Ar­gel tem dú­vi­das; quem não te­ria?

Correio da Bahia - - Esporte - Her­bem Gra­ma­cho

Se fal­tar Ma­ri­nho, quem jo­ga? E se fal­tar Zé Lo­ve, quem en­tra? A pri­mei­ra per­gun­ta foi fei­ta nos úl­ti­mos três jo­gos do Vi­tó­ria e Ar­gel te­ve dú­vi­da em res­pon­der. Ten­tou Ti­a­go Re­al con­tra Pon­te Pre­ta e Sport, ten­tou Da­vid di­an­te do Cru­zei­ro. A di­fe­ren­ça é gri­tan­te.

A se­gun­da per­gun­ta é fei­ta pa­ra o pró­xi­mo jo­go, ama­nhã, con­tra o Flu­mi­nen­se. Ar­gel per­ce­beu que se es­co­lhes­se Da­vid, Van­der ou Nick­son, não te­ria um subs­ti­tu­to à al­tu­ra do ti­tu­lar sus­pen­so. Po­de­ria ain­da es­ca­lar o bo­li­vi­a­no Ra­mal­lo, mas ele, com jus­ti­ça, es­tá fo­ra dos pla­nos. A di­fe­ren­ça é gri­tan­te. A si­tu­a­ção de Ar­gel é com­pli­ca­da por­que não há so­lu­ção. Se­ja qual for a pre­fe­rên­cia, não há co­mo ter con­vic­ção de que fez uma boa es­co­lha. Se­ja qual for o es­co­lhi­do, se­rá uma apos­ta no es­cu­ro. Mu­dar o es­que­ma tá­ti­co re­sol­ve? Tal­vez, co­mo fez o trei­na­dor ao op­tar por três vo­lan­tes no trei­no de on­tem. Mas sem ga­ran­tia ne­nhu­ma de que o ti­me vai me­lho­rar ofen­si­va­men­te, por­que a gran­de ca­rên­cia do elen­co ru­bro-ne­gro é de mei­as. Ar­gel pen­sa em po­vo­ar o meio, o que ten­de a au­men­tar a pos­se de bo­la, mas não a efe­ti­vi­da­de e a cri­a­ti­vi­da­de. Na ca­be­ça de Ar­gel, ima­gi­no que o pen­sa­men­to pa­ra es­se jo­go fo­ra de ca­sa, con­tra um ti­me que bri­ga por va­ga na Li­ber­ta­do­res, se­ja pri­mei­ro não per­der e de­pois ga­nhar. Dói re­co­nhe­cer, mas é uma ló­gi­ca sen­sa­ta. No lu­gar do téc­ni­co ru­bro-ne­gro, com as pe­ças que ele tem no mo­men­to, eu fa­ria o mes­mo. E já que o ata­que não po­de ser a me­lhor de­fe­sa, que a de­fe­sa se­ja o me­lhor ata­que. O em­pa­te não ti­ra o ti­me da zo­na de re­bai­xa­men­to, mas é um re­sul­ta­do útil.

Há dois ca­mi­nhos pa­ra che­gar ao gol ad­ver­sá­rio: pe­lo meio e pe­las pon­tas. O ti­me do Vi­tó­ria min­guou ao per­der Ma­ri­nho por­que não tem ve­lo­ci­da­de e cri­a­ti­vi­da­de pe­lo meio. Sem o ca­mi­sa 7, fi­cou ino­fen­si­vo tam­bém pe­las pon­tas. Por is­so a vol­ta do ca­mi­sa 7 é tão im­pres­cin­dí­vel pa­ra o

Leão. O elen­co tem di­fi­cul­da­de na ar­ti­cu­la­ção de jo­ga­das co­le­ti­vas e Ma­ri­nho, atra­vés dos seus dri­bles e ar­ran­ca­das, é o úni­co ca­paz de mu­dar o des­ti­no de uma par­ti­da atra­vés da in­di­vi­du­a­li­da­de. Só que Ma­ri­nho não vai con­se­guir re­sol­ver sem­pre. A com­pa­nhia tem si­do Zé Lo­ve. Sem Zé, Ki­e­za pre­ci­sa apa­re­cer. Fa­lan­do nis­so, ca­dê o Ki­e­za do iní­cio do cam­pe­o­na­to? Dei­xou sau­da­de. A aná­li­se es­tá cen­tra­da no ta­len­to e na fa­se dos jo­ga­do­res. É ge­ral­men­te o me­lhor pa­râ­me­tro pa­ra dis­tin­guir os ti­mes mais for­tes dos mais fra­cos. O que di­fe­re Pal­mei­ras, Fla­men­go e Atlé­ti­co Mi­nei­ro dos de­mais ti­mes não é o es­que­ma tá­ti­co, e sim a qua­li­da­de dos jo­ga­do­res.

Am­pa­ra­do nis­so, a pro­je­ção pa­ra o Vi­tó­ria nas pró­xi­mas seis ro­da­das é pre­o­cu­pan­te, a pon­to de ser até mais pro­vá­vel cair do que não cair, em­bo­ra In­ter­na­ci­o­nal e Co­ri­ti­ba se­jam ti­mes do mes­mo ní­vel do Leão. No en­tan­to, há com­po­nen­tes com­ple­men­ta­res ao ta­len­to que po­dem fa­zer a di­fe­ren­ça a cur­to pra­zo, co­mo a es­tra­té­gia de jo­go (apos­ta de Ar­gel), o pre­pa­ro emo­ci­o­nal e o de­sem­pe­nho nas bo­las pa­ra­das, co­mo es­can­tei­os e fal­tas ofen­si­vas e de­fen­si­vas.

A bo­la pa­ra­da foi de­ci­si­va pa­ra o Vi­tó­ria ga­nhar do In­ter­na­ci­o­nal por 1x0 e do São Pau­lo por 2x0, dois dos triun­fos mais re­cen­tes da equi­pe no Bra­si­lei­rão. Tam­bém foi de­ci­si­va pa­ra du­as das mais re­cen­tes der­ro­tas. Mes­mo jo­gan­do pi­or que o ad­ver­sá­rio, o Vi­tó­ria per­deu do Grê­mio (1x0) após um gol de fal­ta. Jo­gan­do um pou­co me­lhor, tam­bém per­deu do Cru­zei­ro (ou­tro 1x0) após um gol de es­can­teio, sem con­tar os pê­nal­tis des­per­di­ça­dos di­an­te de Cru­zei­ro e Sport. Em jo­gos pa­re­lhos, o de­ta­lhe faz to­da a di­fe­ren­ça.

Na ca­be­ça de Ar­gel,

ima­gi­no que o pen­sa­men­to pa­ra es­se jo­go con­tra o Flu­mi­nen­se, fo­ra de ca­sa, se­ja pri­mei­ro

não per­der e de­pois ga­nhar. Dói re­co­nhe­cer, mas é uma ló­gi­ca sen­sa­ta.

O em­pa­te é útil

her­bem.gra­ma­cho@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.