SONHE JUN­TO

Correio da Bahia - - Vida -

es­tá sen­do con­ta­da de olhos fe­cha­dos, ima­gi­nan­do os per­so­na­gens”, ex­pli­ca Be­a­triz, que ma­ni­pu­la to­das as Ali­ces.

Di­re­tor do es­pe­tá­cu­lo, Mar­cos Ma­la­faia res­sal­ta que es­sa mis­tu­ra de mí­di­as e sons a ser­vi­ço de um cli­ma sur­re­al cau­sa uma im­pres­são mui­to for­te. “Es­sa sin­cro­nia dos bo­ne­cos e das ani­ma­ções pro­je­ta­das com a mú­si­ca do Pa­to Fu - uni­das à ri­que­za do tex­to e ao efei­to de es­pe­lhos que tem Fer­nan­da Ta­kai e Ali­ces mis­tu­ra­das aos bo­ne­cos - me traz uma sen­sa­ção pra­ze­ro­sa de en­lou­que­ci­men­to”, con­fes­sa.

EMÍ­LIA

Res­pon­sá­vel por ins­pi­rar di­ver­sos fil­mes - que in­clu­em ver­sões da Dis­ney e de Tim Bur­ton -, além de li­vros, ex­po­si­ções, ilus­tra­ções e es­pe­tá­cu­los te­a­trais, a Ali­ce cri­a­da por Lewis Car­roll há 151 anos ga­nha um to­que bra­si­lei­ro na mon­ta­gem que se­rá apre­sen­ta­da no TCA.

Ao tra­çar um pa­ra­le­lo com sua vi­da de lei­to­ra, Fer­nan­da Ta­kai lem­brou do Sí­tio do Pi­ca­pau Ama­re­lo, de Mon­tei­ro Lo­ba­to (1882-1948). “A Emí­lia é a nos­sa Ali­ce. O tro­pi­ca­lis­mo do nos­so tex­to vem do Mon­tei­ro Lo­ba­to, des­sa ma­gia do Sí­tio do Pi­ca­pau Ama­re­lo. Is­so aju­da a cri­ar uma Ali­ce mais nos­sa”, acre­di­ta.

Sen­sí­vel a adul­tos e cri­an­ças, a his­tó­ria da fa­mo­sa per­so­na­gem di­a­lo­ga re­fe­rên­ci­as e pro­põe uma re­fle­xão so­bre o mun­do de ho­je. “O tex­to de Lewis Car­roll pre­nun­cia es­sa si­tu­a­ção pós-mo­der­na, on­de os sen­ti­dos das coi­sas es­tão se tor­nan­do ca­da vez mais flui­dos, mais cam­bi­an­tes e em per­ma­nen­te al­te­ra­ção de po­la­ri­da­de”, des­ta­ca Ma­la­faia.

Pa­ra o di­re­tor, vi­ve-se em um mun­do ins­tá­vel on­de o in­di­ví­duo é ator­men­ta­do pe­la “im­po­si­ção de uma atu­a­li­za­ção in­fi­ni­ta”. “É di­fí­cil fa­lar se is­so é bom ou ruim, por­que é o que é. A pro­pos­ta do Gi­ra­mun­do não é fa­zer uma aná­li­se, de­nún­cia ou pro­po­si­ção ma­ni­queís­ta. É for­ne­cer um es­pe­lho da so­ci­e­da­de”, com­ple­ta.

En­tão, Ma­la­faia lo­go acal­ma quem achar que o tom po­de fi­car mui­to “ca­be­ção”: “Co­mo é um es­pe­tá­cu­lo em­ba­la­do por mú­si­ca, as pes­so­as que têm hor­ror ao té­dio po­dem fi­car tran­qui­las, is­so não vai acon­te­cer (ri­sos)”. E Fer­nan­da com­ple­ta di­zen­do que, “ao as­sis­tir um es­pe­tá­cu­lo co­mo es­se, vo­cê vai que­rer ir ao te­a­tro to­da se­ma­na, vi­ver uma ex­pe­ri­ên­cia ao vi­vo que é mui­to ri­ca e que fal­ta mui­to nas pes­so­as”.

A di­re­to­ra ar­tís­ti­ca Be­a­triz Apo­calyp­se des­ta­ca, ain­da, que as cri­an­ças são atraí­das lo­go de ca­ra pe­los bo­ne­cos. Já os adul­tos são pe­gos por uma pro­vo­ca­ção mais ín­ti­ma, não tão de­cla­ra­da, que diz res­pei­to à im­por­tân­cia de não se afas­tar do po­der ima­gi­na­ção, da his­tó­ria e da in­fân­cia.

“Aos pou­cos, a gen­te vai en­du­re­cen­do, dei­xan­do is­so um pou­co pa­ra trás. O bo­ne­co le­va es­sa si­tu­a­ção pa­ra o adul­to: que não dei­xe de so­nhar, de acre­di­tar. Va­mos vi­ver uma ou­tra si­tu­a­ção que não se­ja só dia a dia, cor­re­ria, tra­ba­lho”, con­vi­da Be­a­triz. Es­pe­tá­cu­lo Ali­ce Live, com Pa­to Fu e Gi­ra­mun­do

Quan­do 5/11 (19h) e 6/11 (17h)

On­de Te­a­tro Cas­tro Al­ves (Cam­po Gran­de)

In­gres­so R$ 160 | R$ 80 (fi­las AaP),R$140|R$70(QaZ3) e R$ 80 | R$ 40 (Z4 a Z11). Ven­das: TCA, SACs Bar­ra e Bela Vis­ta e si­te www.in­gres­so­ra­pi­do.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.