Di­ver­gir, mas sem per­der a har­mo­nia

Correio da Bahia - - Front Page -

A har­mo­nia en­tre os po­de­res é o pi­lar que sus­ten­ta as de­mo­cra­ci­as mo­der­nas. Nas re­pú­bli­cas não di­ta­to­ri­ais, ca­bem ao Exe­cu­ti­vo as ta­re­fas de go­ver­nar e for­mu­lar po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra o avan­ço do país e a me­lho­ria de vi­da de seus ci­da­dãos. O Le­gis­la­ti­vo tem a res­pon­sa­bi­li­da­de de ela­bo­rar leis e fis­ca­li­zar os atos go­ver­na­men­tais. Fi­ca pa­ra o Ju­di­ciá­rio os pa­péis de cui­dar pa­ra que os có­di­gos le­gais se­jam cum­pri­dos e a sal­va­guar­da da Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral. Quan­do es­sas três ins­tân­ci­as má­xi­mas en­tram em cho­que, os ris­cos à or­dem institucional cres­cem ex­po­nen­ci­al­men­te.

Nos úl­ti­mos di­as, os efei­tos da Ope­ra­ção Métis, de­fla­gra­da pa­ra in­ves­ti­gar a su­pos­ta par­ti­ci­pa­ção da Po­lí­cia Le­gis­la­ti­va con­tra os tra­ba­lhos da La­va Ja­to, acen­de­ram o pa­vio en­tre a cú­pu­la dos três po­de­res. Ir­ri­ta­do com a ba­ti­da da Po­lí­cia Fe­de­ral nas de­pen­dên­ci­as do Con­gres­so, o pre­si­den­te do Se­na­do, Re­nan Ca­lhei­ros (PMDB-AL), gi­rou a me­tra­lha­do­ra ver­bal so­bre a PF, o juiz que au­to­ri­zou a ação e o mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Ale­xan­dre Mo­ra­es, acu­sa­dos por ele de “fas­cis­ta”, “jui­ze­co” e “che­fe­te de po­lí­cia”, res­pec­ti­va­men­te.

As di­a­tri­bes de Re­nan con­tra in­te­gran­tes do Exe­cu­ti­vo e do Ju­di­ciá­rio cri­a­ram mal-es­tar tan­to no Planalto qu­an­to na cú­pu­la do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), cu­ja pre­si­den­te, Cár­men Lú­cia, dei­xou cla­ra sua in­di­ges­tão qu­an­to ao tra­ta­men­to dis­pen­sa­do pe­lo co­man­dan­te do Se­na­do aos mem­bros da Jus­ti­ça. Em de­cla­ra­ção pú­bli­ca, man­dou re­ca­do di­re­to ao pe­e­me­de­bis­ta. “Quan­do um juiz é des­tra­ta­do, eu tam­bém sou. Exi­gi­mos o igual res­pei­to pa­ra que te­nha­mos uma de­mo­cra­cia fun­da­da nos prin­cí­pi­os cons­ti­tu­ci­o­nais”, afir­mou.

O prin­cí­pio de in­cên­dio nas re­la­ções en­tre Re­nan e Cár­men Lú­cia se tor­na ain­da mais gra­ve di­an­te do pa­pel que re­pre­sen­tam. As­sim co­mo Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), que co­man­da a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, am­bos tam­bém es­tão na li­nha su­ces­só­ria do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer e po­dem, a de­pen­der da even­tu­a­li­da­de, as­su­mir a che­fia do Exe­cu­ti­vo e pre­ci­sam es­tar aci­ma das que­re­las pes­so­ais, da tro­ca de far­pas via im­pren­sa.

Num país que an­seia lu­gar no pan­teão das de­mo­cra­ci­as que não se do­bram às cir­cuns­tân­ci­as epi­só­di­cas, a so­li­dez das ins­ti­tui­ções re­pu­bli­ca­nas im­por­ta mais do que a opinião que um tem do ou­tro. Qual­quer que se­ja ela. As­sim, di­fe­ren­ças e in­sa­tis­fa­ções de­vem ser equa­ci­o­na­das den­tro dos es­pa­ços apro­pri­a­dos aos che­fes de po­de­res, an­tes que sai­am pa­ra are­na pú­bli­ca.

A ne­ces­si­da­de de dar ver­niz institucional aos con­fli­tos que, vol­ta e meia, sur­gem na re­la­ção en­tre Exe­cu­ti­vo, Le­gis­la­ti­vo e Ju­di­ciá­rio cres­ce em am­bi­en­tes de cri­se política e econô­mi­ca. O em­ba­te en­tre o se­na­dor e a mi­nis­tra le­vou ten­são ao mer­ca­do e ao Pa­lá­cio do Planalto, jus­to no mo­men­to em que o go­ver­no Te­mer ten­ta atrair o apoio do Con­gres­so pa­ra re­for­mas e ajus­tes fis­cais que con­si­de­ra fun­da­men­tais ao fu­tu­ro do Bra­sil.

A his­tó­ria das na­ções pro­va que os ar­ti­fí­ci­os usa­dos por gen­te in­te­res­sa­da em to­mar o po­der por meio do ca­os en­con­tram es­pa­ço li­vre em am­bi­en­tes de tur­bu­lên­cia institucional. Por ou­tro la­do, nau­fra­gam quan­do acham po­de­res que se har­mo­ni­zam. Ape­sar das dis­so­nân­ci­as na­tu­rais em am­bi­en­tes de li­ber­da­de, é pre­ci­so en­con­trar os acor­des pa­ra a can­ção do bem co­mum.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.