Se afo­gan­do com o na­do ca­chor­ri­nho

Correio da Bahia - - Esporte -

Não sei se vo­cê, ca­ro leitor ou bela lei­to­ra, es­tá acom­pa­nhan­do o ca­so do na­do ca­chor­ri­nho. É aque­la in­ves­ti­ga­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) que en­con­trou ma­ra­cu­tai­as trans­bor­dan­do da Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Des­por­tos Aquá­ti­cos (CBDA), co­man­da­da há 28 anos por Co­a­racy Nu­nes.

Ape­li­dei a ope­ra­ção de Na­do Ca­chor­ri­nho por­que, den­tre os mui­tos mal­fei­tos in­ves­ti­ga­dos, des­co­briu-se que a con­fe­de­ra­ção re­a­li­zou uma li­ci­ta­ção “man­dra­ke” pa­ra com­prar equi­pa­men­tos pa­ra os atle­tas. Só que a em­pre­sa ven­ce­do­ra da li­ci­ta­ção é, na ver­da­de, um pet shop.

Es­ta se­ma­na, pa­ra alí­vio (só um pou­co) de quem não su­por­ta ver a su­jei­ra tão co­mum aos di­ri­gen­tes es­por­ti­vos bra­si­lei­ros, a Jus­ti­ça Fe­de­ral de São Paulo li­mou Co­a­racy Nu­nes do car­go. Man­dou pas­tar, até se­gun­da or­dem, e de­ter­mi­nou que o Mi­nis­té­rio do Es­por­te in­di­que pes­so­as idô­ne­as pa­ra ocu­par os car­gos de pre­si­den­te e de di­re­tor fi­nan­cei­ro da en­ti­da­de.

Um pa­rên­te­se im­por­tan­te: nes­sa ho­ra a gen­te lem­bra que o Mi­nis­té­rio do Es­por­te é co­man­da­do por Le­o­nar­do Pic­ci­a­ni (PMDB), acu­sa­do por uma de­la­to­ra da Ope­ra­ção La­va Ja­to de su­per­fa­tu­rar até pre­ço de va­ca - is­so mes­mo, va­ca - e res­pon­sá­vel por no­me­ar Gus­ta­vo Per­rel­la co­mo se­cre­tá­rio Na­ci­o­nal de Fu­te­bol. Per­rel­la, pra quem não sa­be, é do­no da­que­le he­li­cóp­te­ro fla­gra­do pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral em 2013 com mais de 400 qui­los de co­caí­na. Lem­brou? Pois é, ele es­tá sol­to e é pa­go com nos­so di­nhei­ro. Dá pra acre­di­tar nu­ma boa no­me­a­ção par­tin­do des­te mi­nis­té­rio? Fe­cha pa­rên­te­se. Na li­mi­nar em que de­ter­mi­na o afas­ta­men­to de Co­a­racy Nu­nes e mais três di­re­to­res da CBDA, o juiz He­ral­do Gar­cia Vi­ta ano­ta o se­guin­te: “Cau­sa es­tra­nhe­za, fe­re o bom sen­so, a ocor­rên­cia de su­ces­si­vas elei­ções na as­so­ci­a­ção, com re­con­du­ção da mes­ma pes­soa des­de 1988. Com o per­dão da pa­la­vra, em vez de ha­ver de­mo­cra­cia na CBDA, pa­re­ce ha­ver mo­nar­quia ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­da, con­so­li­da­da por con­ta da per­pe­tui­da­de na fun­ção”. As in­ves­ti­ga­ções mos­tram que, du­ran­te a “mo­nar­quia ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­da”, Nu­nes che­gou a re­ter até mes­mo uma pre­mi­a­ção de R$ 66 mil que a Fe­de­ra­ção In­ter­na­ci­o­nal en­vi­ou pa­ra os atle­tas da se­le­ção mas­cu­li­na de po­lo aquá­ti­co, que fi­cou em ter­cei­ro lu­gar nu­ma com­pe­ti­ção na Itá­lia. Os jo­ga­do­res nun­ca vi­ram a cor do di­nhei­ro. So­men­te en­tre 2013 e 2015, a CBDA te­ve uma re­cei­ta de mais de R$ 120 mi­lhões, sen­do que boa par­te des­se to­tal foi di­nhei­ro pú­bli­co, pois a prin­ci­pal fon­te de re­cur­sos da en­ti­da­de é o pa­tro­cí­nio dos Cor­rei­os. Mes­mo as­sim, na Olim­pía­da do Rio, o Bra­sil só ga­nhou uma me­da­lha na água, o bron­ze de Po­li­a­na Oki­mo­to na Ma­ra­to­na Aquá­ti­ca.

Ago­ra, Co­a­racy Nu­nes co­me­ça a se afo­gar com o na­do ca­chor­ri­nho que ele mes­mo es­ta­be­le­ceu co­mo re­gra. Pre­ci­sa sa­ber é se al­guém vai se dar ao tra­ba­lho de jo­gar uma boia pra ele.

Co­a­racy Nu­nes che­gou a re­ter uma pre­mi­a­ção

de R$ 66 mil que a Fe­de­ra­ção In­ter­na­ci­o­nal en­vi­ou pa­ra os atle­tas da se­le­ção mas­cu­li­na

de po­lo aquá­ti­co

CHAPAS RU­BRO-NE­GRAS

Já não é mais se­gre­do que o gru­po que co­man­da o Vi­tó­ria há anos ra­chou. Egos in­fla­dos, pi­cui­nhas, vai­da­de, ma­no­bras in­con­fes­sá­veis, deu no que deu: em de­zem­bro, o ba­te-cha­pa vai co­lo­car em la­dos opos­tos con­se­lhei­ros que ain­da apoi­am o pre­si­den­te Rai­mun­do Vi­a­na (é ina­cre­di­tá­vel, mas eles exis­tem) e con­se­lhei­ros que apoi­a­vam até um dia des­ses. Cor­ren­do por fo­ra, sur­ge uma cha­pa for­ma­da ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te por tor­ce­do­res de ar­qui­ban­ca­da, os que vi­nham lu­tan­do pe­la de­mo­cra­cia que os pre­ten­sos do­nos do Vi­tó­ria ja­mais qui­se­ram. Se vo­cê é só­cio há pe­lo me­nos 18 me­ses, po­de­rá vo­tar. Par­ti­ci­pe!

PI­A­DA

“Se eu me re­e­le­ger pa­ra es­sa pró­xi­ma elei­ção in­di­re­ta, con­ti­nuo pre­si­den­te e ain­da pos­so cum­prir mi­nha pa­la­vra (de im­plan­tar elei­ção di­re­ta)”. A afir­ma­ção é de Rai­mun­do Vi­a­na, em en­tre­vis­ta à Me­tró­po­le, com­pro­van­do mais uma vez o que já se sa­bia. Ele acha que to­do tor­ce­dor do Vi­tó­ria é otá­rio.

vu­fir­mo@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.