Bahia é lí­der em mor­tes vi­o­len­tas

Correio da Bahia - - Mundo - Cla­ris­sa Pa­che­co e Thi­a­go Frei­re com Agên­ci­as mais@cor­rei­o24ho­ras.com.br

A Bahia é o es­ta­do bra­si­lei­ro com o mai­or nú­me­ro de mor­tes vi­o­len­tas in­ten­ci­o­nais (MVI) em to­do o ano de 2015: fo­ram 6.338 ocor­rên­ci­as, in­cluin­do ho­mi­cí­di­os do­lo­sos, la­tro­cí­ni­os e le­sões cor­po­rais se­gui­das de mor­te. É a mes­ma po­si­ção que ob­te­ve no ano pas­sa­do. Na ca­te­go­ria de ho­mi­cí­di­os do­lo­sos, es­tão in­clu­sas as mor­tes de po­li­ci­ais e as mor­tes de­cor­ren­tes de in­ter­ven­ção po­li­ci­al, em ser­vi­ço ou fo­ra de ser­vi­ço.

Ape­sar da po­si­ção, em nú­me­ros ab­so­lu­tos, hou­ve re­du­ção de 0,43% em re­la­ção a 2014, quan­do fo­ram re­gis­tra­das 6.366 mor­tes vi­o­len­tas in­ten­ci­o­nais. A ta­xa de mor­tes vi­o­len­tas tam­bém caiu: re­du­ção de 0,9%. Em 2014, a ta­xa foi 42,1 pa­ra ca­da 100 mil ha­bi­tan­tes, en­quan­to em 2015, fi­cou em 41,7 ca­sos.

Os da­dos fo­ram di­vul­ga­dos on­tem nu­ma ver­são pre­li­mi­nar do Anuá­rio Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, pu­bli­ca­ção do Fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca. O do­cu­men­to com­ple­to, que es­te ano che­ga a sua 10ª edi­ção e des­ta­ca as mor­tes vi­o­len­tas, se­rá pu­bli­ca­do na pró­xi­ma quin­ta-fei­ra.

Lo­go atrás da Bahia, em quan­ti­da­de de MVI, apa­re­cem São Paulo (5.196), Rio de Ja­nei­ro (5.010), Mi­nas Ge­rais (4.339) e Ce­a­rá (4.105).

TA­XA

As mai­o­res ta­xas de mor­tes vi­o­len­tas, no en­tan­to, es­tão nos estados de Ser­gi­pe (57,3), Ala­go­as (50,8) e Rio Gran­de do Nor­te (48,6). Nes­te ín­di­ce, a Bahia apa­re­ce em sé­ti­mo lu­gar, com 41,7 mor­tes pa­ra ca­da 100 mil ha­bi­tan­tes.

Em en­tre­vis­ta ao COR­REIO, o di­re­tor-pre­si­den­te do Fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Re­na­to Sér­gio de Lima, afir­mou que os nú­me­ros são pre­o­cu­pan­tes, mas de­mons­tram que há chan­ces de a si­tu­a­ção ser re­ver­ti­da ou ame­ni­za­da. “A pes­qui­sa mos­tra o ta­ma­nho da tra­gé­dia bra­si­lei­ra na área. No en­tan­to, por mais que se­ja al­to, te­mos a com­pre­en­são de que há luz no fim do tú­nel. Por exem­plo, 14 dos estados con­se­gui­ram re­du­zir sua ta­xa de MVI”, dis­se ele, ci­tan­do o exem­plo da Bahia.

SSP QUES­TI­O­NA

Pro­cu­ra­da, a Se­cre­ta­ria es­ta­du­al da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca (SSP) ques­ti­o­nou os nú­me­ros le­van­ta­dos pe­lo anuá­rio e res­sal­tou a ne­ces­si­da­de de pa­dro­ni­za­ção da con­ta­gem de cri­mes vi­o­len­tos le­tais in­ten­ci­o­nais no Bra­sil, “pa­ra que não se­jam pro­du­zi­dos ran­kings dis­tor­ci­dos”. “Com­pa­rar os estados nor­des­ti­nos, in­clu­si­ve a Bahia, que não uti­li­za a ca­te­go­ria ‘mor­tes a es­cla­re­cer’, com fe­de­ra­ções que uti­li­zam es­sa no­men­cla­tu­ra é de­si­gual”, dis­se a pas­ta, em no­ta.

