Pe­que­nas tes­te­mu­nhas

Correio da Bahia - - Mundo - Cla­ris­sa Pa­che­co cla­ris­sa.pa­che­co@re­de­bahia.com.br

Na­da co­mo um in­se­to pa­ra tes­te­mu­nhar um as­sas­si­na­to. Ele é a fon­te mais con­fiá­vel pa­ra di­zer quan­do a ví­ti­ma mor­reu, em que lo­cal o cri­me acon­te­ceu e até se dro­gas e al­gum ti­po de ve­ne­no fo­ram, even­tu­al­men­te, uti­li­za­dos no ato. E tu­do o que ele pre­ci­sa pa­ra sa­nar dú­vi­das de quem bus­ca so­lu­ci­o­nar as­sas­si­na­tos é de uma cer­ta ma­tu­ri­da­de – um tem­po de de­sen­vol­vi­men­to em es­tu­fas de la­bo­ra­tó­rio, com di­e­ta res­tri­ta, até atin­gir a fa­se adul­ta. Es­te ano, eles “tes­te­mu­nha­ram” 48 ca­sos na Bahia.

O mais re­cen­te é o ca­so do mé­di­co Luiz Carlos Cor­reia Oli­vei­ra, cu­jo cor­po foi en­con­tra­do em es­ta­do avan­ça­do de es­que­le­ti­za­ção no úl­ti­mo dia 14 (ve­ja na pá­gi­na ao la­do). Em ge­ral, os in­se­tos são ca­pa­zes de pas­sar por um “in­ter­ro­ga­tó­rio” du­as se­ma­nas após se­rem en­con­tra­dos em ca­dá­ve­res. E na Bahia, quem “tra­duz” as res­pos­tas da­das por eles é a equi­pe de En­to­mo­lo­gia Fo­ren­se do De­par­ta­men­to de Po­lí­cia Téc­ni­ca (DPT), for­ma­da pe­los pe­ri­tos cri­mi­nais e en­to­mó­lo­gos Tor­ri­ce­li Sou­sa Thé e Va­nes­sa Mo­ra­to, além de dois es­ta­giá­ri­os do cur­so de Bi­o­lo­gia: Ramon Lima e Paulo Da­vi.

“Os in­se­tos mais co­muns en­con­tra­dos nas nos­sas pe­rí­ci­as são in­se­tos ur­ba­nos, aque­les que con­vi­vem com hu­ma­nos, os cha­ma­dos si­nan­tró­pi­cos”, ex­pli­ca a bió­lo­ga, pe­ri­ta cri­mi­nal e en­to­mó­lo­ga Va­nes­sa Mo­ra­to. Se­gun­do ela, os mais co­muns são es­pé­ci­es pró­pri­as de cli­mas tro­pi­cais, co­mo mos­cas e be­sou­ros, que com­põem a cha­ma­da fau­na ca­da­vé­ri­ca.

O no­me po­de não ser dos mais con­vi­da­ti­vos, mas o tes­te­mu­nho dos in­se­tos é es­sen­ci­al pa­ra so­lu­ci­o­nar cri­mes. “Nós so­mos con­sul­ta­dos, prin­ci­pal­men­te, pa­ra es­ti­ma­ti­va de in­ter­va­lo pós-mor­te e, com me­nos frequên­cia, pa­ra sa­ber se hou­ve des­lo­ca­men­to de ca­dá­ver”, ex­pli­ca o pe­ri­to cri­mi­nal, bió­lo­go, mes­tre e dou­tor em Pa­to­lo­gia Hu­ma­na e pós-dou­tor em En­to­mo­lo­gia Fo­ren­se pe­la Fi­o­cruz/Uf­ba, Tor­ri­ce­li Sou­za Thé.

O la­bo­ra­tó­rio on­de eles tra­ba­lham fun­ci­o­na nas de­pen­dên­ci­as do De­par­ta­men­to de Po­lí­cia Téc­ni­ca da Bahia (DPT), nos Bar­ris, e foi inau­gu­ra­do em 2007. É um dos dois úni­cos no país com co­or­de­na­ção pró­pria na Po­lí­cia Téc­ni­ca. O ou­tro fi­ca na Pa­raí­ba. O es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro já te­ve uma co­or­de­na­ção pró­pria. Ho­je, no en­tan­to, bus­ca im­plan­tar um la­bo­ra­tó­rio nas de­pen­dên­ci­as do Ins­ti­tu­to Mé­di­co-Le­gal. Quan­do o ser­vi­ço é re­qui­si­ta­do, uma das pe­ri­tas da equi­pe, tam­bém en­to­mó­lo­ga, faz o que po­de.

DE­LA­TO­RES

Ape­sar da ca­rên­cia de pro­fis­si­o­nais es­pe­ci­a­li­za­dos e de es­pa­ços de­di­ca­dos à En­to­mo­lo­gia, os bi­chi­nhos cos­tu­mam ser con­vin­cen­tes e for­ne­cem res­pos­tas es­sen­ci­ais à re­so­lu­ção de cri­mes, es­pe­ci­al­men­te quan­do não há tes­te­mu­nhas ocu­la­res do fa­to. O ní­vel de de­com­po­si­ção de um ca­dá­ver não é ca­paz de di­zer, por si só, quan­do aque­la pes­soa mor­reu – mas os in­se­tos po­dem.

