De­sa­po­sen­ta­ção não

Correio da Bahia - - Mais - Das agên­ci­as re­da­cao@cor­rei­o24ho­ras.com.br

Em um jul­ga­men­to com im­pac­to bi­li­o­ná­rio nas con­tas da União, Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (SPTF) re­jei­tou, on­tem, por 7 vo­tos a 4, a de­sa­po­sen­ta­ção, im­pe­din­do as­sim que apo­sen­ta­dos que vol­ta­ram ao mer­ca­do de tra­ba­lho pe­çam a cor­re­ção do va­lor de seus be­ne­fí­ci­os por te­rem con­tri­buí­do mais tem­po com a Previdência. Pa­ra os mi­nis­tros do STF, um even­tu­al re­co­nhe­ci­men­to des­se di­rei­to de­ve ser fei­to por meio de uma lei pe­lo Po­der Le­gis­la­ti­vo.

O jul­ga­men­to da cha­ma­da de­sa­po­sen­ta­ção des­de 2010 es­ta­va sen­do ana­li­sa­do pe­lo STF e tra­zia pre­o­cu­pa­ção ao go­ver­no pe­lo im­pac­to nos co­fres pú­bli­cos. A Ad­vo­ca­cia-Ge­ral da União (AGU) es­ti­ma­va que um even­tu­al re­co­nhe­ci­men­to ao di­rei­to de de­sa­po­sen­ta­ção tra­ria um im­pac­to anu­al de R$ 7,7 bi­lhões.

A de­sa­po­sen­ta­ção é o me­ca­nis­mo usa­do por quem con­ti­nu­ou a tra­ba­lhar de­pois de apo­sen­ta­do, man­ten­do con­tri­bui­ções à Previdência So­ci­al, e pe­dia à Jus­ti­ça pa­ra re­nun­ci­ar à apo­sen­ta­do­ria an­te­ri­or e re­que­rer uma no­va, com ba­se em cál­cu­lo atu­a­li­za­do da ida­de e tem­po de con­tri­bui­ção do be­ne­fi­ciá­rio.

A de­ci­são do STF tem re­per­cus­são ge­ral e tra­rá im­pli­ca­ções di­re­ta­men­te pa­ra cer­ca de 182 mil pro­ces­sos que es­tão em tra­mi­ta­ção nas di­fe­ren­tes es­fe­ras ju­di­ci­ais do Bra­sil pe­din­do a de­sa­po­sen­ta­ção.

Quem já se ‘de­sa­po­sen­tou’ po­de ter que de­vol­ver di­nhei­ro

RES­SAR­CI­MEN­TO

Se­gun­do a ad­vo­ga­da-ge­ral da União, Gra­ce Men­don­ça, o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Se­gu­ro So­ci­al (INSS) fa­rá um le­van­ta­men­to com­ple­to so­bre a de­sa­po­sen­ta­ção e ana­li­sa­rá ca­so a ca­so, re­cor­ren­do con­tra a con­ces­são do be­ne­fí­cio - e in­clu­si­ve pe­din­do o res­sar­ci­men­to aos co­fres pú­bli­cos da­que­les que já ti­ve­ram a apo­sen­ta­do­ria re­cal­cu­la­da.

“O INSS vai ava­li­ar ca­so a ca­so, se es­sas de­ci­sões ain­da não tran­si­ta­ram em jul­ga­do e, por­tan­to, os re­cur­sos ain­da são ca­bí­veis. Nes­se con­tex­to, a de­ci­são de­ve ser aco­mo­da­da ao que o STF ago­ra se po­si­ci­o­nou”, dis­se Gra­ce, que con­si­de­rou o re­sul­ta­do do jul­ga­men­to uma “vi­tó­ria re­le­van­te” pa­ra a União.

Ho­je, o STF vol­ta a se reu­nir pa­ra de­fi­nir a te­se que se­rá fi­xa­da pa­ra uso no Bra­sil. Vo­ta­ram con­tra a de­sa­po­sen­ta­ção

Mi­nis­tra Cár­men Lú­cia vo­tou con­tra a de­sa­po­sen­ta­ção; Já o mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio Mel­lo vo­tou a fa­vor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.