Um adul­to­cri­an­ça mor­to pe­lo de­sa­mor

Correio da Bahia - - Front Page -

Tris­tes aque­les que não têm a ca­pa­ci­da­de de se emo­ci­o­nar di­an­te de uma his­tó­ria de amor, se­ja ela se­xu­al, fra­ter­nal, fa­mi­li­ar, hu­ma­ni­tá­ria, o que for. Mas, mais tris­te ain­da é ser­mos sur­pre­en­di­dos por um aba­lo sís­mi­co emo­ci­o­nal di­an­te de uma re­por­ta­gem de jor­nal, de ima­gens de um te­le­jor­nal, que nos ati­ram, sem avi­so, sem chan­ce de de­fe­sa psí­qui­ca, no ápi­ce de uma com­pai­xão do­lo­ro­sa que cau­sa uma dor de fa­ca en­ter­ra­da no pei­to por cau­sa de uma his­tó­ria de de­sa­mor. Ví­ti­ma de um de­sa­mor ino­mi­ná­vel.

Mor­to por de­sa­mor. Es­sa é a con­di­ção de Ar­man­do Be­zer­ra, 36 anos, acor­ren­ta­do há 20 pe­lo pró­prio pai, por­tan­to com ape­nas 16 anos, em um po­rão, em Gu­a­ru­lhos (SP), se­gun­do o que sa­be a po­lí­cia até ago­ra. De­sa­pren­deu a an­dar, a fa­lar. Es­tá vi­vo, mas não es­tá. O cor­po atro­fi­ou e o si­lên­cio se im­plan­tou. É um adul­to-cri­an­ça que res­pi­ra, que tem ba­ti­das no co­ra­ção, mas é um me­ni­no que mor­reu, dia após dia, du­ran­te du­as dé­ca­das. Po­de ha­ver con­tro­vér­si­as. E há. Mas a mor­te pe­lo de­sa­mor dos pró­xi­mos, da fa­mí­lia, de­ve do­er mais que a mor­te pe­la vi­o­lên­cia do mun­do, que a mor­te pe­las do­en­ças das en­tra­nhas do cor­po.

BLACK MIRROR

O mun­do das no­tí­ci­as vol­ta e meia faz is­so co­nos­co. Nos ad­ver­te a to­da ho­ra so­bre as be­le­zas e as tra­gé­di­as co­ti­di­a­nas do mun­do. Sem nos ti­rar do lu­gar, mas nos re­vol­ven­do por den­tro em re­de­moi­nhos emo­ci­o­nais ou vis­ce­rais, ora nos le­va pa­ra os cam­pos flo­ri­dos de al­gum oá­sis per­di­do nos con­fins do pla­ne­ta, ora nos lan­ça so­bre a dor do de­sam­pa­ro dos re­fu­gi­a­dos nas sel­vas eu­ro­pei­as, da fal­ta de sen­ti­do do me­ni­no mor­to nu­ma praia tur­ca, en­quan­to sua fa­mí­lia pro­cu­ra­va lhe dar a vi­da, do me­ni­no sí­rio co­ber­to de san­gue olhan­do aque­la mis­tu­ra de plas­ma e ter­ra sem en­ten­der na­da ao re­dor. Nos con­vi­da pa­ra ex­pi­ar a dor dos ex­pul­sos pe­la la­ma tó­xi­ca que co­briu par­te de Ma­ri­a­na (MG) le­van­do gen­te, fau­na, flo­ra, vi­da e te­to, pa­ra nos as­som­brar com es­tu­pros co­le­ti­vos e cha­ci­nas.

Nu­ma se­gun­da-fei­ra de ou­tu­bro, des­sas que se re­pe­tem to­da se­ma­na, sem­pre iguais, mas nun­ca as mes­mas, a pau­sa pa­ra o al­mo­ço ga­nha um pa­no de fun­do in­di­ges­to, tão in­su­por­tá­vel que nos faz la­men­tar um pou­qui­nho, mas só um pou­qui­nho, que de­ter­mi­na­dos as­pec­tos do mun­do re­tra­ta­do na sé­rie in­gle­sa Black Mirror ain­da se­jam uma mal­di­ta an­ti­qui­me­ra tec­no­ló­gi­ca fu­tu­ris­ta, pois as­sim se­ria pos­sí­vel apa­gar ou edi­tar pe­da­ços de re­gis­tros que nos­sa me­mó­ria e lem­bran­ças não dão con­ta de car­re­gar, ta­ma­nho o pe­so. Co­mo li­dar com a in­for­ma­ção, as ima­gens, as en­tre­vis­tas, que até ago­ra apon­tam o pai de Ar­man­do co­mo o res­pon­sá­vel por tran­ca­fi­ar o fi­lho aos 16 anos num cu­bí­cu­lo fé­ti­do por­que o me­ni­no ex­pe­ri­men­tou ál­co­ol?

A FAL­TA NÃO SENTIDA

Se­ja lá qual des­fe­cho te­nha, o ca­so Ar­man­do fi­ca­rá mar­ca­do por uma de­su­ma­ni­za­ção co­le­ti­va. Co­mo um ga­ro­to de 16 anos de­sa­pa­re­ce com­ple­ta­men­te de ca­sa, ca­so a ver­são es­qui­si­ta do pai se con­fir­me, e nin­guém, den­tro ou fo­ra da fa­mí­lia, o pro­cu­re, sem in­ter­rup­ção? On­de es­ta­vam os mem­bros da fa­mí­lia pa­ra além des­se pai, os pais dos ami­gos ado­les­cen­tes, os vi­zi­nhos, os pa­ren­tes de lon­ge, a es­co­la, os co­le­gas, os pro­fes­so­res? Por­que nin­guém foi à po­lí­cia, à Jus­ti­ça, ao Con­se­lho Tu­te­lar, ao Jui­za­do de Me­no­res, à igre­ja ou ao in­fer­no on­de ele es­ta­va, pa­ra pro­cu­rá-lo?

Que ta­ma­nho tem a fal­ta não sentida pe­lo de­sa­pa­re­ci­men­to des­se me­ni­no? E co­mo acre­di­tar nes­se pai du­vi­do­so, quan­do ele diz que Ar­man­do su­miu há 20 anos e vol­tou pa­ra ca­sa há ape­nas dois di­as, se o ra­paz não con­se­gue an­dar, ta­ma­nho é o atro­fi­a­men­to de su­as per­nas? Nu­ma his­tó­ria em que nin­guém é cul­pa­do, é por­que to­dos são. Nin­guém po­de­rá con­tar sua his­tó­ria, pois ela lhe foi ar­ran­ca­da aos 16 anos. Ho­je já não há mais fa­la, só si­lên­cio. De lin­gua­gem só lhe so­brou um ma­neio de ca­be­ça. A qual­quer coi­sa que lhe per­gun­tem, ele só re­a­ge com um ges­to: ba­lan­ça a ca­be­ça pa­ra a fren­te, nu­ma mí­mi­ca de sim, não im­por­tan­do se lhe per­gun­tam se é ho­mem, se é mu­lher, se es­tá pre­so, se es­tá sol­to, se ali­men­tan­do, se fa­min­to. So­brou um sim des­co­nec­ta­do com o mun­do, co­mo ele.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.