fri­e­za pa­ra de­ci­dir jo­gos é in­te­res­san­te. Mos­trar equi­lí­brio nas ad­ver­si­da­des e pa­ci­ên­cia pa­ra su­pe­rar ad­ver­sá­ri­os com­pli­ca­dos são vir­tu­des que pou­cos gru­pos pos­su­em. Quan­do es­sa fri­e­za, po­rém, pas­sa a im­pres­são de le­tar­gia, con­for­mis­mo ou pou­ca ati­tu­de, tor­na-se um ele­men­to que jo­ga con­tra o ti­me. A equi­pe que tem qua­se 80% de apro­vei­ta­men­to na Fon­te No­va é a mes­ma que pos­sui 25% fo­ra de­la. Uma bi­po­la­ri­da­de que pre­ci­sa ser tra­ta­da o mais rá­pi­do pos­sí­vel, ca­so o ti­me quei­ra re­tor­nar à eli­te do fu­te­bol bra­si­lei­ro.

A fri­e­za pa­ra de­ci­dir jo­gos é

in­te­res­san­te. Equi­lí­brio e pa­ci­ên­cia são vir­tu­des de pou­cos. Quan­do es­sa fri­e­za, po­rém, pas­sa a im­pres­são de le­tar­gia, con­for­mis­mo ou pou­ca ati­tu­de, tor­na-se um ele­men­to que jo­ga

con­tra o ti­me

el­ton.ser­ra@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.