Os bi­chos tam­bém são bons de­la­to­res quan­do, nu­ma ten­ta­ti­va de des­pis­tar um as­sas­si­na­to, o cor­po é re­ti­ra­do do lo­cal do cri­me e dei­xa­do em ou­tro. Se­gun­do Tor­ri­ce­li Thé, há in­se­tos pró­pri­os de um ti­po de ve­ge­ta­ção ou área. En­con­trar uma es­pé­cie de mos­ca tí­pi­ca de Ma­ta Atlân­ti­ca num ca­dá­ver lo­ca­li­za­do em uma área de ve­ge­ta­ção de res­tin­ga, por exem­plo, é um in­di­ca­ti­vo de que o cri­me po­de ter ocor­ri­do num lo­cal di­fe­ren­te de on­de o cor­po foi lo­ca­li­za­do.

ES­SEN­CI­AL

Em lo­cais on­de não há o tra­ba­lho da En­to­mo­lo­gia Fo­ren­se, que­si­tos co­mo ho­ra da mor­te e pos­si­bi­li­da­de de des­lo­ca­men­to do cor­po fi­cam sem res­pos­ta. “Es­sas ques­tões fi­cam co­mo in­con­clu­si­vas, por­que os pre­cei­tos da Me­di­ci­na Le­gal, que le­vam em con­ta a ques­tão da ri­gi­dez ca­da­vé­ri­ca pa­ra de­ter­mi­nar o ho­rá­rio da mor­te, fo­ram fei­tos em paí­ses com cli­ma di­fe­ren­te do nos­so, en­tão não se apli­cam aqui”, afir­ma Tor­ri­ce­li.

O tra­ba­lho tam­bém é fun­da­men­tal nos ca­sos em que o cor­po es­tá em es­ta­do avan­ça­do de de­com­po­si­ção. “É pos­sí­vel en­con­trar in­for­ma­ções ge­né­ti­cas no tra­to in­tes­ti­nal dos in­se­tos, além de ves­tí­gi­os de ali­men­tos con­su­mi­dos pe­la ví­ti­ma”, diz o en­to­mó­lo­go. Nes­ses ca­sos, a en­to­mo­to­xi­co­lo­gia fo­ren­se é ca­paz de for­ne­cer in­for­ma­ções so­bre subs­tân­ci­as en­con­tra­das em cor­pos em es­ta­do avan­ça­do de de­com­po­si­ção, en­quan­to a en­to­mo­ge­né­ti­ca ofe­re­ce per­fil de DNA da ví­ti­ma.

Ape­sar da im­por­tân­cia do tra­ba­lho, a pre­sen­ça do en­to­mo­lo­gis­ta fo­ren­se – aque­le que tra­duz o que diz o in­se­to – ain­da é pou­co fre­quen­te. Fal­tam pro­fis­si­o­nais es­pe­ci­a­li­za­dos, in­clu­si­ve na Bahia. Pa­ra Tor­ri­ce­li, o ide­al se­ria que o la­bo­ra­tó­rio ti­ves­se pe­lo me­nos qua­tro pe­ri­tos – são dois. Mes­mo as­sim, o la­bo­ra­tó­rio bai­a­no ser­ve de re­fe­rên­cia pa­ra uma sé­rie de tra­ba­lhos aca­dê­mi­cos: nos úl­ti­mos no­ve anos, fo­ram qua­tro dis­ser­ta­ções de mes­tra­do, uma te­se de dou­to­ra­do e inú­me­ros tra­ba­lhos de con­clu­são de cur­so de gra­du­a­ção. A par­ce­ria ven­ceu três edi­tais de fi­nan­ci­a­men­to.

É a par­ce­ria com a aca­de­mia – no ca­so bai­a­no, com a Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Bahia (Uf­ba) e a Fa­cul­da­de Bahi­a­na de Me­di­ci­na e Saú­de Pú­bli­ca – que as­se­gu­ra o fun­ci­o­na­men­to. Foi a Fun­da­ção de Am­pa­ro à Pes­qui­sa do Es­ta­do da Bahia (Fa­pesb) quem in­ves­tiu R$ 350 mil no la­bo­ra­tó­rio, in­cluin­do equi­pa­men­tos e pes­so­al.

In­se­tos re­ti­ra­dos de cor­pos já aju­da­ram po­lí­cia a elu­ci­dar 48 cri­mes

FRAG­MEN­TOS

Em­bo­ra con­tri­bu­am pa­ra a con­clu­são do lau­do ca­da­vé­ri­co, os en­to­mó­lo­gos ra­ra­men­te co­nhe­cem o des­fe­cho do tra­ba­lho. Is­so por­que as in­for­ma­ções en­con­tra­das por eles são uma eta­pa da pe­rí­cia. Eles tam­bém não são in­for­ma­dos so­bre a iden­ti­da­de da ví­ti­ma on­de as lar­vas ou in­se­tos fo­ram en­con­tra­dos.

“Prin­ci­pal­men­te pa­ra ser im­par­ci­al, nós só re­ce­be­mos a lar­va do ani­mal e o nú­me­ro da pe­rí­cia. Se eu ve­jo que tem al­gum da­do que não es­tá ba­ten­do e es­tá atra­pa­lhan­do, eu con­ver­so com o mé­di­co le­gis­ta e per­gun­to”, ex­pli­ca Va­nes­sa. Uma de­man­da do la­bo­ra­tó­rio, se­gun­do Tor­ri­ce­li, é jus­ta­men­te co­nhe­cer um pou­co mais so­bre o re­sul­ta­do do tra­ba­lho re­a­li­za­do no la­bo­ra­tó­rio.

Mos­cas ca­ta­lo­ga­das após se­rem ‘cri­a­das’ em es­tu­fas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.