Po­lí­cia bai­a­na ma­tou 299 e te­ve 19 bai­xas

Correio da Bahia - - Mais -

A Bahia re­gis­trou, du­ran­te o ano de 2015, 299 mor­tes de­cor­ren­tes de in­ter­ven­ção po­li­ci­al, se­gun­do o re­la­tó­rio par­ci­al do Anuá­rio Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca. Por ou­tro la­do, as po­lí­ci­as Ci­vil e Mi­li­tar ti­ve­ram 19 mor­tes em si­tu­a­ção de con­fron­to - três de­las em ser­vi­ço, 16 fo­ra. Em nú­me­ros ab­so­lu­tos, as 299 mor­tes oca­si­o­na­das pe­la po­lí­cia bai­a­na co­lo­cam o es­ta­do em ter­cei­ro no ran­king da le­ta­li­da­de po­li­ci­al, atrás de São Paulo (848) e Rio de Ja­nei­ro (645). Com uma ta­xa de 1,96 por 100 mil ha­bi­tan­tes, a Bahia fi­ca em no­no lu­gar, ten­do Ama­pá (4,86) e Rio (3,88) as mai­o­res ta­xas.

Em to­do o país, a pes­qui­sa re­gis­trou 393 mor­tes de po­li­ci­ais e 3.345 mor­tes cau­sa­das por eles. O nú­me­ro alar­mou o di­re­tor-pre­si­den­te do Fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Re­na­to Sér­gio de Lima. “A vi­o­lên­cia nes­se pa­ta­mar é in­con­ce­bí­vel pa­ra um país co­mo o Bra­sil”, dis­se ele, em en­tre­vis­ta ao COR­REIO.

Pa­ra Lima, exis­te uma gu­er­ra em cur­so, que não be­ne­fi­cia nin­guém. “Tan­to as mor­tes pe­la po­lí­cia, co­mo as mor­tes de po­li­ci­ais, são fa­ces de um mes­mo cru­el mo­vi­men­to do mo­de­lo de se­gu­ran­ça pú­bli­ca vi­gen­te. É um ma­ta-ma­ta que co­lo­ca a vi­da da po­pu­la­ção em jo­go. Fi­ca uma gu­er­ra de ban­di­do e mo­ci­nho que não aju­da em na­da”, la­men­tou.

O so­ció­lo­go Luiz Cláu­dio Lou­ren­ço, co­or­de­na­dor do La­bo­ra­tó­rio de Es­tu­dos so­bre Cri­me e So­ci­e­da­de (Las­sos/Uf­ba), tam­bém atri­bui o al­to nú­me­ro de vi­o­lên­cia em in­ter­ven­ções po­li­ci­ais ao mo­de­lo de se­gu­ran­ça pú­bli­ca im­ple­men­ta­do no país. “Te­mos um mo­de­lo cen­tra­li­za­do em uma es­tra­té­gia mi­li­ta­ri­za­da. Com­ba­te, ge­ra con­fron­to, con­fli­to e mor­te”, ex­pli­cou.

De acor­do com Lou­ren­ço, es­sa vi­são po­de, na ver­da­de, tra­zer me­nos se­gu­ran­ça pa­ra a po­pu­la­ção. “Não é ape­nas a es­tra­té­gia de po­li­ci­a­men­to os­ten­si­vo com mui­ta ar­ma, com ocu­pa­ção pe­la for­ça, que vai ga­ran­tir a fi­na­li­da­de úl­ti­ma da po­lí­cia, que é a se­gu­ran­ça pú­bli­ca. Mui­tas ve­zes, es­sa es­tra­té­gia vai de en­con­tro com es­sa fi­na­li­da­de”, ilus­trou.

O so­ció­lo­go, no en­tan­to, afir­mou que pen­sar um no­vo mo­de­lo, ca­so se­ja es­sa a in­ten­ção do po­der pú­bli­co, se­rá um processo com­ple­xo e de­mo­ra­do. “Sei ape­nas que es­se mo­de­lo que pren­de mui­to e ma­ta mui­to, não es­tá dan­do cer­to”, con­cluiu Lou­ren­ço.

As 3.345 mor­tes de­cor­ren­tes de in­ter­ven­ção po­li­ci­al co­lo­cam o Bra­sil em po­si­ção ve­xa­tó­ria na com­pa­ra­ção com paí­ses eu­ro­peus. Um le­van­ta­men­to fei­to pe­lo jor­nal bri­tâ­ni­co The Gu­ar­di­an, em 2015, re­gis­trou 55 dis­pa­ros fa­tais na In­gla­ter­ra e no país de Ga­les en­tre 1990 e 2014. A ca­da seis di­as, o nú­me­ro de mor­tos pe­la po­lí­cia bra­si­lei­ra se igua­la à mar­ca atin­gi­da no Rei­no Uni­do ao lon­go de 25 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.