Câ­me­ras de ôni­bus em que dois fo­ram mor­tos não gra­va­ram ação

Correio da Bahia - - Bahia - HILZA COR­DEI­RO E GIL SAN­TOS

NIN­GUÉM PRE­SO As du­as câ­me­ras do ôni­bus da li­nha 1387, on­de o sar­gen­to da re­ser­va da PM Gil­ber­to Mi­ran­da de An­dra­de, 56 anos, e o por­tei­ro Jo­se­nil­do San­tos Reis, 41, fo­ram mor­tos du­ran­te as­sal­to, na noi­te de an­te­on­tem, pró­xi­mo à Bra­sil­gás, não gra­va­ram o cri­me. O co­le­ti­vo da em­pre­sa OT Trans fa­zia a li­nha Na­ran­di­baNo­va Bra­sí­lia. “Es­sas ima­gens nos aju­da­ri­am na bus­ca pe­los cri­mi­no­sos e ser­vi­ri­am tam­bém co­mo pro­vas no inqué­ri­to po­li­ci­al que já foi ins­tau­ra­do”, con­tou o de­le­ga­do Odair Car­nei­ro, co­or­de­na­dor da for­ça-ta­re­fa que in­ves­ti­ga o ca­so. A Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Mo­bi­li­da­de (Se­mob) in­for­mou que a em­pre­sa res­pon­sá­vel pe­lo co­le­ti­vo po­de ser pe­na­li­za­da Se for cons­ta­ta­do que o equi­pa­men­to es­ta­va ino­pe­ran­te, se­rá la­vra­do um au­to de in­fra­ção. Pro­cu­ra­da, a OT Trans não foi lo­ca­li­za­da pa­ra co­men­tar o as­sun­to. O COR­REIO tam­bém não con­se­guiu con­ta­to com o Sin­di­ca­to das Em­pre­sas de Trans­por­te Pú­bli­co de Sal­va­dor (Setps). Três ho­mens en­tra­ram no co­le­ti­vo, por vol­ta das 19h15 de an­te­on­tem, e anun­ci­a­ram o as­sal­to. Gil­ber­to re­a­giu e foi ba­le­a­do du­as ve­zes na cabeça. O por­tei­ro Jo­se­nil­do foi atin­gi­do por uma ba­la per­di­da. Os dois mor­re­ram no lo­cal. O por­tei­ro, que tra­ba­lha­va na Pi­tu­ba, es­ta­va a ca­mi­nho do Com­ple­xo Pe­ni­ten­ciá­rio da Ma­ta Es­cu­ra, on­de cum­pria pe­na em re­gi­me se­mi­a­ber­to. Se­gun­do a po­lí­cia, a pri­são do­mi­ci­li­ar de­le es­ta­va pre­vis­ta pa­ra de­zem­bro. O ir­mão de Jo­se­nil­do, Ju­lí­cio Reis, 48, con­tou que es­ta­va em ca­sa, co­me­mo­ran­do o ani­ver­sá­rio, quan­do re­ce­beu a no­tí­cia de que um po­li­ci­al e um pas­sa­gei­ro ti­nham mor­ri­do num as­sal­to na BR-324. “Em mo­men­to ne­nhum pas­sou pe­la mi­nha cabeça que o pas­sa­gei­ro po­de­ria ser meu ir­mão. De­pois que eu to­mei co­nhe­ci­men­to, foi um ba­que”, dis­se. Jo­se­nil­do era por­tei­ro de um shop­ping na Pi­tu­ba há 17 anos. Ele tra­ba­lha­va com a es­po­sa, que es­ta­va de fol­ga an­te­on­tem. O ir­mão con­tou que o por­tei­ro foi pre­so acu­sa­do de ser com­par­sa de um as­sal­tan­te. “Nem a ví­ti­ma e nem o au­tor acu­sa­ram ele, mas quan­do a po­lí­cia che­gou, co­lo­cou os dois co­mo uma du­pla. Ele foi con­de­na­do a 5 anos e qua­tro me­ses de pri­são, in­jus­ta­men­te”, de­fen­deu. O cor­po de Jo­se­nil­do se­rá en­ter­ra­do ho­je. Já o do PM Gil­ber­to foi se­pul­ta­do on­tem no Ce­mi­té­rio do Cam­po San­to. Um ir­mão dis­se que o sar­gen­to po­de ter re­co­nhe­ci­do um dos ban­di­dos ou foi re­co­nhe­ci­do por eles e, por is­so, re­a­giu à ação. “Ele era ci­da­dão de bem”, afir­mou um ami­go. Pe­la ma­nhã, um ho­mem che­gou a ser pre­so, mas tes­te­mu­nhas não o re­co­nhe­ce­ram e ele foi li­be­ra­do. À noi­te, a SSP di­vul­gou o re­tra­to fa­la­do de um dos sus­pei­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.