24h Ser­vi­do­res pú­bli­cos em gre­ve te­rão des­con­to dos di­as pa­ra­dos, diz STF

Correio da Bahia - - Brasil -

JUS­TI­ÇA Por seis vo­tos a qua­tro, o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ci­diu on­tem que ser­vi­do­res pú­bli­cos em gre­ve de­ve­rão ter des­con­ta­dos em su­as fo­lhas de pa­ga­men­to os di­as de­cor­ren­tes da pa­ra­li­sa­ção. O STF, no en­tan­to, abriu bre­cha pa­ra a com­pen­sa­ção do cor­te em ca­so de acor­do en­tre as par­tes, além de de­ter­mi­nar que o des­con­to se­rá in­ca­bí­vel se fi­car de­mons­tra­do que a gre­ve foi pro­vo­ca­da por con­du­ta ilí­ci­ta do pró­prio po­der pú­bli­co. O ca­so em dis­cus­são pe­lo ple­ná­rio do STF gi­rou em tor­no de um re­cur­so apre­sen­ta­do pe­la Fun­da­ção de Apoio à Es­co­la Téc­ni­ca do Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro (Fa­e­tec) con­tra de­ci­são do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça flu­mi­nen­se, que im­pe­diu a efe­tu­a­ção do des­con­to em fo­lha de pa­ga­men­to de tra­ba­lha­do­res que ade­ri­ram a uma gre­ve en­tre mar­ço e maio de 2006. “O ad­mi­nis­tra­dor pú­bli­co não ape­nas po­de, mas tem o de­ver de cor­tar o pon­to. O cor­te de pon­to é ne­ces­sá­rio pa­ra a ade­qua­da dis­tri­bui­ção dos ônus ine­ren­tes à ins­tau­ra­ção da gre­ve e pa­ra que a pa­ra­li­sa­ção, que ge­ra sa­cri­fí­cio à po­pu­la­ção, não se­ja ado­ta­da pe­los ser­vi­do­res sem mai­o­res con­sequên­ci­as”, dis­se o mi­nis­tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so. Pa­ra o mi­nis­tro, o de­ses­tí­mu­lo à gre­ve só vi­rá se o ser­vi­dor sou­ber, des­de o iní­cio, que “ele tem es­se pre­ço a pa­gar”.

Bar­ro­so, no en­tan­to, res­sal­tou que o cor­te de pon­to não po­de ser fei­to em ca­so de con­du­ta ile­gí­ti­ma do po­der pú­bli­co. Ele ci­tou co­mo exem­plo a pa­ra­li­sa­ção de ser­vi­do­res da Uni­ver­si­da­de do Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro (Uerj), em vir­tu­de do não pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os de boa par­te dos ter­cei­ri­za­dos. “Quem pa­ga a gre­ve é o con­tri­buin­te, por­que a es­co­la do me­ni­no fi­ca sem au­la, o ser­vi­ço pú­bli­co do ci­da­dão fi­ca sem fun­ci­o­nar”, dis­se o mi­nis­tro Luiz Fux.

Pa­ra Sér­gio Ro­nal­do da Sil­va, se­cre­tá­rio-ge­ral da Con­fe­de­ra­ção dos Tra­ba­lha­do­res no Ser­vi­ço Pú­bli­co Fe­de­ral (Cond­sef), a de­ci­são do STF faz par­te de uma “ofen­si­va sin­to­ni­za­da” dos Três Po­de­res con­tra o fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co e qual­quer mo­bi­li­za­ção da sociedade con­tra as pro­pos­tas do go­ver­no Te­mer. Pa­ra Ri­car­do Lewan­dows­ki, que vo­tou con­tra a de­ci­são, o cor­te de sa­lá­rio não po­de ser uni­la­te­ral, pre­ci­san­do ser sub­me­ti­da à Jus­ti­ça. “Te­nho mui­ta re­sis­tên­cia a es­ta­be­le­cer con­di­ções uni­la­te­rais pa­ra o exer­cí­cio de um di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal”, dis­se. O jul­ga­men­to foi ini­ci­a­do em se­tem­bro de 2015, quan­do o mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, re­la­tor do pro­ces­so, de­fen­deu co­mo re­gra o não pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os, a me­nos que os di­as pa­ra­dos fos­sem ne­go­ci­a­dos e com­pen­sa­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.