Cho­ques elé­tri­cos

Correio da Bahia - - Economia -

A ban­dei­ra amarela vol­ta­rá às con­tas de luz e a ener­gia fi­ca­rá mais ca­ra. A jus­ti­fi­ca­ti­va é o ní­vel de água dos re­ser­va­tó­ri­os, que con­ti­nua abai­xo da mé­dia his­tó­ri­ca. Ao mes­mo tem­po, as dis­tri­bui­do­ras têm ti­do pre­juí­zo por­que o con­su­mo caiu. Elas con­tra­ta­ram na al­ta e ago­ra ven­dem na bai­xa. Os con­su­mi­do­res ain­da pa­ga­rão até 2020 os em­prés­ti­mos to­ma­dos pa­ra ban­car a re­du­ção das ta­ri­fas no go­ver­no Dil­ma. O pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Acen­de Bra­sil, Clau­dio Sa­les, con­ta que o se­tor saiu da sub­con­tra­ta­ção pa­ra a so­bre­con­tra­ta­ção. De­pois das con­fu­sões pro­vo­ca­das pe­la MP 579, de se­tem­bro de 2012, as dis­tri­bui­do­ras ti­ve­ram que com­prar ener­gia no mer­ca­do li­vre por um pre­ço al­tís­si­mo. Ago­ra, com a re­ces­são, o con­su­mo des­pen­cou. As em­pre­sas es­tão ten­do pre­juí­zo por­que ven­dem abai­xo do que pa­ga­ram. Com o anún­cio da Ane­el, on­tem, o país vi­ve uma si­tu­a­ção es­tra­nha: a de­man­da con­ti­nua fra­ca, mas a con­ta fi­ca­rá mais ca­ra.

O Bra­sil ain­da é mui­to de­pen­den­te da ener­gia hi­dráu­li­ca, e o go­ver­no Dil­ma ig­no­rou os aler­tas de que o ní­vel de água es­ta­va cain­do. Nes­te mo­men­to, ou­tras fon­tes têm con­se­gui­do ba­ra­te­ar cus­tos, mas a ofer­ta ain­da é bai­xa. A ge­ra­ção so­lar já fi­cou 25% mais ba­ra­ta nos úl­ti­mos lei­lões, mas só na pró­xi­ma dé­ca­da os sis­te­mas de mi­ni­ge­ra­ção em ca­sas, in­dús­tri­as e co­mér­cio de­vem ter uma ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da re­le­van­te, mai­or do que as usi­nas nu­cle­a­res de An­gra, por exem­plo. No fu­tu­ro, es­se au­men­to irá ge­rar uma for­te con­cor­rên­cia em re­la­ção às fon­tes tra­di­ci­o­nais. O pre­si­den­te da Ab­so­lar, Ro­dri­go Sau­aia, con­ta que mais con­su­mi­do­res po­de­rão ge­rar a pró­pria ener­gia e ven­der o ex­ce­den­te ao sis­te­ma, di­mi­nuin­do o pre­ço da con­ta. Pa­ra o pre­si­den­te do Sin­di­ca­to das In­dús­tri­as de Ener­gia Elé­tri­ca, Sér­gio Mal­ta, es­se ba­ra­te­a­men­to se­rá uma "re­vo­lu­ção". Mas o que é bom pa­ra os con­su­mi­do­res afe­ta­rá o ne­gó­cio das em­pre­sas de ener­gia.

Por ora, o se­tor con­ti­nua con­tra­ri­an­do a ló­gi­ca. O go­ver­no Te­mer é elo­gi­a­do pe­los téc­ni­cos que pas­sa­ram a co­man­dar a área. Eles te­rão mui­to tra­ba­lho. GE­RA­ÇÃO DE EM­PRE­GOS

A re­cu­pe­ra­ção do se­tor elé­tri­co aju­da­rá na re­to­ma­da da economia. Até mes­mo em se­to­res pe­que­nos, co­mo o so­lar, os efei­tos so­bre a ca­deia pro­du­ti­va são enor­mes. A Ab­so­lar con­ta que pa­ra ca­da MW ins­ta­la­do ge­ra-se 35 em­pre­gos, prin­ci­pal­men­te pa­ra téc­ni­cos e en­ge­nhei­ros. Se­gun­do a as­so­ci­a­ção, até 2020 é pos­sí­vel abrir 60 mil va­gas. Já o di­re­tor exe­cu­ti­vo da Wil­son Sons Lo­gís­ti­ca, Tho­mas Ritts­cher, con­ta que a mon­ta­gem de uma usi­na so­lar exi­giu a mo­vi­men­ta­ção de 2.500 con­têi­ne­res.

FÁ­BRI­CA EM ES­PE­RA

A Jin­ko, fa­bri­can­te chi­ne­sa de pla­cas de ener­gia so­lar, con­ta que es­tá mo­ni­to­ran­do a pos­si­bi­li­da­de de cons­truir uma fá­bri­ca no Bra­sil, mas a de­ci­são es­tá em es­pe­ra. A ques­tão cen­tral é o cus­to de pro­du­ção, que é mais al­to aqui do que na Chi­na, Por­tu­gal, Áfri­ca do Sul e Malásia, paí­ses on­de a Jin­ko tem in­dús­tri­as. A po­si­ção, no en­tan­to, po­de ser re­vis­ta por­que em 2019 o BNDES de­ve res­trin­gir o fi­nan­ci­a­men­to às em­pre­sas que não têm pro­du­ção no país, diz Al­ber­to Cu­tler, di­re­tor da com­pa­nhia pa­ra Amé­ri­ca La­ti­na e Itá­lia.

ALÍ­VIO

O IGP-M, mui­to usa­do em con­tra­tos, te­ve al­ta de 0,16% em ou­tu­bro e acu­mu­la 8,78% em 12 me­ses. Até se­tem­bro a ta­xa es­ta­va em 10,66%. CAU­TE­LA

O au­men­to da con­ta de ener­gia dei­xa o Ban­co Cen­tral mais des­con­for­tá­vel pa­ra ace­le­rar o ci­clo de cor­tes da Se­lic.

RE­CU­PE­RA­ÇÃO

O cres­ci­men­to do PIB ame­ri­ca­no veio aci­ma do es­pe­ra­do e is­so au­men­ta a chan­ce de au­men­to dos ju­ros por lá em de­zem­bro.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.