Fi­nan­ças tam­bém afe­tam de­sem­pe­nho no tra­ba­lho

Correio da Bahia - - Esporte -

O or­ça­men­to no ver­me­lho tem ti­ra­do o so­no de mui­ta gen­te e im­pac­ta­do no de­sem­pe­nho pro­fis­si­o­nal de quem es­tá en­di­vi­da­do. É o que apon­tam os da­dos da pes­qui­sa Glo­bal Be­ne­fits At­ti­tu­des, re­a­li­za­da pe­la Wil­lis Towers Wat­son com 1.004 em­pre­ga­dos de gran­des em­pre­sas bra­si­lei­ras.

De acor­do com o le­van­ta­men­to, 62% dos tra­ba­lha­do­res bra­si­lei­ros es­tão pre­o­cu­pa­dos com a sua saú­de fi­nan­cei­ra, sen­do que 22% do to­tal pes­qui­sa­do afir­ma es­tar com di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras, pre­o­cu­pa­dos no cur­to e no lon­go pra­zo.

“Se o in­di­ví­duo es­tá pre­o­cu­pa­do com as con­tas a pa­gar e não tem de on­de re­ti­rar es­ses va­lo­res, seu fo­co não es­ta­rá em su­as ati­vi­da­des la­bo­rais ro­ti­nei­ras e sim em pen­sar nas ma­nei­ras de co­mo sair do en­di­vi­da­men­to”, ex­pli­ca o con­sul­tor em Re­cur­sos Hu­ma­nos e mem­bro da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Re­cur­sos Hu­ma­nos (ABRH-BA), Vi­tal Sou­za.

A pes­qui­sa mos­trou ain­da que a pre­o­cu­pa­ção dos tra­ba­lha­do­res bra­si­lei­ros com a sua atu­al si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra e o seu grau de en­di­vi­da­men­to é mai­or, quan­do com­pa­ra­do com os nú­me­ros glo­bais. En­tre os bra­si­lei­ros, 54% dos tra­ba­lha­do­res afir­mam que fre­quen­te­men­te se pre­o­cu­pam com a sua si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra atu­al, con­tra um per­cen­tu­al de 38% com­pa­ra­do com a mé­dia glo­bal. Já so­bre o grau de en­di­vi­da­men­to, 47% dos bra­si­lei­ros afir­mam se pre­o­cu­par fre­quen­te­men­te, fren­te a 31% do ín­di­ce glo­bal.

Ain­da de acor­do com Sou­za, as em­pre­sas têm bus­ca­do al­ter­na­ti­vas pa­ra re­ver­ter o pro­ble­ma, apos­tan­do, in­clu­si­ve, na edu­ca­ção fi­nan­cei­ra de seus co­la­bo­ra­do­res. “Al­gu­mas em­pre­sas in­ves­tem em pa­les­tras so­bre edu­ca­ção fi­nan­cei­ra e até em acom­pa­nha­men­tos in­di­vi­du­a­li­za­dos, com es­tra­té­gi­as de co­a­ching pa­ra re­ver­ter o pro­ces­so de en­di­vi­da­men­to de fun­ci­o­ná­ri­os. Por meio da cons­ci­en­ti­za­ção e re­pro­gra­ma­ção das for­mas de gas­tar, o tra­ba­lha­dor po­de pas­sar de en­di­vi­da­do pa­ra pou­pa­dor e is­to ge­ra ga­nho pa­ra as em­pre­sas”, des­ta­ca o es­pe­ci­a­lis­ta. 1. Fa­xi­na Fa­ça um di­ag­nós­ti­co fi­nan­cei­ro, re­gis­tran­do o que ga­nha e o que gas­ta, du­ran­te 30 di­as. Is­so vai pos­si­bi­li­tar que vo­cê en­xer­gue con­cre­ta­men­te pa­ra on­de es­tá in­do o seu di­nhei­ro. Mais do que nun­ca, tam­bém vai ser pre­ci­so cor­tar os ex­ces­sos e re­du­zir gas­tos. As­sim, vai fi­car mais fá­cil tam­bém vi­su­a­li­zar on­de é pre­ci­so cor­tar e re­ver as des­pe­sas que es­tão aper­tan­do as fi­nan­ças.

2. Cré­di­to mais ba­ra­to Pro­cu­re por li­nhas de cré­di­tos com ju­ros me­no­res e tro­que uma dí­vi­da mais ca­ra por uma li­nha de cré­di­to com ju­ros mais em con­ta, co­mo um con­sig­na­do, por exem­plo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.