A cri­se do Cen­tro de Con­ven­ções

Correio da Bahia - - Front Page -

No âm­bi­to na­ci­o­nal, a in­ver­são de si­nais na eco­no­mia já co­me­ça a de­sa­nu­vi­ar o am­bi­en­te e tor­nar pos­sí­vel a per­cep­ção de ex­pec­ta­ti­vas po­si­ti­vas pa­ra o país: o Ban­co Cen­tral re­bai­xou a ta­xa de ju­ros, pe­la pri­mei­ra vez em qua­tro anos; o Con­gres­so vo­ta a PEC dos gas­tos, pa­ra con­ter a or­gia fis­cal que afun­dou nos­sa eco­no­mia; o res­ga­te da Pe­tro­bras, sob no­va di­re­ção, com o ru­mo ajus­ta­do, co­me­ça a re­a­bi­li­tar a mai­or em­pre­sa na­ci­o­nal. Ca­da um des­ses fa­to­res dá a sua con­tri­bui­ção pa­ra a cons­tru­ção de um no­vo ce­ná­rio, que só es­ta­rá com­ple­to quan­do o em­pre­go vol­tar a cres­cer.

Ca­mi­nhan­do na con­tra­mão, aqui na Bahia vi­ve­mos o agra­va­men­to da cri­se do Cen­tro de Con­ven­ções, sinô­ni­mo de cri­se do tu­ris­mo bai­a­no. O de­sa­ba­men­to do pré­dio do Cen­tro de Con­ven­ções não é ape­nas um aci­den­te fí­si­co, mas so­bre­tu­do um ru­de gol­pe em um seg­men­to econô­mi­co dos mais re­le­van­tes, ex­pres­si­vos e sim­bó­li­cos pa­ra a nos­sa Ca­pi­tal e o Es­ta­do. Bas­ta ver que qua­se du­as de­ze­nas de en­ti­da­des con­gre­gam o tra­de tu­rís­ti­co, dan­do a di­men­são da ca­pi­la­ri­da­de so­ci­al da ca­deia pro­du­ti­va do se­tor.

Com a sus­pen­são das su­as ati­vi­da­des, há dois anos – pra­ti­ca­men­te ao mes­mo tem­po em que o se­tor or­ga­ni­za­va a Sal­va­dor Des­ti­na­ti­on – a Bahia re­gis­tra per­da de vo­os – e da li­de­ran­ça do trá­fe­go aé­reo no Nor­des­te, fe­cha­men­to de ho­téis, agên­ci­as e ser­vi­ços, au­men­to do de­sem­pre­go – com re­fle­xos in­clu­si­ve no se­tor in­for­mal, além de ou­tras ma­ze­las. Com o de­sa­ba­men­to da es­tru­tu­ra e a con­se­quen­te in­ter­di­ção, es­se im­pac­to se pro­lon­ga por um pe­río­do de mais qua­tro ou cin­co anos. E is­to é mui­to gra­ve.

Se de­ci­sões ur­gen­tes não fo­rem to­ma­das tra­ta-se, na prá­ti­ca, do des­mon­te de um seg­men­to econô­mi­co que vem sen­do cons­truí­do há dé­ca­das, ten­do pos­to a Bahia em po­si­ção de gran­de des­ta­que, in­clu­si­ve in­ter­na­ci­o­nal­men­te. Não ape­nas o in­ves­ti­men­to fí­si­co e hu­ma­no aqui re­a­li­za­do, mas to­do o tra­ba­lho na cons­tru­ção da ima­gem do des­ti­no Bahia, con­quis­ta­da de for­ma per­sis­ten­te e con­tí­nua, se di­lui­rá, re­que­ren­do al­gum dia re­co­me­çar pra­ti­ca­men­te do ze­ro.

Sin­gu­lar e di­fe­ren­ci­a­da, Sal­va­dor tem po­ten­ci­al pa­ra apre­sen­tar-se ao mun­do co­mo um des­ti­no glo­bal­men­te com­pe­ti­ti­vo. Sua he­ran­ça cul­tu­ral afro­des­cen­den­te faz da­qui um des­ti­no que as­so­cia tu­ris­mo e cul­tu­ra, com ba­se em tra­di­ções, rit­mos, cu­li­ná­ria, cren­ças, va­lo­res, que a dis­tin­guem de for­ma mar­can­te. Te­mos tam­bém sol e praia e a Baía de To­dos os San­tos.