A SSP co­men­tou, ain­da, que as di­ver­gên­ci­as de me­to­do­lo­gia “in­du­zem a um er­ro gros­sei­ro, que ex­põe os estados trans­pa­ren­tes na di­vul­ga­ção dos da­dos e pro­te­ge aque­les que uti­li­zam sub­ter­fú­gi­os que mas­ca­ram a re­a­li­da­de das gran­des me­tró­po­les”.

A se­cre­ta­ria ale­ga ain­da que há estados que con­ta­bi­li­zam cha­ci­nas co­mo um cri­me úni­co, en­quan­to a Bahia con­si­de­ra ca­da mor­te um cri­me di­fe­ren­te. “A SSP-BA en­ten­de que en­quan­to não hou­ver a pa­dro­ni­za­ção na me­to­do­lo­gia uti­li­za­da na con­ta­gem, não há co­mo fa­zer com­pa­ra­ti­vos fiéis à re­a­li­da­de”, com­ple­ta o co­mu­ni­ca­do.

NA­CI­O­NAL

O re­la­tó­rio pre­li­mi­nar do anuá­rio apon­ta que, no ano pas­sa­do, fo­ram mor­tos vi­o­len­ta­men­te e in­ten­ci­o­nal­men­te 58.383 bra­si­lei­ros, re­sul­ta­do que re­pre­sen­ta uma pes­soa as­sas­si­na­da no país a ca­da 9 mi­nu­tos, ou cer­ca de 160 mor­tos por dia. Fo­ram 28,6 pes­so­as ví­ti­mas a ca­da gru­po de 100 mil bra­si­lei­ros. No en­tan­to, em com­pa­ra­ção a 2014 (59.086), o nú­me­ro de mor­tes vi­o­len­tas so­freu re­du­ção de 1,2%.

Das 58.383 mor­tes vi­o­len­tas no ano pas­sa­do, 52.570 fo­ram cau­sa­das por ho­mi­cí­di­os (que­da de 1,7% em re­la­ção a 2014); 2.307 por la­tro­cí­ni­os (au­men­to de 7,8%); 761 por le­são cor­po­ral se­gui­da de mor­te (di­mi­nui­ção de 20,2%) e 3.345 por in­ter­ven­ção po­li­ci­al (ele­va­ção de 6,3%). “Per­ce­be­mos tam­bém que, ape­sar de ho­mi­cí­di­os e le­sões cor­po­rais te­rem caí­do, os la­tro­cí­ni­os e a vi­o­lên­cia en­vol­ven­do po­li­ci­ais au­men­ta­ram. Is­so po­de jus­ti­fi­car o me­do que a po­pu­la­ção con­ti­nua sen­tin­do”, dis­se Lima ao COR­REIO.

Es­ta­do man­te­ve pos­to com 6.338 as­sas­si­na­tos no ano pas­sa­do

PI­OR QUE GU­ER­RA

O anuá­rio tam­bém apon­ta que en­tre ja­nei­ro de 2011 e de­zem­bro de 2015, o país re­gis­trou 278.839 ocor­rên­ci­as de ho­mi­cí­dio do­lo­so, la­tro­cí­nio, le­são cor­po­ral se­gui­da de mor­te e mor­te de­cor­ren­te de in­ter­ven­ção po­li­ci­al no Bra­sil, fren­te a 256.124 mor­tes vi­o­len­tas na Sí­ria, en­tre mar­ço de 2011 e de­zem­bro de 2015, de acor­do com o Ob­ser­va­tó­rio de Di­rei­tos Hu­ma­nos da Sí­ria, país em gu­er­ra.

“En­quan­to o mun­do es­tá dis­cu­tin­do co­mo evi­tar a tra­gé­dia que tem ocor­ri­do em Aleppo, em Da­mas­co e vá­ri­as ou­tras ci­da­des, no Bra­sil a gen­te faz de con­ta que o pro­ble­ma não exis­te. Ou, no fun­do, a gen­te acha que é um pro­ble­ma me­nor. Es­ta­mos re­ve­lan­do que a gen­te tei­ma em não as­su­mí-lo co­mo pri­o­ri­da­de na­ci­o­nal”, des­ta­cou o di­re­tor-pre­si­den­te do fó­rum.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.