Cor­po e car­ro da ví­ti­ma são pe­ri­ci­a­dos

Correio da Bahia - - Mais -

“Pro­cu­ra­mos sa­ber os lo­cais que ele fre­quen­ta­va, o que gos­ta­va de fa­zer, quem eram seus ami­gos. A par­tir daí, pas­sa­mos a tra­zer es­sas pes­so­as pa­ra se­rem ou­vi­das. Co­me­ça­mos a co­lher de­ta­lhes e fo­mos aos lo­cais. É um tra­ba­lho de in­te­li­gên­cia que não po­de ser di­vul­ga­do por com­ple­to”, dis­se.

De acor­do com a po­lí­cia, a in­ves­ti­ga­ção che­gou a Adri­a­no atra­vés do ami­go do mé­di­co, que in­for­mou aos po­li­ci­ais so­bre a ami­za­de de Luiz Car­los com o car­pin­tei­ro. A do­na da piz­za­ria on­de os dois es­ti­ve­ram mo­men­tos an­tes do cri­me tam­bém pres­tou de­poi­men­to à po­lí­cia e con­fir­mou a ida de Luiz Car­los e Adri­a­no ao lo­cal.

RE­GIS­TRO

Ain­da con­for­me a po­lí­cia, a fa­mí­lia da ví­ti­ma dis­se não ter co­nhe­ci­men­to des­sa re­la­ção. Eles dis­se­ram que o úl­ti­mo con­ta­to com o mé­di­co foi no dia 2, quan­do ele avi­sou que es­ta­va sain­do de ca­sa pa­ra vo­tar. A po­lí­cia só foi pro­cu­ra­da dois di­as de­pois.

Se­gun­do Adri­a­no, ele e o mé­di­co se co­nhe­ce­ram há cer­ca de três me­ses em um pon­to de ôni­bus na Ave­ni­da Gal Cos­ta, nas pro­xi­mi­da­des da obra on­de o car­pin­tei­ro tra­ba­lha­va. Eles tro­ca­ram te­le­fo­nes e fi­ca­ram ami­gos. O sus­pei­to dis­se que Luiz Car­los cos­tu­ma­va lhe aju­dar fi­nan­cei­ra­men­te. Adri­a­no dis­se ain­da que o mé­di­co se apre­sen­tou co­mo um re­pre­sen­tan­te de ven­das e que mo­ra­va em Fei­ra de San­ta­na. Luiz Car­los era mo­ra­dor do con­do­mí­nio Cos­ta Ver­de, em Pi­a­tã.

Con­for­me a po­lí­cia, ape­sar de Adri­a­no ter con­fes­sa­do o cri­me, as in­ves­ti­ga­ções ain­da não fo­ram con­cluí­das, uma vez que os bens do mé­di­co e a fa­ca uti­li­za­da no cri­me não fo­ram en­con­tra­dos. Não é pos­sí­vel afir­mar que Adri­a­no agiu so­zi­nho.

A in­ves­ti­ga­ção apon­tou que, após o cri­me, o sus­pei­to pa­rou de usar o an­ti­go chip de te­le­fo­ne e pas­sou a uti­li­zar um no­vo nú­me­ro. O chip foi en­con­tra­do na ca­sa e ain­da se­rá pe­ri­ci­a­do. Na ca­sa de Adri­a­no fo­ram re­co­lhi­dos ves­tí­gi­os de san­gue, re­ve­la­dos por agen­tes quí­mi­cos (lu­mi­nol), no pa­no de chão e em ou­tros lo­cais. De acor­do com a po­lí­cia, ele já foi en­ca­mi­nha­do ao sis­te­ma pri­si­o­nal. A de­le­ga­da diz que não há dú­vi­das so­bre a au­to­ria do cri­me e a pri­são pre­ven­ti­va já foi so­li­ci­ta­da. Se con­de­na­do, o car­pin­tei­ro po­de pe­gar de 12 a 30 anos de pri­são.

4/10 Sem con­se­guir con­ta­to com o mé­di­co, que não ti­nha o cos­tu­me de sair sem dar no­tí­ci­as, a fa­mí­lia re­sol­veu pro­cu­rar a po­lí­cia pa­ra re­gis­trar o de­sa­pa­re­ci­men­to. Eles tam­bém fi­ze­ram cam­pa­nha nas re­des so­ci­ais.

11/10 Uma se­ma­na de­pois, o car­ro de Luiz Car­los, um Po­lo pra­ta, foi en­con­tra­do car­bo­ni­za­do na Via Pa­ra­fu­so.

14/10 O cor­po do mé­di­co foi lo­ca­li­za­do já em es­ta­do de es­que­le­ti­za­ção, após o pri­mei­ro pe­dá­gio, per­to da Pe­drei­ra Pa­ra­fu­so, na BR-324.

25/10 Por cau­sa do avan­ça­do es­ta­do de de­com­po­si­ção, so­men­te no dia 25 a iden­ti­fi­ca­ção foi con­fir­ma­da pe­lo De­par­ta­men­to de Po­lí­cia Téc­ni­ca (DPT).

26/10 Após de­nún­cia de um ex-com­pa­nhei­ro do mé­di­co, o sus­pei­to foi lo­ca­li­za­do e pre­so pe­la po­lí­cia an­te­on­tem. Car­bo­ni­za­do na Via Pa­ra­fu­so, o car­ro mo­de­lo Po­lo, cor pra­ta, que per­ten­cia ao mé­di­co Luis Car­los Cor­reia Oli­vei­ra, es­tá sen­do pe­ri­ci­a­do e po­de dar mais pis­tas so­bre o que ocor­reu na noi­te do dia 2. De acor­do com o pe­ri­to mé­di­co-le­gal Má­rio Câ­ma­ra, di­re­tor do Ins­ti­tu­to Mé­di­co Le­gal Nina Ro­dri­gues (IML), o cor­po tam­bém es­tá pas­san­do por pe­rí­ci­as. Se­gun­do ele, o es­ta­do de es­que­le­ti­za­ção, mais avan­ça­do do que a de­com­po­si­ção, do cor­po foi de­vi­do à ação de ani­mais. “Um cor­po ex­pos­to em área de ma­ta es­que­le­ti­za mui­to rá­pi­do por­que os ani­mais de­vo­ram e o calor ace­le­ra o pro­ces­so”, dis­se.

A po­lí­cia in­for­mou ain­da que os fa­mi­li­a­res de Luiz Car­los es­tão pe­din­do no­vos exa­mes de iden­ti­fi­ca­ção do cor­po, po­rém, a in­ves­ti­ga­ção in­for­mou que não há dú­vi­das quan­to a es­se pon­to da in­ves­ti­ga­ção. Is­so por­que a aná­li­se da ar­ca­da den­tá­ria con­fir­mou que é, de fa­to, o mé­di­co. “É des­ne­ces­sá­rio usar ou­tro mé­to­do. A iden­ti­fi­ca­ção já foi fei­ta, ago­ra a pe­rí­cia quer pro­var em que cir­cuns­tân­ci­as se deu a mor­te. Mas, se a fa­mí­lia qui­ser, po­de fa­zer por con­ta pró­pria”,

Car­ro foi aban­do­na­do car­bo­ni­za­do em rua pró­xi­ma à Via Pa­ra­fu­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.