Te­mos re­de hoteleira, mas Sal­va­dor é uma ci­da­de ca­ren­te de equi­pa­men­tos tu­rís­ti­cos. O Cen­tro de Con­ven­ções, ain­da que pre­cá­rio e en­ve­lhe­ci­do, era o prin­ci­pal de­les, aco­lhen­do o tu­ris­mo de ne­gó­ci­os, in­dis­pen­sá­vel pa­ra equi­li­brar o flu­xo e se­gu­rar a bai­xa es­ta­ção.

“Ci­da­de da Mú­si­ca”, in­clu­si­ve re­co­nhe­ci­da pe­la Unesco – que a in­cluiu na re­de mun­di­al de Ci­da­des Cri­a­ti­vas – Sal­va­dor não tem uma gran­de e mo­der­na are­na de even­tos. Fal­tam até sim­ples ca­sas de es­pe­tá­cu­los, ca­pa­zes de aco­lher shows re­gu­la­res, mos­tran­do a fal­ta que nos faz a exis­tên­cia de uma in­dús­tria cul­tu­ral. A nos­sa mú­si­ca se mos­tra, mas nas ru­as, nos es­pa­ços aber­tos, du­ran­te o Car­na­val e o Re­veil­lon. Os fes­ti­vais aqui são re­a­li­za­dos em lo­cais im­pro­vi­sa­dos, e não con­se­guem, por is­so mes­mo, ga­nhar a im­por­tân­cia e o des­ta­que que po­de­ri­am ter.

O de­sas­tre che­ga no mo­men­to em que a ci­da­de abre no­vas pos­si­bi­li­da­des pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to tu­rís­ti­co, es­ti­mu­lan­do o la­zer de sol e praia com o Pro­je­to Or­la; apoi­an­do o tu­ris­mo cul­tu­ral com os no­vos mu­seus – a Ca­sa do Rio Ver­me­lho, os Es­pa­ços Ca­ri­bé e Ver­ger; des­per­tan­do o in­te­res­se pe­la náu­ti­ca co­mo um seg­men­to pro­mis­sor. O no­vo PDDU, ela­bo­ra­do no bo­jo do pla­no Sal­va­dor 500, abre no­vas pos­si­bi­li­da­des e al­ter­na­ti­vas pa­ra o se­tor, re­con­fi­gu­ran­do a ci­da­de. Es­sas no­vas ini­ci­a­ti­vas vi­e­ram pa­ra pro­pi­ci­ar um sal­to qua­li­ta­ti­vo no tu­ris­mo bai­a­no. Mas não pres­cin­dem da exis­tên­cia de um cen­tro de con­ven­ções de gran­de por­te.

É cer­to que a Sal­va­dor An­ti­ga é o prin­ci­pal po­lo tu­rís­ti­co da Ci­da­de e pre­ci­sa, ca­da vez mais, ser pre­pa­ra­da pa­ra cum­prir es­se pa­pel, tra­zen­do di­na­mis­mo e opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho e ren­da pa­ra to­da a ci­da­de. Nes­se sen­ti­do, com­por­ta­ria ter aí um se­gun­do cen­tro de con­ven­ções. Mas as cir­cuns­tân­ci­as, a si­tu­a­ção e o mo­men­to re­que­rem, ago­ra, que o equi­pa­men­to se­ja res­ta­be­le­ci­do no mes­mo lo­cal.

En­gol­fa­do pe­la cri­se fis­cal, o Es­ta­do não dis­po­rá de re­cur­sos pa­ra re­cons­truir o Cen­tro de Con­ven­ções da Bahia. No en­tan­to, é im­pe­ra­ti­vo que ele se­ja re­a­ti­va­do no mais cur­to lap­so de tem­po e, por opor­tu­no, com am­pli­a­ção, mo­der­ni­za­ção e no­vas fun­ci­o­na­li­da­des. O bom sen­so in­di­ca que o ca­mi­nho pa­ra estancar a san­gria do tu­ris­mo bai­a­no é a mo­bi­li­za­ção de par­ce­ria pri­va­da. Des­ti­no tu­rís­ti­co im­por­tan­te, a Bahia des­per­ta­rá o in­te­res­se dos players do se­tor. Com o ter­re­no, as ins­ta­la­ções re­ma­nes­cen­tes e os re­cur­sos da emen­da par­la­men­tar o em­pre­en­di­men­to se vi­a­bi­li­za­rá.

En­quan­to is­to, o tra­de tu­rís­ti­co ha­ve­rá de en­con­trar mei­os in­te­li­gen­tes de con­vi­ver com a la­cu­na tem­po­rá­ria do Cen­tro de Con­ven­ções, re­for­çan­do o fo­co nos de­mais atri­bu­tos da ci­da­de.

Na­da jus­ti­fi­ca o aban­do­no do tu­ris­mo bai­a­no!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.